Início > Guerras, História > A Propaganda Americana – Cartazes da Segunda Guerra

A Propaganda Americana – Cartazes da Segunda Guerra


 Ainda sobre a Série Propaganda na Segunda Guerra, vamos colocar os artifícios americanos para promover a vontade de lutar do povo americano. Nesta primeira parte, o que temos é o apelo pela importância da guerra para os Estados Unidos.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios
  1. 21/05/2011 às 12:47 AM

    Muito bom, Chico ! Esses cartazes são sensacionais, na ótica do resgate histórico. Parabéns pela qualidade e capricho da publicação.

  2. washington jadum de campos
    22/05/2011 às 7:11 PM

    Vejamos bem, com imenso material, os EUA souberam tirar muita vantagem.

  3. Mauro Moriarty
    14/04/2012 às 9:14 PM

    A Propaganda Americana uma visão rápida.

    – Sobre propaganda é preciso que entendamos alguns princípios que lhes são básico afim de que fiquemos alerta quanto as suas intenções que nunca são de informar mais de manipular seu publico alvo ela visa a influenciar a atitude de uma audiência para uma causa, posição ou atuação. Possui certas características próprias como a rejeição da imparcialidade, em proveito da persuasão a audiência desejada, apresenta os fatos seletivamente, permitindo a mentira por omissão para encorajar conclusões de seu interesse, (Isso é bem conhecido por nós, explicar o texto retirando-o do seu contexto que o explica nos seu sentido original e lhe oferecer uma interpretação tendenciosa). Outro recurso é a apresentação dramática dos fatos com o fim de conseguir uma apreciação emocional e não crítica dos fatos que apresenta. Em todos os casos a intenção é a mesma, manipular, formar opiniões favoráveis a sua causa e não informar objetivamente sobre a situação.

    – Posto que nenhum esforço dentro da propaganda é isento ou imparcial temos na necessidade de adesão a ideias e atitudes dos indivíduos ou grupos o objetivo do esforço da propaganda.

    – Nos Estados Unidos os esforços na área começaram modestos, mas logo isso iria mudar pela necessidade de convencer o cidadão médio a aderir as suas políticas como no caso da crise de 1929, aonde o pais fora arrastado para o caos econômico, e o desespero tomara conta da nação, conspirando contra qualquer medida que combatesse a crise, ao assumir, Roosevelt tomou medidas decididas e sempre acompanhadas da melhor propaganda que seu tempo poderia conceber, associou-se com Hollywood notadamente com Frank Capra, incentivando filmes de notável elevação moral do homem simples americano, Walt Disney também contribuiria com o desenho Os Três Porquinhos, aonde o Lobo mal encarna a vilã depressão e o porco Prático a prudência de morar na casa de tijolos, uma metáfora as vantagens da preferência pela vida simples e segura.

    – Mas é na ameaça de guerra mundial que a propaganda americana e alavancada pelo governo Roosevelt, com a intenção de prevenir o cidadão americano médio inclinado à doutrina Monroe isolacionista, de que a ameaça e real e inevitável e de que a politica correta a seguir era preparar-se para ela e não ignora-la, Roosevelt estendeu o conceito de propaganda a si mesmo tornando-se ele próprio o que hoje chamaríamos garoto propaganda de sua causa.

    – Roosevelt como nenhum outro estadista americano anteriormente o fez, procurou aproximar-se da América do Sul, antevendo a necessidade de prevenir a influência da imigração dos países do Eixo para a região (A quinta coluna), e conseguir a simpatia dos mesmos para sua causa, para isso trouxe com ele toda a máquina de propaganda Yankee, com a intenção clara de invadir culturalmente o continente, Hollywood levou Carmem Miranda para mostrar a nossa cultura exótica a eles pelos filmes, e Walt Disney trouxe o Zé Carioca, daí até conseguir a adesão do ditador Getúlio Vargas foram muitas negociações e concessões ao Brasil até finalmente nosso país concordar em lutar ao lado dos aliados.

    – Durante o desenrolar da guerra propriamente dita à propaganda dos EUA voltou-se decididamente para o estimulo da produção, bem como a conscientização do racionamento de bens indispensáveis para o esforço de guerra, gasolina, metais e muitos outros, além do recrutamento em massa, as mulheres foi oferecida através da propaganda a oportunidade da se mostrarem iguais aos homens preenchendo as lacunas deixadas pelo recrutamento, a propaganda era realizada em tons Nacionalistas, destacando as cores patrióticas e um clima tipicamente Americano. Quanto aos inimigos à propaganda centralizou-se num processo de desumanização do inimigo, Hollywood novamente representada por Frank Capra, produziu uma série de sete filmes para o exercito denominados “Por que nós lutamos” nesses filmes a temática era a mesma ressaltar os inconvenientes do totalitarismo do Eixo que subtraia a vontade e iniciativa do cidadão médio dos seus países, e os transformava em zumbis assassinos e sem vontade própria, a questão então só poderia ser encarada impondo a essas países uma derrota incondicional que lhes permitisse destruir de vez esses regimes “criminosos”. A questão Japonesa foi tratada com muito mais rigor sendo esse país acusado como foi de perfídia, contra a nação Americana.

    M. Moriarty

    • 15/04/2012 às 2:26 PM

      Meu amigo Moriarty suas colocação sempre são pertinentes e valorizam ainda mais os assuntos abordados. Sinto-me privilegiado em ter como comentarista alguém com o seu know-how sobre o assunto. Não é um amador realizando um comentário, mas um pesquisador embasado e com conhecimento de causa.

      Meu sinceros agradecimentos,

      Chico Miranda

      • Mauro Moriarty
        15/04/2012 às 5:47 PM

        Caro Chico não ha nada como receber elogios de entendidos no assunto a aprovação deles é a certeza de um trabalho bem feito.

        Como tenho grande consideração pelo seu trabalho e sei por uma resposta anterior que o conteúdo do seu Blog é hoje usado como matéria de estudo da História nas salas de aula, como professor formado e ex-bibliotecário, assim como, aficionado pelo assunto tratado aqui me impus em consideração a todos que frequentam o Blog a necessidade de fazer o melhor que puder.

        Não confiando apenas na memoria mas também me dedicando a uma pesquisa criteriosa a respeito dos assuntos que você posta aqui, a experiência é rica e prazerosa para mim, mas um pouco demorada, para algumas resposta eu preciso solicitar material de fora o que as atrasa.

        Por isso você talvez tenha notado a queda no volume de minhas respostas isso não é devido a desinteresse mas ao excesso de interesse de que minhas respostas estejam ao nível do trabalho e dedicação com que você trata o seu Blog.

        Pretendo responder todas inclusive aquelas postadas a muito tempo e que ainda não respondi, seu elogio foi muito relevante para mim porque depois de trabalhar criteriosamente em sete respostas diferentes, postei essa cujo resultado apos a leitura ainda me deixou com gosto de talvez possa fazer melhor, mas perfeccionismo não é virtude mais defeito espero que minha resposta seja útil algum dia a alguém.

        A você só posso desejar muita saúde paz e felicidade que é isso que devem compartilhar amigos em comum (Sem esquecer nosso outro Chico).

        M. Moriarty

  4. Hugo Cezar Benedetti
    09/01/2013 às 11:06 PM

    A propaganda dos países vencedores foi tão forte, que passou para o “povão” a idéia que a única pessoa que desrespeitou os direitos humanos foi Hitler. Fizeram isso com o intuito de esconder os crime que os aliados também cometeram. Não estou defendendo Hitler, mesmo porque acho que as ditaduras cometem talvez o maior desrespeito ao ser humano que é negar o direito de opinar, e não compreendo a perseguiçao aos judeus, este povo é empreendedor e traz progresso onde se instala, tenho dois amigos judeus o Antonio e o David.
    .A segunda Guerra é continuação da primeira. O tratado de Versalhes impuseram aos alemães duríssimas obrigações até entrega de territórios, sob o pretexto de que foram eles que começaram a guerra. Quem conhece um pouco de história sabe que a primeira guerra foi resultada de um intricadíssimo jogo de interesses em que todos tem sua parcela de culpa pelo início da guerra. O Kaiser foi entrevistado certa vez e perguntaram para ele porque começou a Primeira Guerra, ele respondeu: – sabe que nem eu sei.
    Na época a mentalidade anti judaica era quase que generalizada, Stalin perseguiu os judeus a ponto de muitos judeus terem que fugir da União Soviética, Picasso pintou quadros de judeus foragidos desse país, Assisti documentário que Stalin fez também campo de concentração de judeus. Getúlio também adotou uma política anti-semita no serviço público, que é de amplo conhecimento. Henri Ford era anti-semita. A igreja católica no passado perseguiu os judeus. Os americanos junto com os ingleses articularam a operação Clarion cujo objetivo era destruir 50% da população alemã. O bombardeio criminoso de Dresden fazia parte dessa operação. As bombas atômicas que os americanos lançaram no Japão não é crime de Guerra? até hoje nasce crianças com problemas. Se os alemães tivessem lançado essas bombas na Inglaterra os responsáveis receberiam a pena de morte no Tribunal de Nuremberg.. A União Soviética tomou território da pequena Finlandia, dividiu com a Alemanha o Território Polones, será que vou ter que falar dos crimes de Guerra que o Stalin cometeu? todo mundo sabe, são bárbaros. Nos campos de concentração de prisioneiros alemães morreram mais de 1 milhão de soldados de fome e ensolação.
    Mas qual é o unico facínora, assassino de Judeus, comedor de criancinhas, Adolf Hitler “Zé do Bigodinho”, Isso desculpe-me a expressão “enche o saco”,. Olha para falar a verdade é difícil dizer qual dos principais líderes da Segunda Guerra cometeu maior crime contra a humanidade.

  5. Hugo Cezar Benedetti
    10/01/2013 às 12:43 AM

    Desculpe, cometi erro: Operação Clareon foi o Bombardeio de Dresden. Essa operação não tem nada haver com o plano de eliminar 50% da população alemã. Eu escrevo rápido e depois vou descobrindo os erros. Francisco Miranda, grande conhecedor de Segunda Guerra se achar outros erros me avise.

  6. Hugo Cezar Benedetti
    10/01/2013 às 9:28 AM

    Corrigindo outra vez
    Operação Clarion foi a denominação da operação do Bombardeio criminoso de Dresden, e não o nome do plano de eliminar 50% da população alemã, mas a operação Clarion faz parte do plano de eliminação de metade do povo alemão. Outro esclarecimento: Nos campos de prisioneiros dos aliados morreram mais de 1 milhão de soldados alemães de fome e insolação.

  7. David Hawkins
    20/02/2013 às 4:54 PM

    Mesmo assim os crimes de guerra não se comparam com os devastosos assassinatos que Japoneses, Alemães e Soviétivos empregaram.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: