Revisando Hitler


Hitler foi, sem sombra de dúvidas, a figura mais controversa e citada do século passado, e suas atitudes deixaram marcas profundas na humanidade, por isso, depois de mais de 80 anos que ele assumiu o poder na Alemanha, ainda é uma celebridade histórica aclamada por alguns e odiado por muitos, e sempre fará parte de estudos, debates e toda sorte de pesquisa sobre os caminhos traçados pelo mundo a partir da sua ascensão ao poder em uma nação que, inebriada pela sua retórica nacionalista consagra-o como salvador de uma nação escolhida para dominarem outras nações. Esse é o contexto hitleriano que confundiu uma geração inteira para lutarem por uma causa maior, a causa ariana.

Realizando pesquisas sobre a Segunda Guerra Mundial é fácil visualizar as enormes discussões sobre as atitudes que Hitler tomou antes e durante o conflito, atitudes estas, que geraram vitórias esmagadoras e consolidou sua política expansionista até 1942, mas seus equívocos também passaram a deliberar as derrotas que culminaram com a queda do Reich em 1945. Claro, não há unanimidade entre os pesquisadores e aficionados pelo assunto sobre os acertos e erros do líder nazista, contudo os acontecimentos da segunda grande guerra foram produto das decisões que o líder supremo da Alemanha tomou.

Hitler leva a culpa

É evidente que, após a derrota da Alemanha, Adolf Hitler juntamente com seus colaboradores diretos são responsabilizados pelas agressões, perdas de vidas e genocídio, mas utopicamente os Aliados também cometeram horríveis excessos durante as campanhas de batalha nos diversos teatros de operações da Segunda Guerra Mundial, contudo, a responsabilidade recai sobre os derrotados, e portanto os Julgamentos de Nuremberg foram a deliberação máxima de culpabilidade dos Alemães, ali, não eram julgados apenas a cúpula nazista, mas também toda a Alemanha. O suicídio de Hitler em 30 de abril, nada significou para a propaganda Aliada no processo de demonização de sua figura. Claro, evidentemente a culpa que lhe é inferida para as gerações futuras são pertinentes, mas o processo de revisão histórica deve aplicar-lhe a justa medida de suas ações, sem negar-lhe, entretanto, os feitos de sua liderança, inclusive de suas realizações pré-guerra, tirando a Alemanha de uma recessão profunda, ainda sob os reflexos do famigerado espólio da Grande Guerra descrito no Tratado de Versalhes. Contudo isso não minimiza sua visão expansionista e seus crimes de guerra, o que se propõe é uma justa conta de seus atos, apenas isso.

 

Todavia Hitler não pode ser reverenciado

Muitas pessoas, deram um status a Hitler incompatível com seus atributos, acreditam que o mesmo foi um herói de um povo, um exemplo de líder e, absurdamente, chegam a declarar que foi um maiores líderes que a humanidade conheceu. Baboseira! Hitler se revela quando estudamos Main Kupf (Minha Luta), em sua obra ele define sua visão de sociedade, de povo e mundo, e eles não são bons! Pelo contrário, evoca a estupidez do racismo, a intervenção do Estado em todos os âmbitos da sociedade e um padrão impressionante de bordões radicalistas que originam dos pensamentos filosóficos ainda inconclusivos do início do século vinte. Enfim, ele foi um político astuto, aliou-se e formou uma imagem, que infelizmente para muitos ainda é de um messias lutando contra o império impiedoso, o que na verdade, não reflete a verdadeira face de Adolf Hitler.

 

Anúncios
  1. Paulo Roberto de Oliveira
    26/11/2011 às 2:35 PM

    Os 20 milhões de sovieticos mortos nos expurgos de Stalin, ninguem fala sobre isso???
    Esse fato não é um holocausto??

    É precisamos reintender a História….

    • 26/11/2011 às 2:45 PM

      Paulo

      Observe em outros tópicos que abordamos o assunto. Abraços

      • Paulo Roberto
        20/10/2012 às 6:01 PM

        Parabéns pelo seu Blog, abraços!

      • 24/12/2012 às 12:04 AM

        e os campos de concentraçao dos japonesse na Machuria emq ue eles faziam experiencias medicas com chineses e com soldodos europeus, e os massarces feitos por stalin.

  2. Gustavo
    10/01/2012 às 1:27 AM

    sim esse é o melhor site de historia na verdade que eu ja vi,sou apaixonado por esses assuntos,primeira guerra,segunda guerra e tudo mais,e o bom desse site é que ele é imparcial,conta a historia como ela realmente foi,falando das atrocidades de hitler,o perdedor,mais tbm de stalin que se saiu como o maior vencedor,ja que a maior parte das forças alemãs foram usadas contra a urss,o artigo que mais gostei foi o que fala dos brasileiros que lutaram pela alemanha,ja que aqui na minha cidade tem um,enfim..parabens pelo site.

    • 10/01/2012 às 7:40 AM

      Obrigado Gustavo,

      Esse é o nosso objetivo caminha para a luz da História e não apenas pelas vielas dos vencedores. Abraços

  3. Gustavo
    10/01/2012 às 12:16 PM

    eu que agradeço,eu passo boa parte do tempo que fico na internet,lendo esses artigos,leio alguns até mais de uma vez,ontem eu li sobre os 100 maiores filmes de guerra…falto um filme chama “feliz natal”,vc ja assistiu?é muito bom,é sobre a primeira guerra e conta o dia em que os ingleses,franceses e alemães largaram as armas e foram se confraternizar,jogaram futebol,e quando outros alemães bombardearam as trincheiras aliadas,os aliados foram la avisar os alemaes falando que agora eles(outros franceses que nao estava ali com eles) tbm iriam bombardea-los..é muito bom vale a pena assistir!

  4. Mauro Moriarty
    03/02/2015 às 2:16 AM

    REVISANDO HITLER – É preciso coragem até para esse titulo, pois sabemos que vem de uma corrente chamada revisionismo, de parte de estudiosos do assunto que buscam entender o conflito a partir de uma abordagem diferente da história oficial escrita e aceita como verdade por parte dos vencedores e que sem dúvida atende os interesses de pessoas grupos e até nações envolvidas na II Guerra e nas suas consequências.

    Infelizmente é execrado por alguns por conformismo, o exercício do pensamento crítico por aqueles que se contentam apenas com um lado da versão às vezes é trabalhoso demais (É supostamente melhor ficar com o certo do que com o duvidoso). Também é aceito pelos Anglo-Saxões para justificar como pagamento justo o terem anexado a maior parte do mundo (Apresentam-se como os guardiões do mundo livre), mas, sobretudo por aquele grupo que se intitulou os mais perseguidos, eles mais que ninguém souberam capitalizar as oportunidades advindas das atitudes do Ditador Alemão.

    Após o fim do conflito muita coisa deixou de ser mencionada, por exemplo, a de que os Aliados lutaram na II Guerra para manter os seus privilégios usurpados da Alemanha após a I Guerra mundial e consolidados no Tratado de Versalhes (Desde quando um tratado é unilateral) ele seria mais bem descrito como ultimato, e preparou as condições para a ascensão de Hitler e a trágica II Guerra Mundial que resultaria de uma recuperação Alemã. Com Versalhes foram-se as esperanças de paz e a I Guerra Mundial não foi à guerra para acabar com todas as guerras, só um comportamento justo de todas as partes envolvidas no armistício teria garantido a paz.

    A Alemanha pós-primeira guerra mundial tornou-se um país ingovernável, impregnada de distúrbios sociais, dividas impossíveis de saldar e interesses políticos diversos que se digladiavam dentro de uma Republica (Um sistema político desconhecido para os Alemães acostumados com uma monarquia autoritária).

    Um cenário mais que bem vindo para um revanchista das classes populares que aspirava ao poder para segundo ele consertar as coisas erradas, é preciso notar a lógica impecável de Hitler ele manejava racionalmente a sua politica de caráter emotivo, havia muito pouco de racional nela, assemelhava-se menos a política e mais a propaganda, ele ao contrario dos outros entendeu que se tentasse explicar racionalmente seus objetivos e intenções fracassaria o povo a camada populacional mais numerosa não entenderia nada e ele perderia seus preciosos votos, mas ao contrário se apresentasse suas intenções na forma de Show ao invés de uma aula didática como tentava fazer a oposição, ele criaria juízos e valores fundamentados numa paixão arrebatadora, num apelo a bodes expiatórios, em vingança, mas, sobretudo na bajulação das massas humilhadas e oprimidas lhes afirmando pertencerem a uma raça superior as demais, e vitimas de uma conspiração.

    Os Alemães tristemente compraram essa ideia do cabo boêmio, não podiam entender que crises econômicas vêm e vão e que os efeitos da crise de 1929 passariam e eles povo patriota disciplinado, organizado e laborioso, encontraria sozinho uma saída para seus problemas sem a necessidade de um Hitler com pouco tato que cada vez mais assustava o mundo trocando a diplomacia pelas ameaças, e ingenuamente acreditando que podia enganar e controlar o resto do mundo indefinidamente a fim de tomar tudo o que quisesse sem a necessidade da Guerra (Renânia, Sudetos e Áustria), concessões feitas pelos Aliados atendendo as suas consciências culpadas pelo erro de Versalhes, e o receio de perder os dividendos dos seus privilégios de pós-guerra sendo obrigados a lutar numa incerta II Guerra.

    Os resultados de tudo isso foi à derrota de Hitler, a redução a impotência da Alemanha, a vitória de um Ditador pior ou igual a ele (Stalin), que pregava igualmente uma ideologia utópica e criminosa nos seus meios de subsistir, da qual se esperou décadas até mostrar seu verdadeiro futuro na queda do muro de Berlim, e a persistente hegemonia da ideologia Imperialista Anglo-saxã no mundo.

    O Blog está certo ao afirmar que Adolf Hitler não pode ser reverenciado, pois milhões pagaram pelas suas intenções que se mostraram erros trágicos, embora ninguém tenha só defeitos suas vicissitudes ultrapassam muito as suas qualidades e, portanto não pode ser absorvido mesmo no julgamento da história.

    Mauro Moriarty

    • Diego
      15/06/2015 às 12:49 AM

      Como sempre, os comentarios de Mauro Moriarty sao os mais inteligentes, integros e providos de embasamento sem influencia dos aliados ou do eixo. É sem duvida uma imparcialidade que mostra a verdadeira face da II Guerra Mundial. Parabens Moriaty!

  5. Diego
    15/06/2015 às 12:49 AM

    Como sempre, os comentarios de Mauro Moriarty sao os mais inteligentes, integros e providos de embasamento sem influencia dos aliados ou do eixo. É sem duvida uma imparcialidade que mostra a verdadeira face da II Guerra Mundial. Parabens Moriaty!

    • Mauro Moriarty
      02/07/2015 às 10:14 PM

      Obrigado Diego, agradeço a inspiração para meus comentários ao Francisco Miranda que sempre prezou pela liberdade de expressão e imparcialidade, deixando-nos assim expressar nossas opiniões sejam de que tendencias forem, desde que respeitosamente, e que estejamos dispostos a suportar pontos de vistas contrários aos nossos dignamente, como deve ser numa conversa entre pessoas idôneas.
      Acredite-me essa postura é muito rara a maioria daqueles que criam Blogs o fazem exclusivamente para ouvir o eco das suas próprias opiniões, desconsiderando as demais.

      saúde, paz, prosperidade e vida longa Diego.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: