Arquivo

Archive for 17/03/2011

Revisando Hitler

Hitler foi, sem sombra de dúvidas, a figura mais controversa e citada do século passado, e suas atitudes deixaram marcas profundas na humanidade, por isso, depois de mais de 80 anos que ele assumiu o poder na Alemanha, ainda é uma celebridade histórica aclamada por alguns e odiado por muitos, e sempre fará parte de estudos, debates e toda sorte de pesquisa sobre os caminhos traçados pelo mundo a partir da sua ascensão ao poder em uma nação que, inebriada pela sua retórica nacionalista consagra-o como salvador de uma nação escolhida para dominarem outras nações. Esse é o contexto hitleriano que confundiu uma geração inteira para lutarem por uma causa maior, a causa ariana.

Realizando pesquisas sobre a Segunda Guerra Mundial é fácil visualizar as enormes discussões sobre as atitudes que Hitler tomou antes e durante o conflito, atitudes estas, que geraram vitórias esmagadoras e consolidou sua política expansionista até 1942, mas seus equívocos também passaram a deliberar as derrotas que culminaram com a queda do Reich em 1945. Claro, não há unanimidade entre os pesquisadores e aficionados pelo assunto sobre os acertos e erros do líder nazista, contudo os acontecimentos da segunda grande guerra foram produto das decisões que o líder supremo da Alemanha tomou.

Hitler leva a culpa

É evidente que, após a derrota da Alemanha, Adolf Hitler juntamente com seus colaboradores diretos são responsabilizados pelas agressões, perdas de vidas e genocídio, mas utopicamente os Aliados também cometeram horríveis excessos durante as campanhas de batalha nos diversos teatros de operações da Segunda Guerra Mundial, contudo, a responsabilidade recai sobre os derrotados, e portanto os Julgamentos de Nuremberg foram a deliberação máxima de culpabilidade dos Alemães, ali, não eram julgados apenas a cúpula nazista, mas também toda a Alemanha. O suicídio de Hitler em 30 de abril, nada significou para a propaganda Aliada no processo de demonização de sua figura. Claro, evidentemente a culpa que lhe é inferida para as gerações futuras são pertinentes, mas o processo de revisão histórica deve aplicar-lhe a justa medida de suas ações, sem negar-lhe, entretanto, os feitos de sua liderança, inclusive de suas realizações pré-guerra, tirando a Alemanha de uma recessão profunda, ainda sob os reflexos do famigerado espólio da Grande Guerra descrito no Tratado de Versalhes. Contudo isso não minimiza sua visão expansionista e seus crimes de guerra, o que se propõe é uma justa conta de seus atos, apenas isso.

 

Todavia Hitler não pode ser reverenciado

Muitas pessoas, deram um status a Hitler incompatível com seus atributos, acreditam que o mesmo foi um herói de um povo, um exemplo de líder e, absurdamente, chegam a declarar que foi um maiores líderes que a humanidade conheceu. Baboseira! Hitler se revela quando estudamos Main Kupf (Minha Luta), em sua obra ele define sua visão de sociedade, de povo e mundo, e eles não são bons! Pelo contrário, evoca a estupidez do racismo, a intervenção do Estado em todos os âmbitos da sociedade e um padrão impressionante de bordões radicalistas que originam dos pensamentos filosóficos ainda inconclusivos do início do século vinte. Enfim, ele foi um político astuto, aliou-se e formou uma imagem, que infelizmente para muitos ainda é de um messias lutando contra o império impiedoso, o que na verdade, não reflete a verdadeira face de Adolf Hitler.

 

%d blogueiros gostam disto: