Início > História, Pernambuco, Recife > Série – Você deveria saber mais sobre Pernambuco I

Série – Você deveria saber mais sobre Pernambuco I


– PARA AQUELES QUE TEM CURIOSIDADE SOBRE COMO RECIFE, OLINDA E OUTRAS CIDADES DE NOSSO ESTADO SE TRANSFORAM, VAMOS REALIZAR UMA SÉRIE DE POSTS DESTANCADO AS MUDANÇAS DO NOSSO CENÁRIO AO LONGO DOS ANOS:

PARA COMEÇAR…

A PONTE GIRATÓRIA…QUE NÃO É MAIS GIRATÓRIA…

A Ponte Giratória ligava o bairro do Recife ao bairro de São José. Foi inaugurada no dia 5 de dezembro de 1923, servindo à cidade do Recife até a década de 1970.

A Ponte Giratória foi construída na bacia defronte da antiga “Barreta”. A “Barreta” era a passagem natural das barcaças e outras embarcações do mesmo porte, único meio de transporte que se destinava aos cais interiores ou fluviais do Recife, como o da Alfândega, José Mariano e o do Colégio.

A sua construção foi determinada quando da modernização do porto do Recife, em 1920. Na ocasião, ficou constatada a necessidade de uma ponte rodo-ferroviária, de vão central giratório, na embocadura do rio Capibaribe com o Beberibe, para favorecer a passagem das embarcações veleiras e para dar passagem ao transporte ferroviário para o porto do Recife. Tais embarcações transportavam açúcar e vinham de regiões não servidas por ferrovias.

A Ponte era formada de três lances: dois fixos e um que girava. Este último deixava, ao girar, duas passagens para o trânsito marítimo – quando se dizia que a ponte estava “aberta”.  Foi instalada uma sirena, que soava alto antes da ponte girar, e as suas cabeceiras eram barradas com correntes e avisos de alerta para evitar qualquer acidente. Quando, num giro, a ponte voltava a ser um todo inteiriço, permitia a passagem de trem pela faixa do meio, que era ferroviária e o tráfego de outros veículos e pedestres pelas laterais, quando então se dizia que a ponte estava “fechada”.

Com a implantação e a ampliação gradativa do sistema de transporte rodoviário no Estado o tráfego de embarcações foi diminuindo. A Ponte que fora construída em ferro, apresentou problemas na maquinaria e a função primeira da Ponte Giratória – dar passagem a grande número de barcaças que aportavam no porto do Recife – , aos poucos, caiu em desuso.

Assim, teve que ser desmontada e em seu lugar foi construída uma outra ponte, ampla e de cimento armado, que foi inaugurada, em 1971, com o nome de Ponte 12 de Setembro, data que lembra o dia solene da inauguração das reformas do porto, em 1918, quando atracou no cais do armazém 9, o paquete São Paulo da Companhia Lloyd Brasileiro.

A ponte liga a Av. Alfredo Lisboa/Cais da Alfândega à Av. Sul/Cais de Santa Rita.     Mesmo tendo sido inaugurada como Ponte 12 de Setembro, boa parte dos recifenses referia-se a ela como Ponte Giratória. Provavelmente este foi um dos motivos que levou a Prefeitura da Cidade do Recife a decretar, através da Lei Nº 16.916, de 19 de novembro de 2003, que sua denominação passaria a ser Antiga Ponte Giratória em vez de Ponte 12 de Setembro.

Fonte: BARBOSA, Virgínia. Ponte Giratória. Pesquisa Escolar On-Line, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://www.fundaj.gov.br>. Acesso em: 03/06/2010

Anúncios
Categorias:História, Pernambuco, Recife
  1. Fernanda
    13/06/2010 às 5:23 PM

    Amigo, que texto maravilhoso. Muito bom. Parabéns!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: