Arquivo

Archive for maio \30\America/Recife 2011

Marechal de Campo Erwin Rommel – A Raposa do Deserto – O Suicídio.

Em 17 de julho de 1944, aviões britânicos atacaram o carro oficial do General Rommel, ferindo-o gravemente. Ele foi levado para um hospital e depois para sua casa na Alemanha para convalescer. Três dias depois, uma bomba explode durante uma reunião de estratégia com Hitler, matando vários oficiais em seu quartel-general na Prússia Oriental. Em represálias sangrentas que se seguiram, alguns suspeitos envolveram Rommel na conspiração. Embora ele não tenha tido conhecimento do atentado contra a vida de Hitler, sua “atitude” derrotista foi o suficiente para justificar a ira de Hitler. O problema para Hitler era como eliminar o mais popular General da Alemanha, sem revelar ao povo alemão que ordenou sua morte. A solução foi forçar Rommel a cometer suicídio e anunciar que sua morte foi em consequência dos ferimentos.

 O filho de Rommel, Manfred, 15 anos de idade, servia em uma bateria antiaérea perto de sua casa. Em 14 outubro de 1944 Manfred foi autorizado a voltar para sua casa onde seu pai se recuperava dos ferimentos. A família estava ciente de que Rommel estava sob suspeita, e que o seu chefe de gabinete e seu comandante ambos tinham sido executados. Manfred começa o relato quando ele entra em sua casa e encontra seu pai no café da manhã:

 “… Cheguei a Herrlingen às 7:00 da manhã e meu pai estava no café da manhã. Colocou um copo para mim e comemos juntos, depois saímos para um passeio no jardim.

“Ao meio-dia dois generais estão vindo para discutir o meu futuro posto”, meu pai começou a conversa. “Então, hoje vão decidir o que é planejado para mim; Se um tribunal popular ou um novo comando no Oriente.”

“Você aceitaria tal comando?”. Perguntei.

 Ele me pegou pelo braço, e respondeu: “Meu caro rapaz, nosso inimigo no oriente é tão terrível que qualquer outra consideração deve ceder diante disso. Se ele consegue dominar a Europa, mesmo que temporariamente, será o fim de tudo que tem feito a vida parecer valer à pena. É claro que eu iria.”

Pouco antes das doze horas, meu pai foi para seu quarto no primeiro andar, mudou a jaqueta marrom civil que ele normalmente usava com bermudas de equitação, e colocou a túnica da África, que foi seu uniforme favorito, devido ao seu colarinho aberto.

Por volta de doze horas um carro verde-escuro com um número de Berlim parou na frente do nosso portão do jardim. Os únicos homens na casa além do meu pai eram o Capitão Aldinger (assessor de Rommel), que tinha sido ferido gravemente no front e eu. Dois generais – Burgdorf, um homem de ar poderoso, e Maisel, de faces mais delicadas, desceram do carro e entraram na nossa casa. Eles foram respeitosos e corteses e pediu permissão do meu pai para falar com ele sozinho. Aldinger e eu saímos da sala. “Então eles não vão prendê-lo”, pensei com alívio, então eu subi para ler um livro.

Poucos minutos depois, ouvi meu pai subir e entrar no quarto de minha mãe. Ansioso para saber o que estava acontecendo, levantei-me e segui-lo. Ele estava parado no meio da sala, o rosto pálido. “Venha para fora comigo”, disse ele em uma voz firme. Entramos em meu quarto. “Acabei de falar com a sua mãe”, ele começou devagar, “que estarei morto em um quarto de hora”. Ele estava calmo e continuou a falar: “Para morrer pela mão do seu próprio povo é difícil. Mas a casa está cercada e Hitler está me acusando de alta traição. Em vista dos meus serviços na África, ele citou sarcasticamente: Eu vou ter a chance de morrer por envenenamento. Os dois generais trouxeram com eles. É fatal em três segundos. Se eu aceitar, nenhuma das etapas habituais serão tomadas contra a minha família. Eles também deixar o meu pessoal em paz.”

 “Você acredita?” Eu interrompi. ‘Sim’, respondeu ele. “Eu acredito nisso. É muito mais do seu interesse que o assunto não vem à tona. De qualquer forma, eu tenho sido cobrado para colocá-lo sob a promessa do mais estrito silêncio. Se uma só palavra vazar, eles já não se sentem vinculados pelo acordo.

 Eu tentei de novo. “Não podemos defender-nos …” Ele me cortou curto. “Não há nenhuma chance”, disse ele. “É melhor para um morrer do que para todos serem mortoa em um tiroteio. Enfim, não temos praticamente nenhuma munição. Despedimos-nos brevemente. E ele disse: “conte para Aldinger, por favor,”.

Aldinger, entretanto tinha sido notificado para ficar longe do meu pai. Quando chamei-o, ele veio correndo lá de cima. Ele também ficou horrorizado, quando ouviu o que estava acontecendo. Meu pai falou mais rapidamente. Ele disse novamente como era inútil tentativa nos defender. “Foi tudo preparado ao mais meticulosamente. Eu estou a ter um funeral de Estado e pedi que para ser enterrado em Ulm (cidade natal de Rommel).Em um quarto de hora, você, Aldinger, irá receber um telefonema do hospital reserva Wagnerschule em Ulm para dizer que eu tive uma convulsão cerebral no caminho para uma conferência. Ele olhou para o relógio. Eu preciso ir, eles só me deram dez minutos.” Ele rapidamente se despediu de nós novamente. Então nós descemos juntos.

Nós ajudamos o meu pai em seu casaco de couro. De repente, ele puxou a carteira. “Ainda há 150 marcas”. Disse ele. “Quer que eu pegue o restante do dinheiro agora?”.

“Isso não importa agora, Sr. Marechal de Campo”, disse Aldinger.

Meu pai colocou cuidadosamente sua carteira no bolso. Como ele entrou no salão, sua pequena dachshund que havia sido dada como um cachorrinho de poucos meses antes, na França, e pulou para ele com um gemido de prazer. “Cala o cão no estudo, Manfred”, disse ele, e aguardou no corredor com Aldinger enquanto eu removi o cão animado e empurrou-o através da porta do escritório. Então, saímos de casa juntos. Os dois generais estavam no portão do jardim. Caminhamos lentamente o caminho, a crise do cascalho soar extraordinariamente alto.

Quando nos aproximamos dos generais, eles levantaram a mão direita em continência. “Herr Marechal”, disse Burgdorf e se reservou a conversar com o meu pai após passarem pelo portão.

O carro ficou pronto. O motorista da SS abriu a porta. Meu pai empurrou sua batuta debaixo do braço esquerdo, e com a calma de sempre, e acenou mais uma vez para mim e Aldinger antes de entrar no carro.

Os dois generais subiram rapidamente em seus lugares. Meu pai não olhou mais para trás e o carro desapareceu numa curva da estrada. Quando ele se foi, Aldinger e eu, voltamos silenciosamente de volta para casa …

Vinte minutos depois o telefone tocou. Aldinger ergueu o receptor e a morte de meu pai foi devidamente notificada.

Não ficou totalmente claro o que aconteceu com ele depois que ele nos deixou. Depois soubemos que o carro havia parado algumas centenas de metros acima do monte da nossa casa em um espaço aberto à beira do bosque. Homens da Gestapo, que tinha seguido todos os procedimentos desde Berlim, naquela manhã, estava aguardando instruções para filmar e invadir a casa, se ele oferecesse resistência. Maisel e o motorista saíram do carro, deixando o meu pai com Burgdorf. Quando o motorista foi autorizado a retornar dez minutos tarde, ele viu meu pai caído com a sua cobertura e bastão do marechal no piso do veículo.”

Em Breve Mais da Raposa do Deserto.

Especial Raposa do Deserto – Erwin Rommel

 Há alguns meses fizemos um enquete com a seguinte pergunta: Maior Líder Militar da Segunda Guerra? Os resultados foram os seguintes:

 

1º  – Erwin Rommel: 46%

2º – Dwight D. Eisenhower: 21%

3º – Gueorgui Jukov: 14%

4º – George Patton: 10%

5º – George Marshall: 4%

6º – Bernard Montgomery: 3%

7º – Outros Líderes Militares: 2%

 Portanto, amanhã estaremos colocando um post Especial sobre o General Erwin Rommel, conhecido como a Raposa do Deserto. Com fotos impressionantes e o seu suicídio forçado.

Segundo os internautas - O Maior Líder Militar da Segunda Guerra

Segundo os internautas - O Maior Líder Militar da Segunda Guerra

 

 

Eva Braun – Uma Ilustre Desconhecida que entrou para História

Eva Braun nasceu 06 de fevereiro de 1912, em Munique, se formou no colegial onde foi considerada uma aluna mediana e uma atleta talentosa.   Atlética, Eva fez parte por mais de um ano da União dos Desportos da Suábia.   Com 17 anos, conseguiu um emprego em uma loja de propriedade do fotógrafo Heinrich Hoffmann, o fotógrafo oficial do partido nazista na Alemanha.   Através deste trabalho, ela conheceu Hitler, que era mais velho do que ela 23 anos.   Este encontro teve lugar no estúdio de Munique, em outubro de 1929.   Hitler apresentou-se a Eva como “Herr Wolff” (o apelido de Hitler usou na conspiração de 1920).   Em 1931, Eva Braun e Hitler já tinha uma relação muito forte, apesar da família dela se opor  fortemente.

 Várias das fotos abaixo foram tiradas em 1942 em Berghof,  residência oficial de Hitler. Eva Braun e Hitler ficavam com frequência em Berghof, e eles foram fotografados várias vezes. A residência era guardada pelo comando da SS, e em 1944 o destacamento de segurança tinha quase 2000 pessoas. Esta magnífica construção foi completamente destruída durante o bombardeio de 25 de abril de 1945, pouco antes do suicídio de Hitler e Eva. As ruínas do Berghof duraram até 1952, quando o governo da Baviera demoliu o que sobrou em 30 de abril de 1952.

Horten 2-29 – O avião nazista que poderia ter mudado a história

 Os alemães estavam em plena batalha pela superioridade
aérea contra a Inglaterra, a Luftwaffe estava empregando todo seu poderio para
isolar e destruir a força combativa dos ingleses, mas havia um diferencial: a
tecnologia de radares. Quando os grupos de aviões inimigos se aproximavam das
ilhas britânicas, radares e os observadores acionavam os defensores da RAF mais
próximos para repelir os ataques.  Sabendo disso, Hitler encomenda aos irmãos
Horten a criação de um projeto de avião que pudesse passar pelos radares sem
serem identificados. Começava a criação do primeiro avião Stealth (invisível
para radares). O Horten 2-29 foi elabora para reverter o curso da guerra, e,
para sorte dos Aliados, não chegou a ser concluído. No ano passado, a National
Geographic teve acesso ao projeto e juntamente com um grupo de engenheiros e
projetistas da Northrop Grumman criaram uma réplica do Herten 2-29.

Imagens Mais Dramáticas da Segunda Grande Guerra

Alguém já disse que uma imagem vale mais do que mil palavras, portanto selecionamos algumas fotos que expressam o momento da guerra, as dificuldades, vitórias e derrotas nas batalhas. Se você é expert no assunto, tente enquadrar cada foto ao momento específico do evento que mudou o curso da história no século passado:

Werner Drechsler – De Marinheiro de U-Boot a Espião Americano

Werner Drechsler  foi um dos sobreviventes do ataque ao U-Boot 118 durante a Segunda Guerra Mundial , que foi afundado próximo do Arquipélago de Açores , em 1943. Como Prisioneiro de Guerra, Werner colaborou intensamente como os americanos, provavelmente porque seu pai tinha sido preso político em um Campo de Concentração na Alemanha.

 Não demorou muito para que Oficiais de Inteligência da Marinha Americana recrutassem Drechsler como espião no acampamento perto de Fort Meade, Maryland, que abrigava outros marinheiros de U-Boots capturados durante o conflito. Após a chegada, Dreschsler trabalhou disfarçado, se tornando amigo dos prisioneiros, a fim de coletar informações sobre a tecnologia dos submarinos alemães, os procedimentos operacionais / táticas e quaisquer outras informações que poderiam ser úteis para os aliados.

 Em 12 de março de 1944, Drechsler foi transferido para outro campo de prisioneiros, no Arizona, que abrigava marinheiros da Marinha Alemã. Esta transferência ocorreu apesar do fato de que Drechsler ser mantido separado dos outros prisioneiros, em especial ex-tripulantes do U-118, que estavam cientes das atividades de Drechsler.

 As autoridades americanas cometeram um erro na transferência Drechsler para o Arizona, que rapidamente teve resultados fatais: alguns membros do U-118 foram confinados no mesmo campo, e imediatamente, reconheceram o seu antigo companheiro. Logo as atividades de Drechsler se espalharam por todo o acampamento, e em poucas horas, uma Corte Marcial foi montada pelos próprios prisioneiros. Werner foi sentenciado à pena de morte pelos seus compatriotas. A condenação também serviria de aviso para outros prisioneiros que quisessem colabora com o inimigo. Na manhã seguinte Drechsler foi encontrado enforcado no chuveiro. Ele foi assassinado horas após a chegada no acampamento.

 Sete homens: Helmut Fischer, Fritz Franke, Gunther Kuelsen, Heinrich Ludwig, Bernard Ryak, Otto Stenger e Rolf Wizuy foram executadas pelo espancamento e enforcamento de Werner Drechsler. Foi a última execução em massa nos Estados Unidos , os homens foram enforcados em 28 de julho, 1945 no Forte Leavenworth, Kansas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Categorias:Guerras, História

Motocicletas – As Mais Belas e as Mais Estranhas da Alemanha Nazista

   A utilização de motocicletas foi um conceito usado pela Alemanha durante o processo de ocupação das nações conquistadas durante a Segunda Guerra. Embora tenha atuado pouco nos campos de batalha, as motocicletas eram úteis principalmente para a escolta dos comboios de suprimentos, escolta de tropas e para o policiamento em áreas urbanas. A  Zundapp KS 750cc foi sem sombra de dúvidas a mais utilizada pela Alemanha no período da guerra. Abaixo encontramos essas belezas militares.

Você também encontra informações: http://segundaguerra.1dia.net/?p=6636

%d blogueiros gostam disto: