Início > Guerras, História, Pernambuco, Recife > Os Ingles em Recife – Na Segunda Guerra Mundial

Os Ingles em Recife – Na Segunda Guerra Mundial


Em setembro de 1939, o Recife se engalanava todo para sediar o III Congresso Eucarístico Nacional, que seria realizado no ainda não inaugurado Parque 13 de Maio. Naquele local, levantavam-se, apressadamente, amplas arquibancadas e todo um extenso edifício, especialmente destinados aos atos do Congresso, e que seriam, ao seu término, demolidos, ficando o Parque com sua finalidade específica, que era a de uma área de lazer para o povo.

 

Aqui chegavam peregrinos de todo o mundo. O Almanzora, um dos navios da Mala Real Inglesa, e o Neptunia, de bandeira italiana, entre muitos outros navios, chegavam cheios de brasileiros de todos os rincões, que à falta de hotéis em número suficiente para recebê-los, eram hospedados em casas de famílias ou em instituições religiosas.

 

A guerra estava à porta, e, de fato, foi durante a própria abertura do Congresso Eucarístico, no Parque Treze de Maio, que a notícia da invasão da Polônia foi, pelos alto-falantes ali colocados, comunicada aos pernambucanos. Os ingleses residentes em Recife, mais do que os brasileiros, se preocupavam com o conflito iniciado na Europa. Muitos deles, espontaneamente, se apresentavam como voluntários e partiam para sua terra natal, de modo que, aos poucos, a colônia inglesa em Recife, e no Brasil em geral, foi se reduzindo.

 

O Diário de Pernambuco de 22 de dezembro de 1940 informava que, no Rio de Janeiro, havia sido muito movimentada a partida do Oriunssen, levando 50 voluntários ingleses que, de uma maneira pitoresca, embarcaram cantando a conhecida marchinha Mamãe eu quero, com uma grande quantidade de curiosos assistindo à partida do navio.

 

Os ingleses estabelecidos em Recife e já sem idade para prestar o serviço militar, se movimentaram para, de alguma forma, colaborar no esforço de guerra, angariando fundos a serem enviados para a Inglaterra, principalmente a Cruz Vermelha Britânica. No mês de dezembro de 1940, por exemplo, teve lugar, no Country Club do Recife, um leilão de prendas e venda de objetos, o presidente do Clube, o Sr. L. M. Hallet, agradecia as palavras pronunciadas pelo Sr. Anibal Fernandes, diretor do Diário de Pernambuco, e que tinha, ele mesmo, a convite da Cruz Vermelha, aberto o leilão.

 

A Campanha do Fole, foi o esforço dos ingleses em manter aceso, com o fole, o fogo do patriotismo e, assim, poder coletar recursos para o reaparelhamento da sua Real Força Aérea, a RAF. As pessoas que aderiam àquela campanha contribuíam com uma determinada quantia por cada avião alemão derrubado e recebiam em troca, uma fitinha (de cores diferentes de acordo com a quantia doada), afixada com muito orgulho, à lapela.

 

Havia, no consulado britânico no Recife, durante os anos da guerra, uma lista negra das pessoas físicas e jurídicas, brasileiras ou de outras nacionalidades, que eram simpáticas aos alemães e com as quais os ingleses nada queriam. A esse respeito conta-se uma interessante história, acontecida aqui no Recife. Um conhecido industrial, dono de uma grande laminação, era ardoroso germanófilo, enaltecendo, em toda parte, abertamente, o regime nazista. Certa vez, um modesto empresário, que desejava alguns favores seus, fora procurá-lo, não tendo, oportunidade de expor suas pretensões uma vez que o industrial, talvez para não atendê-lo, passara o tempo todo a fala sobre a guerra, os rumos que iam se tornando favoráveis à Alemanha, as vitórias de Hitler, etc. O empresário saíra como entrara, de mãos abanando, e, também, convicto de que, para conseguir alguma coisa, teria que ler bastante sobre a guerra, e principalmente deveria se mostrar simpático aos alemães. Nesse sentido, passou a manusear jornais, livros e mapas, e, uma semana depois, voltou para conversar com o industrial, certo de que, agora, o diálogo seria frutífero. Acontece que nesse meio tempo o industrial havia sofrido uma forte pressão do Consulado Britânico, que o ameaçaram, taxativamente, de excluí-lo das transações comerciais com o mundo inglês. E, quando o nosso empresário iniciou sua conversa, conduzindo o assunto para a Guerra e procurando deixar bem clara a sua incipiente e crescente simpatia pelo nazismo, foi desarmado pelo laminador industrial, que o interrompeu de pronto e lhe disse , alto, bem alto, para que todos ouvissem: – Meu amigo, aqui é lugar de trabalho e nesta casa não se fala em Guerra

 

Fonte: Esses Ingleses… (Rostand Paraíso) Edições Bargaço


 

 

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: