Início > Guerras, História > Kamikazes – A História dos Ataques Suicidas

Kamikazes – A História dos Ataques Suicidas


Em meados do século 13, as frotas da Mongólia partiram para atacar o Japão. Quando os invasores se aproximaram da costa japonesa, ventos terríveis frustraram o ataque. Este “Vento Divino” – o que os japoneses se referem como “kamikaze” – salvou o Japão.

 Setecentos anos mais tarde, com a máquina de guerra americana avançando lentamente, mas inexoravelmente, através do Pacífico para as ilhas próximas, o japonês clamou outra vez para o kamikaze pela salvação. Desta vez, o “O Vento Divino” tomou a forma de pilotos suicidas que sacrificaram as suas vidas a fim de assegurar que os seus aviões, carregados de explosivos, atingissem os seus objetivos. Tornou-se a arma japonesa que a Marinha americana mais temia.

Os Kamikazes fizeram sua primeira aparição durante a Batalha do Golfo de Leyte em outubro de 1944. Em 1945, eles eram uma ameaça assustadora, “a única arma que eu temia na guerra”, declarou o almirante Halsey. Seus ataques mais devastadores ocorreram durante a batalha de Okinawa, onde os pilotos suicidas infligiram as maiores perdas que a Marinha dos EUA já sofreram em uma única batalha.

O ataque suicida ocorreu pela última vez após a rendição japonesa, quando o comandante das forças kamikaze levou um vôo de onze aviões a um ataque contra navios dos EUA em Okinawa.

Experimentando o Kamikaze: “aviões japoneses estavam próximos a nós em todas as direções.”

 

James J. Fahey ingressou na Marinha em outubro de 1942. Ele se tornou um marinheiro de primeira classe a bordo do cruzador USS Montpelier e viu a ação das Ilhas Salomão até o final da guerra. Em 27 de novembro de 1944, o Montpelier estava no Golfo de Leyte em apoio à invasão americana que acabaria por libertar as Filipinas. A força-tarefa que o Montpelier fazia parte era composta por 18 navios, e nesta manhã estavam reabastecimento – o momento mais vulnerável a um ataque inimigo.

Para se protegerem, os navios formavam um círculo defensivo em torno do navio-tanque cheio de combustível, enquanto cada um tomou seu turno, em locais de abastecimento. Se o inimigo se aproximasse, marinheiros armados com machados, a bordo do navio de reabastecimento deveriam cortar as linhas de combustível para permitir que o navio pudesse entrar em posição de batalha e tão longe do petroleiro possível.

James Fahey manteve um diário de suas experiências. Juntamo-nos a sua história como alarmes de Montpelier que anunciavam o ataque japonês:

“Às 10:50 desta manhã soou o alarme, todos foram para a suas estações de batalha. Ao mesmo tempo, um encouraçado e um destróier estavam ao lado do tanque de combustível. Fora das nuvens eu vi um bombardeiro japa grande caindo na água. Não vi fumaça e me pareceu em bom estado. Parecia que iria atingir a água não muito longe do tanque, e mais próximos ainda dos dois navios que estavam reabastecimento. Um dos nossos P-38 parecia tê-lo atingido. No começo eu pensei que era um dos nossos bombardeiros, que estava com problemas de motor.

Não muito tempo depois, uma força de cerca de 30 aviões japoneses atacou. Bombardeiros de mergulho e aviões com torpedos. Nossos dois navios estavam ocupados tentando fugir, pois um torpedo estava próximo de atingir tanque e seria o fim para os 03 navios.

Os dois navios, finalmente conseguiram ficar longe do navio tanque e se juntaram a formação. Eu acho que os destroyers ficaram do lado de fora do círculo. Parecia até engraçado ver o navio por si mesmo no centro dos outros navios que circulavam, com nossas armas em chamas e de longe aviões tentando romper. Foi uma grande visão, melhor do que os filmes. Eu nunca vi isso antes. Deve ser a primeira vez na história da guerra.

Aviões japoneses estavam vindo para nós de todas as direções. Antes do ataque começar, não sabíamos que eles eram aviões kamikazes, sem intenção de retornar à sua base. Eles tinham uma coisa em mente, que era bater em nossos navios com bombas e tudo mais. Você tem que explodi-los, danificá-los não significa muito.

Do Lado direito do bastão, um avião japonês fez um mergulho suicida no cruzador S. Louis houve uma grande explosão e as chamas foram vistas longe. Outro tentou fazer a mesma coisa, mas ele foi derrubado. Um avião japonês entrou em uma batalha com armas em punho a pouca distância. Outros aviões japaa entraram metralhando um navio, que lançam suas bombas e bateram em outro navio. Os aviões japoneses estavam caindo ao nosso redor, o ar estava cheio de balas. Os aviões dos japas e as bombas estavam por toda a nossa volta. Alguns de nossos navios estavam sendo atingidos por aviões suicidas, bombas e metralhadoras. Foi uma luta até o fim.

Enquanto tudo isso acontecia o nosso navio foi atingido por três aviões suicidas, mas felizmente para nós eles largaram as suas bombas antes de colidir contra nós. Entretanto explodir aviões voando é tomar banho com as suas peças. Parecia que estava chovendo peças de avião. Eles estavam caindo em todo o navio. Alguns dos homens foram atingidos por pedaços grandes de aviões japoneses.

Nós deveríamos ter cobertura aérea, mas tudo o que tínhamos era 04 caças P-38, e quando abrimos fogo, os aviões japoneses saíram do alcance das nossas armas. Eles devem ter tido um assento ao lado do ringue do show. Os homens da minha montagem também foram regados com peças de aviões japoneses. Um bombardeiro de mergulho suicida se dirigia para nós enquanto nós estávamos em outros aviões de ataque e se a 40 mm. montagem atrás de nós no lado da porta não soprar o avião japa teria matado todos nós. Quando a asa dele foi arrancada, o avião girou e pulou para dentro da água e as bombas explodiram parte do plano para o nosso navio.

… Um bombardeiro de mergulho japa colidiu com um dos nossos 40 mm., mas para sorte deles, suas bombas caíram em outro navio antes da colisão. As peças do avião voaram em todos os lugares, quando colidiu com a peça de artilharia. Parte do motor bateu em Tomlinson, tinha pedaços de tudo sobre ele, sua barriga, costas, pernas, etc.O resto da tripulação ficou ferido, a maioria deles foi borrifado com gasolina do avião. Tomlinson foi lançada uma grande distância e, a princípio eles pensaram que tinha derrubado para fora do navio. Finalmente encontraram-no em um canto.

… Os aviões estavam caindo ao nosso redor, as bombas estavam chegando perto demais. Os aviões japoneses estavam cortando a água com fogo de metralhadora. Todas as armas para os navios estavam praticamente fora do alcance, falar sobre a ação, nunca é um momento maçante. Os companheiros estavam passando munições como um relâmpago, as armas estavam girando em todas as direções cuspir fora o aço quente … O deck perto da minha artilharia estava coberto de sangue, tripas, cérebros, línguas, couro, coração, etc, os braços de pilotos japas. Os corpos soprado em todos os tipos de partes. Eu não posso pensar em tudo o que aconteceu, porque muitas coisas estavam acontecendo ao mesmo tempo. “

James conta Fahey aparece em: Fahey, James Guerra do Pacífico Diário 1942-1945 (1963); Inoguichi, R, T. Nakajma e Pineau, R. O Vento Divino: Kamikaze Japão Force in World War II (1959).

 

Anúncios
  1. washington jadum de campos
    03/06/2011 às 7:03 PM

    É miranda quantas vidas perdidadas, jovens e mais jovens de ambas as partes.

  2. Miguel Pinaud
    17/06/2011 às 1:15 PM

    No programa de TV J. SILVESTRE (anos 70), o apresentador J. Silvestre entrevistava um piloto Kamikazes que sobreviveu, e peguntou a ele, porque ele teria se tornado um piloto Kamikaze, ele falou ” …era para salvar o Japão” , “lutar pelo Japão” e J. Silvestre pertunto se hoje ele faria isso de novo, ele respondeu “NÃO”,

  3. IVAN HUDES DOS SANTOS
    25/06/2011 às 1:06 AM

    Posso estar enganado mas a guerra no Pacifico nao apresentou a mesma relevancia do front europeu.O Japao possuia uma frota poderosa de porta-avioes(Akagi,Kaga,Soryu,Hiryu,Soikaku) que dificimente sao citados pelos historiadores e pesquisadores assim como os porta-avioes americanos Yorktown,Enterprise e Hornet.O Dia -D e a Operaçao Barbarossa sempre sao lembrados ao contrario de Iwo-Jima,Midway e Okinawa.

    • 25/06/2011 às 8:16 AM

      Ivan,

      Na verdade, existia uma preocupação em relação as conquistas de Hitler na Europa (a Alemanha tinha sob seu comando boa parte do continente), além da pressão política da Rússia sobre os demais aliados para se abrir um novo front. Tudo isso deu a importante conotação prioritária para o Teatro Europeu. No pacífico inicialmente concebido para ser prioritário, por isso as primeiras tropas mobilizadas dos EUA foram os marines e o primeiro front aberto pelo país foi Guadalcanal, mas depois da conquista das Ilhas Salomão, o Japão passa a estar na defensiva pelo resto da guerra, enquanto na Europa, nesse mesmo período, tudo ainda era incerto. A Operação Overlord só iniciou em junho de 44, enquanto isso o Pacífico já estava em operação desde 42.

      Os historiadores dão importância ao TOE por tudo que Hitler representou. As conquistas japonesas foram espantosas e rápidas, mas em nenhum momento ele enfrentou, derrotou e ocupou uma grande nação, apenas invadiram colonias e protetorados.

  4. Moriarty
    09/09/2011 às 4:27 AM

    Não esqueçamos amigos que a Alemanha deu sua contribuição a esse tipo de loucura, com o soderkommand.
    – O soderkommand foi uma organização formada na Luftwaffen cujo objetivo era que aviões com asas encouraçadas, fossem atirados pelos seus pilotos contra os bombardeiros aliados, afim de lhes provocar danos fatais,a idéia era que seria possível que o piloto saltasse pouco antes da colisão afim de que fosse poupado, negando dessa maneira o caráter suicida da missão, contudo as baixas dos soderkommand forma altas e os resultados despreziveis.
    – Os aliados sabiam como lidar com esse tipo de arma,eram armas na realidade de efeito moral, nem os kamikazes, ou os soderkommand, podiam conseguir algum efeito decisivo no curso da guerra, foram armas com o intuito de abalar o moral das tripulações de bombardeiros (no caso Alemão) e as tripulações de Porta-Aviões e outras belonaves.
    – A maneira como os aliados trataram isso foi simplesmente minimizar o máximo possível as noticias de ataques, evitando a disseminação de noticias detalhadas das baixas e danos provocados.
    – Só havia mesmo uma maneira desses países terem uma chance na guerra, com bons aviões, pilotados por pilotos bem treinados e experientes em combates aéreos.
    – O Japão perdeu tudo isso em Midway, depois dessa batalha só podia se conformar em retardar o fim.
    – A Alemanha depois da sangria dos bons pilotos perdidos na batalha da Inglaterra (Pilotos da Legião Condor), teve a difícil missão de se desdobrar, entre os Teatros Soviéticos,Africano,e depois diante da crescente superioridade Anglo-Americana, sediada nas Ilhas Britânicas, por fim no dia “D” praticamente não tinha nada para opor aos aliados,não podia dar cobertura na ofensiva Alemã das Ardenas,causa principal da derrota da mesma,ainda tenta um sopro de vida em 1945 na operação Bondeplate, mas só a sua Flak derruba 400 dos mil aviões engajados, essa foi a morte da Luftwaffen.

  5. Joaquim Fernandes
    29/11/2011 às 1:41 PM

    Eles foram a arma mais mortal já usada até então contra a marinha norte americana, inclusive não foi revelado de imediato a opinião publica norte americana.

  6. Gustavo
    29/01/2012 às 1:54 PM

    ola..gostaria de saber se alguem do blog ouviu fala sobre italianos facistas,que se sentavam em cima de misseis(foguetes)…e faziam o msm tipo de ataque suicidas que os japoneses,ou ouvi o Jo Soares falando uma vez isso,e nunca achei nada em livros ou na internet que falasse de tal coisa,se alguem souber se isso realmente aconteceu,ou se o dono do blog souber e postar algo a respeito,eu ficaria muito feliz,em saber o porque de ser lançado junto com uma bomba..o Jo falou até os nomes de desses ataques,mas faz muito tempo e nao lembro..abraço a todos..

    • 16/04/2012 às 11:47 AM

      O italianos só foram grandes soldados, sanguinários, no tempo do império romano.

    • 20/02/2015 às 6:05 PM

      No vida no front, vi uma matéria que trata desse assunto, procure neste blog que talvez tenha algo sobre o assunto.
      Boa sorte.

  7. Gunther
    09/12/2013 às 8:59 AM

    Pouco informativo. Quando foram formados, a reação do imperador, quanto tempo passou entre a formação e o primeiro ataque, quando ocorreu o primeiro ataque com êxito… faltou tudo. Kamikaze não era doido nem idiota. Um avião para cada elevador do porta aviões, que ficaria impossibilitado de operar por umas duas ou três horas, enquanto era afundado. Era uma boa ideia, executada de forma burra. Tem um livrinho velho da Flamboyant escrito por um Kamikaze, não é muito difícil de achar usado.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: