Início > Dieppe, Guerras, História > Desastre em DIEPPE – O Dia D que fracassou!

Desastre em DIEPPE – O Dia D que fracassou!


A Operação “Jubilee”, a incursão em Dieppe, foi a maior operação de seu tipo levada durante a Segunda Guerra Mundial, antes do Operação Overlord. Dez grandes unidades militares tomaram parte  – a maioria formada por canadenses. As perdas foram pesadas, e somente uma das formações cumpriu seu objetivo, mas a operação teve êxito em responder uma questão vital que vinha incomodando os Aliados desde Dukerke, quando pela primeira vez se percebeu que para derrotar Hitler e tudo que ele significava, uma invasão da costa francesa teria de ser efetuada. A questão era: seria possível capturar um porto francês durante os primeiros dias de invasão? A tentativa de capturar Dieppe,  foi feita por seis batalhões e um regimento blindado da 2ª Divisão Canadense, desembarcando em Puys, Pourville e nas praias de Dieppe, entre essas duas vilas. Porém, de cada lado do costa havia uma bateria de canhões de defesa, os quais eram capazes de explodir na água todo o navio que se aproximasse da margem. Para lidar com esse problema, dois Comandos Britânicos foram enviados – o Nº 4 pelo oeste, para destruir as baterias em Vesterival-sur-Mer e Verengeville, e o Nº 3 pelo leste, para destruir os de Berneval.

Desembarques Canadenses

Em 8 de agosto de 1942, 252 embarcações partiram de quatro portos ingleses ao sul, os nove navios com a infantaria carregavam homens da Essex Escocesa e da Royal Hamilton Light Infantary para desembarcar em praias diante do Cassino Dieppe; da Shouth Saskatchewan  Regiment e da Queen’s Own Cameron Hightlanders of Canadá para desembarcar em Pourville; e o Royal Regimento of Canada para desembarcar em Puys. O 14º Batalhão de Tanques do Exército Canadense e os Fuzileiros Mont-Royal iriam desembarcar para dar apoio ao ataque em Dieppe, enquanto que o Comando ‘A’ da Royal Marine iria dar assistência na captura de promontórios que dominavam as praias abertas.

Ataque Convencional

 

Às 13h35 de 19 agosto, os comboios partiram para seus objetivos, os homens estavam prontos em suas embarcações de desembarque. Uma aproximação do litoral, aparentemente sem ser notada, estava em progresso. Então, um clarão de fogo no flanco esquerdo revelou que o Comando Nº 3 havia encontrado um navio inimigo fora do Berneval, e em poucos minutos, todas as defesas inimigas estavam em alerta. Todavia, no franco direito as tropas do Comando Nº 4 estavam levando em diante um ataque convencional. Eles desembarcaram na hora marcada, estava em terra firme e se aproximavam de seu alvo principal, de duas direções às 5h40, haviam destruído um ninho de metralhadora às 06h07 e às 06h30 atacaram a bateria principal. As cargas explosivas foram instaladas, os canhões inutilizados e o Comando Nº 4 estava de volta a sua embarcação e retornando para casa às 07h30. No extremo leste, o Comando Nº 3 havia emergido de uma batalha contra os navios inimigos. Muitos espalhados, e somente uma tropa de 17 homens e três oficiais estava em terra firme pontualmente. Porém, eles tanto fustigaram seu alvo, a Bateria Goebbels, com franco-atiradores e fogo de canhões Bren, que os canhões deles nunca participaram do ataque principal que estava ocorrendo em Dieppe. Porém, entre esses dois comandos de ataque, um desastre total aconteceu com os canadenses. Quer os alemães tenha recebido informações antecipadas sobre a Operação ou não (e haviam evidências que eles receberam), eles haviam se antecipado a uma tentativa de desembarque nas praias de Dieppe, se preparando meticulosamente para ele. Pesadas metralhadoras foram instaladas e cultas e espalhadas e um emaranhado de arame farpado espalhava-se pelas praias, entre o mar e o passeio, e quando os desesperados sobreviventes do primeiro desembarque mergulhavam na areia e se protegiam, morteiros eram despejados entre eles com tal precisão que apenas seria conseguido com uma cuidadosa preparação. Franco-Atiradores acertavam todos que demonstravam liderança, tanto que nenhum oficial de comando nem os poucos comandantes de companhias sobreviveram naquela manhã, e a batalha se tornou uma série de ações desesperadas e individuais; a maioria foi morta assim que seus propósitos eram recebidos – e os pequenos grupos eram rapidamente isolados.

Presos nas praias

O ataque em Dieppe começou no raso mar e morreu na praia. Os Essex Escoceses e os Royal Hamiltons enfrentaram tal poder de fogo que não se sabe se algum deles sobreviveu, chegou aos campos de prisioneiros e depois voltou para casa. As embarcações com tanques que tentaram lhes dar apoio eram arruinadas assim que emergiam da fumaça tão logo que as rampas baixavam. Mesmo assim, 27 tanques alcançaram o litoral e seis deles atravessaram o arame farpado e alcançaram o passeio. Um subiu as escadas do Cassino, e três andaram ao longo do passeio disparando contra o inimigo até acabar a munição: no final, todos estavam destruídos e suas tripulações mortas. Ignorando a verdadeira situação, o comando enviou reservas dos Fuzileiros Mont-Royal e da Royal Marine: porém, sem qualquer benefício, esses homens foram virtualmente desperdiçados. Por volta das 09h00, a verdadeira situação havia sido descoberta e foi feita uma tentativa de retirada. A Esquadra Naval tentou desesperadamente retirar os homens das praias, mas os sacrifícios foram pouco recompensadores; no começo da tarde do dia 19 de agosto, os navios finalmente se retiraram para fazer o caminho de volta , deixando para trás 215 oficiais canadenses e 3.164 soldados, 279 oficiais da Royal Navy ou oficiais de comando e outros 726 britânicos de outros postos e graduações. Também retornaram com a resposta para questão vital. Era um ressonante “Não!” Se um porto era necessário nos primeiros dias da invasão, então os Aliados deveriam levar um com ele.  Experiência aplicada apenas em outra Operação, chamada de Overlord – Dia D.

Anúncios
Categorias:Dieppe, Guerras, História
  1. Victor
    20/04/2011 às 10:17 PM

    Muito legal, parabéns

  2. 13/11/2016 às 4:16 AM

    Muito interessante. Apesar de de ler sobre a 2ª GM há muito tempo, só conheci essa operação ao ver um documentário sobre a Overlord e resolvi pesquisar, achando o seu blog, que é muito bom.
    Parabéns!!!

  3. Lenilson Moutinho
    19/12/2016 às 2:53 PM

    Foi uma operação tampão, que visava desafogar os russos, que estavam sendo massacrados, com os alemães às portas de Moscou. Os líderes aliados sabiam que teriam poucas chances de êxito, estavam sob forte pressão de Stalin pela abertura de uma segunda frente que o aliviasse. Perdas de vidas estúpida, numa batalha que se sabia não poderia ser vencida, somente dois anos depois, como muito estudo e preparação, a Operação Overlord, Dia D.Abraços.

  1. 16/10/2016 às 10:47 AM

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: