Anúncios

Arquivo

Archive for 06/06/2011

E o Brasil, Como Viu o Dia D?

 No Brasil, não houve grande propaganda das operações que estavam sendo realizadas na Normandia, o que se publicou no Brasil foram as notícias vindas das agências internacionais que declaravam que a Invasão à Europa teria começado, contudo a ênfase maior era a libertação de Roma. No dia 07 de Junho as agências de notícias internacionais começam a repassar a dimensão da invasão e com determinar que a nova frente aberta seria o fim do jugo nazista na Europa. Segue abaixo uma série de recortagem do Jornais do Brasil que circularam nos dias 06 e 07 de Junho de 1944. Recomendamos seguir a ordem de cada imagem para o entendimento dos artigos:

Anúncios

06 de Junho de 1944 – 67 Anos do Dia D

 Nesse momento nas Praias da Normadia acontecia uma das batalhas mais importantes da Segunda Grande Guerra, A Invasão da Europa iniciava com o desembarque em massa de milhares de soldados em praias determinadas como Juno, Sword, Gold, Omaha e Utah, sendo os dois últimos setores sendo exclusivamente áreas de invasão do Primeiro Exército dos EUA comandos pelo General Omar Bradley e os demais configuravam o Segundo Exército Bratânico sob o comando do General Dempsey, esses dois exército eram apenas uma parte integrante de uma operação militar que envolveu dezenas de nações e milhões de homens e recursos militares nunca vistos antes ou depois na história militar da humanidade. Todos eles sob um mesmo comando, um general que recebeu o título de Supremo-Comandante da Força Expedicionária Aliada. O Dia D acorreu com um atraso de 24 horas, devido as condições climáticas, e a Hora H, iniciou exatamente às 06h00m, com os desembarques sendo precedidos por intensos bombardeios navais e aéreos, e que infelizmente para as praia de codinome Omaha não tiveram o efeito desejado, e tornou a operação particularmente custosa nesse setor, onde mais de 7 mil homens morreram antes de mesmo de disparar o primeiro tiro.

“Nossa expectativa de vida era zero”, declarou o praça John MacPhee. “Nós estávamos sobrecarregados com excesso de peso. Não passávamos de mulas de carga. Eu era muito jovem, em excelente forma. Podia caminhar durante horas, suportar um bocado de contratempos, mas estava tão enjoado que pensava que iria morrer. De fato, que me dera tê-lo feito. Eu estava totalmente exausto.”

 Saltanto da rampa para a água à altura do peito, MacPhee mal pôde chegar à praia. “Eu caí, e para o que parecia ser uma eternidade ali fiquei.” Ele foi atingido três vezes, uma vez na parte inferior das costas, duas vezes na perna esquerda. Seu braço estava paralizado. “Isso foi a conta. Perdi todo meu medo e sabia que ia morrer. Fiz as pazes com o meu Criador e fiquei esperando”.

 MacPhee teve sorte. Dois de seus companheiros o arrastaram para um abrigo na Muralha do Atlântic; por fim ele foi evacuado e disseram-lhe que tinha um ferimento de um milhão de doláres. Para ele a guerra estava acabada.

 Do Lado Alemão:

  As experiência do praça Franz Gockel da 352ª forneceram algumas vívidas imagens do que pareceu o Dia D para os soldados de infantaria alemã. às 08h30m ele havia pensando que a batalha estava ganha, mas os americanos continuavam a desembarcar. À sua esquerda e à sua direita, grupo de combate e pelotões americanos haviam contornado o WN 62 (Ninho de Resistência), e em seguida atacado da retaguarda, “tornado necessário que nos defendêssemos do ataque por trás”. Ao meio-dia, ele tinha meia ração de pão e uma lata de leite, mas não vieram reforços  ou suprimentos. Um mensageiro enviado para buscar ajudar nunca mais foi visto. Os americanos pressionavam e “nossa resistência se tornava mais fraca”.

 Franz teve a mão esquerda perfurada por uma bala. O médico que envolveu em ataduras sorriu e disse que parecia um bom Heimatscuss (ferimento de um milhão de doláres). As tropas americanas penetraram na rede de trincheiras e de repente estavam a apenas vinte metros de distância.

 Franz agarrou o fuzil e correu na direção de Colleville. Nas proximidades ele se juntou ao comandante de sua companhia e aos pouco sobreviventes do NR 62. Os americanos já estavam na aldeia.

 Dos vinte homens do NR 62, apenas três escaparam ilesos, e foram feito prisioneiros. Gockel concluiu: “Nenhum de meus camaradas, que conseguiram sobreviver à invasão continuou a acreditar na vitória.”

Este slideshow necessita de JavaScript.

…Mais Em Brave.

%d blogueiros gostam disto: