Início > Guerras, História > Marechal de Campo Erwin Rommel – A Raposa do Deserto – O Suicídio.

Marechal de Campo Erwin Rommel – A Raposa do Deserto – O Suicídio.


Em 17 de julho de 1944, aviões britânicos atacaram o carro oficial do General Rommel, ferindo-o gravemente. Ele foi levado para um hospital e depois para sua casa na Alemanha para convalescer. Três dias depois, uma bomba explode durante uma reunião de estratégia com Hitler, matando vários oficiais em seu quartel-general na Prússia Oriental. Em represálias sangrentas que se seguiram, alguns suspeitos envolveram Rommel na conspiração. Embora ele não tenha tido conhecimento do atentado contra a vida de Hitler, sua “atitude” derrotista foi o suficiente para justificar a ira de Hitler. O problema para Hitler era como eliminar o mais popular General da Alemanha, sem revelar ao povo alemão que ordenou sua morte. A solução foi forçar Rommel a cometer suicídio e anunciar que sua morte foi em consequência dos ferimentos.

 O filho de Rommel, Manfred, 15 anos de idade, servia em uma bateria antiaérea perto de sua casa. Em 14 outubro de 1944 Manfred foi autorizado a voltar para sua casa onde seu pai se recuperava dos ferimentos. A família estava ciente de que Rommel estava sob suspeita, e que o seu chefe de gabinete e seu comandante ambos tinham sido executados. Manfred começa o relato quando ele entra em sua casa e encontra seu pai no café da manhã:

 “… Cheguei a Herrlingen às 7:00 da manhã e meu pai estava no café da manhã. Colocou um copo para mim e comemos juntos, depois saímos para um passeio no jardim.

“Ao meio-dia dois generais estão vindo para discutir o meu futuro posto”, meu pai começou a conversa. “Então, hoje vão decidir o que é planejado para mim; Se um tribunal popular ou um novo comando no Oriente.”

“Você aceitaria tal comando?”. Perguntei.

 Ele me pegou pelo braço, e respondeu: “Meu caro rapaz, nosso inimigo no oriente é tão terrível que qualquer outra consideração deve ceder diante disso. Se ele consegue dominar a Europa, mesmo que temporariamente, será o fim de tudo que tem feito a vida parecer valer à pena. É claro que eu iria.”

Pouco antes das doze horas, meu pai foi para seu quarto no primeiro andar, mudou a jaqueta marrom civil que ele normalmente usava com bermudas de equitação, e colocou a túnica da África, que foi seu uniforme favorito, devido ao seu colarinho aberto.

Por volta de doze horas um carro verde-escuro com um número de Berlim parou na frente do nosso portão do jardim. Os únicos homens na casa além do meu pai eram o Capitão Aldinger (assessor de Rommel), que tinha sido ferido gravemente no front e eu. Dois generais – Burgdorf, um homem de ar poderoso, e Maisel, de faces mais delicadas, desceram do carro e entraram na nossa casa. Eles foram respeitosos e corteses e pediu permissão do meu pai para falar com ele sozinho. Aldinger e eu saímos da sala. “Então eles não vão prendê-lo”, pensei com alívio, então eu subi para ler um livro.

Poucos minutos depois, ouvi meu pai subir e entrar no quarto de minha mãe. Ansioso para saber o que estava acontecendo, levantei-me e segui-lo. Ele estava parado no meio da sala, o rosto pálido. “Venha para fora comigo”, disse ele em uma voz firme. Entramos em meu quarto. “Acabei de falar com a sua mãe”, ele começou devagar, “que estarei morto em um quarto de hora”. Ele estava calmo e continuou a falar: “Para morrer pela mão do seu próprio povo é difícil. Mas a casa está cercada e Hitler está me acusando de alta traição. Em vista dos meus serviços na África, ele citou sarcasticamente: Eu vou ter a chance de morrer por envenenamento. Os dois generais trouxeram com eles. É fatal em três segundos. Se eu aceitar, nenhuma das etapas habituais serão tomadas contra a minha família. Eles também deixar o meu pessoal em paz.”

 “Você acredita?” Eu interrompi. ‘Sim’, respondeu ele. “Eu acredito nisso. É muito mais do seu interesse que o assunto não vem à tona. De qualquer forma, eu tenho sido cobrado para colocá-lo sob a promessa do mais estrito silêncio. Se uma só palavra vazar, eles já não se sentem vinculados pelo acordo.

 Eu tentei de novo. “Não podemos defender-nos …” Ele me cortou curto. “Não há nenhuma chance”, disse ele. “É melhor para um morrer do que para todos serem mortoa em um tiroteio. Enfim, não temos praticamente nenhuma munição. Despedimos-nos brevemente. E ele disse: “conte para Aldinger, por favor,”.

Aldinger, entretanto tinha sido notificado para ficar longe do meu pai. Quando chamei-o, ele veio correndo lá de cima. Ele também ficou horrorizado, quando ouviu o que estava acontecendo. Meu pai falou mais rapidamente. Ele disse novamente como era inútil tentativa nos defender. “Foi tudo preparado ao mais meticulosamente. Eu estou a ter um funeral de Estado e pedi que para ser enterrado em Ulm (cidade natal de Rommel).Em um quarto de hora, você, Aldinger, irá receber um telefonema do hospital reserva Wagnerschule em Ulm para dizer que eu tive uma convulsão cerebral no caminho para uma conferência. Ele olhou para o relógio. Eu preciso ir, eles só me deram dez minutos.” Ele rapidamente se despediu de nós novamente. Então nós descemos juntos.

Nós ajudamos o meu pai em seu casaco de couro. De repente, ele puxou a carteira. “Ainda há 150 marcas”. Disse ele. “Quer que eu pegue o restante do dinheiro agora?”.

“Isso não importa agora, Sr. Marechal de Campo”, disse Aldinger.

Meu pai colocou cuidadosamente sua carteira no bolso. Como ele entrou no salão, sua pequena dachshund que havia sido dada como um cachorrinho de poucos meses antes, na França, e pulou para ele com um gemido de prazer. “Cala o cão no estudo, Manfred”, disse ele, e aguardou no corredor com Aldinger enquanto eu removi o cão animado e empurrou-o através da porta do escritório. Então, saímos de casa juntos. Os dois generais estavam no portão do jardim. Caminhamos lentamente o caminho, a crise do cascalho soar extraordinariamente alto.

Quando nos aproximamos dos generais, eles levantaram a mão direita em continência. “Herr Marechal”, disse Burgdorf e se reservou a conversar com o meu pai após passarem pelo portão.

O carro ficou pronto. O motorista da SS abriu a porta. Meu pai empurrou sua batuta debaixo do braço esquerdo, e com a calma de sempre, e acenou mais uma vez para mim e Aldinger antes de entrar no carro.

Os dois generais subiram rapidamente em seus lugares. Meu pai não olhou mais para trás e o carro desapareceu numa curva da estrada. Quando ele se foi, Aldinger e eu, voltamos silenciosamente de volta para casa …

Vinte minutos depois o telefone tocou. Aldinger ergueu o receptor e a morte de meu pai foi devidamente notificada.

Não ficou totalmente claro o que aconteceu com ele depois que ele nos deixou. Depois soubemos que o carro havia parado algumas centenas de metros acima do monte da nossa casa em um espaço aberto à beira do bosque. Homens da Gestapo, que tinha seguido todos os procedimentos desde Berlim, naquela manhã, estava aguardando instruções para filmar e invadir a casa, se ele oferecesse resistência. Maisel e o motorista saíram do carro, deixando o meu pai com Burgdorf. Quando o motorista foi autorizado a retornar dez minutos tarde, ele viu meu pai caído com a sua cobertura e bastão do marechal no piso do veículo.”

Em Breve Mais da Raposa do Deserto.

Anúncios
  1. Amante da segunda guerra
    05/10/2011 às 9:56 PM

    Rommel um general justo o qual nunca acusado de crimes de guerra,extremamente competente,quando em combate levava a vida de seus homens ao manobrar.
    ele restringia a agua de seu batalhão mais num deixava nem um prisioneiro morrer de sede.
    deixando para tras uma esposa e um filho por caprichos de um ditador o qual não sabia o valor da vida.
    Erwin Rommel um general nazista mas acima de tudo um ser humano o qual conhecia o valor da vida um justo dentre a tirania!

  2. toninho de marilia sp 49 anos
    13/06/2012 às 12:55 AM

    Assim se mostra com um exemplo que honra lealdade e respeito nao sao somente qualiladades mas dever de nos simples e meros mortais pois o q somos em vida seremos na eternidade. . . . .

  3. toninho de marilia sp 49 anos
    13/06/2012 às 1:00 AM

    Poucos dao valor ao q podemos ser e fazer pois nao estamos nesta vida como turista

  4. jose vacir cogo
    17/01/2013 às 9:58 PM

    Rommel não era nazista, nunca se filiou ao partido. Era membro do Éxercito Alemão e não das forças paramilitares. Um exemplo de ser superior.

  5. fabio
    05/07/2013 às 7:19 PM

    em estado de guerra, a etica predominou apesar da conjuntura dos acontecimentos. que sirva de exemplo e nao generalizemos e formemos opinioes apenas pela historia contada pelos aliados

  6. 17/11/2014 às 2:04 AM

    Hitler errou ao não seguir os conselhos de Rommel.

  7. Dorival
    14/06/2016 às 3:54 PM

    Rommel estava a frente do seu tempo – exemplo de militar que serviu ao seu país e não a partido politico, muito menos aos nazistas – foi obrigado por Hitler e seus comparsas a se suicidar

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: