Arquivos

Posts Tagged ‘aviões da segunda guerra’

Série: A Hora “H” – Parte II

O hora “H”! Aquele momento decisivo! Na guerra esta hora é o momento do clímax entre a vida e a morte; o momento do desfecho ou de uma situação melancólica. A fotografia, diferentemente do vídeo, pára exatamente no HORA ‘H’. O vídeo é algo dinâmico enquanto que a fotografia pode capturar e congelar esse momento que decidiu a vida de uma pessoa ou mostrou o seu fim.

Essas publicações da Hora H têm por objetivo mostrar e refletir sobre esse momento.

Aviões: Inferno no Céu

 

 Em um romantismo quase inocente, quando muitos jovens pensam em aviões da Segunda Guerra, a primeira imagem que vem em suas mentes, são lindos bombardeios cruzando os céus, aviões de combates americanos, ingleses, japoneses ou alemães, todos altivos e combativos. Mas a realidade também contempla a destruição e a morte nos céus. Muitos aviões foram massacrados em pleno voo, e suas equipes e pilotos, tiveram mortes horríveis, pois nada podiam fazer quando seus bombardeiros caíam de grandes altitudes e ninguém conseguia sair do avião. Os pilotos de aviões de combate, estavam sujeitos a uma morte instantânea ou dolorosa quando atingido. Portanto, não se enganem aqueles que enxergam apenas a beleza do material bélico. Sempre que a humanidade coloco-os em ação, seu emprego real, é seguido por morte e destruição.

Uma Visão Diferente dos Aviões que Combateram na Segunda Guerra

O Cockpit de uma aeronave alemã ou aliada da Segunda Guerra Mundial move e aguça a imaginação dos pilotos atuais, particularmente os modelos da Alemanha que existem apenas em Museus da Segunda Guerra espalhados pelo mundo.

 Para os amigos pilotos como Pedro Ferreira, tentei separar algumas fotografias que pudessem captar a visão dos pilotos, artilheiros e demais componentes da tripulação e, principalmente, a visão interna das aeronaves, já que muitos conhecem todos os tipos de aviões que combateram na Segunda Guerra, mas sabem muito pouco sobre o interior dessas máquinas de guerra.

 

 

 

Os Aviões da Segunda Guerra – A Morte e a Tecnologia Lado a Lado!

Não! Não há como negar que o desenvolvimento da aeronáutica foi a outro patamar depois da Segunda Guerra Mundial. Não há precedente para determinar o quão importante os aviões foram para as nações envolvidas nesse conflito. Frases como a do velho Churchil: “Nunca, no campo dos conflitos humanos, tantos deveram tanto a tão poucos”, só foi possível graças aos pilotos e seus aviões, que defenderam a Inglaterra contra o terror vindo dos céus, algo impensado se voltarmos apenas cinquenta anos antes do conflito. Nesse contexto podemos afirmar que foi assustadoramente maravilhoso o desenvolvimento dessas máquinas.  Expressões como “Superioridade Aérea”, “Bombardeios Aéreos”, “Força Aérea”…Passaram a ter um peso importante na estratégia militar dos países.

Por fim, não podemos negar que recebemos como herança o avanço tecnológico de uma área que avançou sobre o custo de milhões de vidas, mas, infelizmente, assim caminha a humanidade…Assim voa a humanidade.

Os Aviões Mais Estranhos e Camuflados da Guerra!

Uma pequena amostra de aeronaves camufladas e estranhas da guerra.

Este slideshow necessita de JavaScript.

B17 – A Fortaleza Voadora do Reich?

 Alguns aviões foram capturados durante a guerra pela Alemanha e retornaram ao serviço ativo, só que desta vez lutando sob a insígnia do Reich. Várias aeronaves foram capturadas, vamos ver apenas os exemplos do B-17 a Fortaleza Voadora do Reich!

B-17F-27-BO “Wulf Hound”
Primeira aeronave capturada pelos alemães o B-17F-27-BO “Wulf Hound” (41-24585) de 360BS 303BG “Hell`s Angels “. Danificado por caças alemães durante bombardeio de 12 dezembro 1942, e fortemente danificada durante voo de retorno por Bf 110 da NJG 1. O Piloto do B-17 o Tenente Flickinger foi forçado a aterrar em Leeuwarden aeródromo na Holanda. O avião foi reparado e dois dias mais tarde (depois de adicionar a insígnia alemã) com cobertura de dois Bf 110 voou para Rechlin. Aeronave foi testada e mais tarde foi incorporada ao serviço ativo na Alemanha e na França, em unidades de combate diferentes. Os pilotos poderiam conhecer os pontos fortes e fracos da Fortaleza Voadora. O avião foi exibido no aeródromo de Larz, em 12 de junho de 1943, durante a exposição de aviões Aliados capturados. Juntamente com B-17F e outros aviões, como B-24, P-47D, P-51, P-38, Avro Lancaster, DH Mosquito, Typhoon e Spitfire foram exibidos. “Wulf Hound” voltou a Rechlin em julho de 1943, e foi utilizado em testes com planadores DFS 230.

B-17F-85-BO “Dancer Flak”
Segundo B-17 em mãos alemãs B-17F-85-BO “Dancer Flak” (42-30048) de 544BS 384BG. Avião pilotado pelo tenente Dalton Trigo realizou pouso forçado no aeródromo de Laon, na França.

B-17F-90-BO “Down e Go!”
B-17F-90-BO “Down and Go!” certamente foi um avião amaldiçoado. Problemas com avião pilotado pelo tenente Ned Palmer começaram logo após a decolagem. Ambos os motores falharem. Tripulação queria bombardear a Alemanha e voou em frente. Pouco antes da chegada houve um superaquecido em outro motor e foi desativado também. Mas eles seguem o curso sobre a Suécia, contudo avião pousou em campo de exercício da Wehrmacht em Avedøre Holme, na Dinamarca. O avião foi cercado por soldados alemães.

B-17F-100-BO “Miss Nonalee II”
Última B-17 capturado pelos alemães em 1943 B-17F-100-BO “Miss Nonalee II” (42-30336) de 548BS 385BG. Este avião, pilotado pelo tenente Glyndon G. Bell, foi danificado 9 de outubro de 1943 durante o bombardeio executado em Anklam (Prússia Oriental). A tripulação decidiu ir para a Suécia, mas eles calcularam errado o voou para a Dinamarca. Todos os membros da tripulação, exceto o piloto saltaram e foram pegos pela polícia dinamarquesa que colaboravam com os alemães. Tenente Bell fez pouso forçado perto em Varde, Dinamarca a Resistência dinamarquesa conseguiu encontrar o piloto antes das forças locais e conseguiram leva-lo para a Suécia.

B-17G-25-DL
Primeiro B-17 capturados em 1944 foi B-17G-25-DL (42-38017) de 349BS 100BG “Bloody Hundredth”. Avião pilotado pelo tenente John G. Grossage foi danificado 03 de março de 1944. Após a perda de um dos motores e com um membro da tripulação ferido seriamente, o piloto decidiu voar para a Suécia, mas o erro de navegação e o avião pousou em Schlezwig-Jagel aeroporto no Norte da Alemanha.

B-17F-115-BO “Phyllis Marie”
B-17F capturado pelos alemães B-17F-115-BO “Phyllis Marie” (42-30713) de 568BS 390BG. O avião foi capturado 08 de março de 1944 após o desembarque no Vaerlose, na Dinamarca.
B-17G-10 VE-
B-17 capturado em 09 de abril de 1944 pelos alemães foi B-17G-10-VE de 731BS 452BG.

B-17 no Kampfgeschwader 200
Todos os B-17 (excluindo “Miss Nonalee II”) foram transferidos para 200 KG – Unidade especial da Luftwaffe. Todos os Aviões receberam as insígnias alemãs e o da Unidade e camuflagem noturna especial. Os alemães acrescentaram alguns equipamentos: altímetro barométrico ASI e radioaltimeter FuG 101. Os pilotos alemães ficaram maravilhados, porque a “Fortaleza” era um avião formidável. Eles voaram por toda parte: União Soviética, Polônia, Grécia, Itália, França, Bélgica, Holanda, Irlanda e até a Palestina e África! Todos os aviões possuíam o status de ultrassecreto, nem mesmo era do conhecimento de toda a Luftwaffe sua existência e seus alvos em missão eram do conhecimento apenas do piloto e do navegador. Servir no KG- 200  era muito perigoso – os primeiros aviões foram perdidos 15 de maio e 27 junho de 1944 durante missões de combate. Outro avião fortemente danificado em 19 de novembro de 1944 o B-17 “Down e Go!” que foi destruído durante uma missão na fronteira entre a Espanha e França. Um B17 pilotado pelo piloto Knappenscheider Pechmann explodiu logo depois da decolagem e todos a bordo foram mortos. Último avião perdido durante a guerra ocorreu 2 de março de 1945. Avião decolou do aeródromo 11:08 Stuttgart-Euchterdingen com 8 membros da tripulação, nove agentes e três contêineres com equipamentos. Quando o avião voltava para a base foi abatido por um avião britânico de combate noturno. Parte da tripulação saltou com paraquedas.

As Belas e Impressionantes Aeronaves da Segunda Guerra – Em Cores

 O barulho em terra deixava todos aterrorizados, mas não podemos negar um sentimento até utópico de uma maravilhosa beleza com a destruição e morte que essas aeronaves causaram durante a Segunda Guerra Mundial. Por isso, vamos nesse momento esquecer por alguns instantes a destruição e morte e nos concentrarmos apenas na beleza dessas máquinas…Mas apenas por um instante!

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.245 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: