Anúncios

Arquivo

Archive for 11/06/2011

O Fracasso da Defesa no Dia D

O fracasso alemão em omaha teve muitas razões. A tentativa de defesa por toda parte, espalhara as divisões em pouquinhos aqui, gotinhas ali. Além do mais, o comandante da 352ª, general Klaiss, fez uma interpretação completamente errada das intenções dos aliados. Às 2 horas, quando ele recebeu relatórios sobre o lançamento de pára-quedistas no seu flanco esquerdo entre Isigny e Caretan, pensou que os americanos estavam tentando separar a 352ª da 709ª. Às 03:10 ele ordenou que sua divisão de reserva, chamada de Kampfgrupe Meyer, nome do comandante da 905º Regimento, se deslocasse de suas posições ao sul de Bayerux até o estuário do Vire. Mas essa foi uma tentativa absurda; os pára-quedistas eram uns poucos homens da 101º que haviam saltado erradamente.

 Às 5:50 Kraiss compreendeu o seu erro. Ele disse a Meyer que detivesse a  Kampfgrupe e esperasse ordens posteriores. Dentro de meia os americanos começaram a desembarcar em Omaha, mas só às 07:35 Kraiss enviou reservas para área, e em seguida apenas um batalhão da Kampfgrupe. Às 8:35, ele enviou os outros dois batalhões contra  a 50ª Divisão Britânica na praia de Gold. Fracionar a 915ª desta maneira significava que em parte alguma havia condições de desencadear um ataque vigoroso. Os batalhões estavam também várias horas atrasadas ao chegar aos locais de combate, porque quando se deslocavam eram alvejados por caças e bombardeios aliados.

 Informações insuficientes, em muitos casos, e absolutamente nenhum em outros, causaram grande embaraço a Kraiss, mas ele era tão culpado de passar adiante más informações quanto uma vítima de recebê-las. Às 10 horas, ele relatou penetrações nas posições avançadas da 352ª em Omaha, mas frizou que não eram perigosas. Às 13:35 informou ao QG do 7º Exército que o assalto americano fora repelido de volta para o mar, exceto em Colleville, que, ele afirmou, estava sendo contra-atacada pela 915ª. Apenas às 18 horas ele admitiu que os americanos haviam infiltrado através de pontos fortes da 352ª, mas mesmo então ele afirmou que apenas Colleville estava em perigo.

 Às 17 horas, o marechal-de-campo Rundstedt exigiu que a cabeça-de-ponte aliada fosse eliminada naquela noite. Alguns minutos depois, o general Jodl enviou uma ordem no OKW – todas as forças disponíveis deviam ser lançadas na batalha. Às 18:25, Krauss ordenou que sua última unidade não empenhada, o batalhão de engenharia, se deslocasse para St.-Laurent e lutasse como infantaria. No momento em que os engenheiros chegaram ali, estava escuro, tarde demais para fazer outra coisa exceto entrincheirar-se e esperar o amanhecer.

 Pouco antes da meia-noite, 06 de junho, Kraiss admitiu ai seu comandante de corpo, general Marcks, que a 352ª precisava desesperadamente de ajuda. “Amanhã a divisão será capaz de oferecer ao inimigo a mesma determinada resistência que ofereceu hoje (mas) por causa das pesadas baixas…os reforços devem ser trazidos até depois de amanhã. As perdas em homens e material nos ninhos de resistência são totais”

 Marcks retrucou: “Todas as reservas que me eram disponíveis já foram empregadas. Cada polegada de chão deve ser defendida ao máximo até novos reforços possam ser trazidos.”

 Em suma, o pode de combate da 352ª tinha sido dissipado pela obstinada ação defensiva dos pequenos grupos que eram capazes de retardar, mas não deter o avanço aliado. A insistência de Rommel em defender o avanço perto da praia tornara a fase inicial mais árdua para os americanos, mas a um custo excessivo para os alemães – e não havia funcionado. “A esse respeito”, declara a história oficial do exército americano, o “V Corpo havia superado uma severa crise, e o sucesso da sua luta deve ser medido em outros termos que não o tamanho da cabeça-de-praia.”

Anúncios

O Verdadeiro Soldado Ryan

Embora a história do Resgate do Soldado Ryan seja fictícia, havia um pára-quedista real na 101ª Divisão Aerotransportada, cuja família, aparentemente, sofreu a perda de três dos quatro filhos em combate em um curto período de tempo.

 O sargento Frederick “Fritz” Niland era um membro da 101ª da 501º Airborne o Regimento de Infantaria Pára-quedista, e foi um dos que saltaram na Normandia em 06 de junho de 1944. Ele pousou a sudoeste de Carentan em Raffoville, e ele foi finalmente capaz de fazê-lo de volta para sua unidade por conta própria.

 três irmãos servido em outras unidades; Sargento Robert Niland era um pára-quedista na 505 Regimento Pára-quesdista de Infantaria da 82ª Divisão Aerotransportada, tenente Preston Niland servido no 22º Regimento de Infantaria, 4 ª Divisão de Infantaria, e o primeiro-sargento Edward Niland foi um piloto na Exército Força Aérea.

 Edward tinha sido dado como “desaparecido em combate” durante a Birmânia no Pacífico em 16 de maio de 1944. Seu B-25 foi abatido e ele foi declarado como presumidamente morto. Robert foi morto no Dia D em Neuville-au-Plain. Preston foi morto em 07 de junho nas proximidades da Praia de Utah.

 Ao contrário do Ryan do filme, no entanto, não houve necessidade de enviar uma missão de resgate para encontrar o sargento Niland. Quando o padre Francis L. Sampson, capelão do 501, soube que dois dos irmãos Niland foram mortos, e que o terceiro foi declarado morto, ele começou a burocracia para enviar Niland para casa.

 Niland permaneceu com a sua unidade durante algum tempo, mas a papelada estava pronta  ele foi forçado a voltar aos Estados Unidos, onde trabalhou em Nova York como soldado da Polícia Militar (MP)pelo resto da guerra.

Felizmente para a família Niland, Edward Niland não estava morto, mas passou quase um ano inteiro em um campo japonês de prisioneiros de guerra antes de ser resgatado por forças britânicas.

O Dia D no LEGO – Muito Legal!

Faz parte da natureza humana tentar reproduzir de algum forma grandes acontecimentos, na tentativa de concretizar o cenário imaginário que pouco presenciaram. Contudo algumas formas são inusitadas, como o LEGO. Tirem suas próprias conclusões:

 

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Categorias:Guerras, História Tags:,

Omaha – Dia D – General Cota – O Comandante no Setor DOG WHITE

Lembram-se da cena de abertura de “O Resgate do Soldado Ryan”, onde o Capitão Miller assume a fuga da praia?

Isso realmente aconteceu…só que o Comandante em questão era o General de Brigada Norm Cota.

 

Na Segunda Guerra Mundial, o então coronel Cota esteve envolvido na invasão bem-sucedida do Norte Africano, a Operação Tocha. Em seguida, ele foi fundamental para o planejamento para a Operação Husky, a invasão aliada da Sicília. Promovido a General de Brigada, serviu como conselheiro dos Estados Unidos para as operações combinadas no Reino Unido observando e supervisionando os preparativos para a invasão à França, a Operação Overlord.

 Durante a fase de planejamento, Cota era inflexivelmente contra desembarques à luz do dia, acreditando que os desembarques noturnos teriam uma chance maior de sucesso. Assumindo sub-comando da 29ª Divisão de Infantaria, programado para desembarcar em Omaha Beach, Cota defendeu um ataque noturno, mas não convenceu. Apesar de seus protestos, e com o passar do tempo, o alto comando Aliado tinha pouca escolha.

 A maioria dos comandantes do Dia D assegurava aos seus homens que os alemães seriam aniquilados pelo bombardeamento dos Aliados no pré- ataque, e que os defensores estavam em desvantagem numérica, inexperientes e desmoralizados. Todas essas avaliações foram revoltantes e imprecisas. Na tarde de 05 de junho Cota deu uma das poucas estimativas precisas para os soldados da 29ª Divisão de Infantaria:

“… As poucas discrepâncias que a gente tentou corrigir (em treino anfíbio) vão ser ampliadas e vão dar lugar a incidentes que vocês podem, à primeira vista verem como caótica. Os bombardeios aéreos, navais e com o apoio de artilharia são tranquilizadores . Mas vocês estão indo encontrar a confusão e o caos. Os desembarques não estão acontecendo na programação esperada e os homens estão desembarcado no lugar errado. O inimigo de alguma forma tentará impedir a nossa conquista. Mas temos que  improvisar, sigam em frente, não podemos perder nossas cabeças. “

 Apesar de sua previsão original, até Cota subestimou a carnificina total que aguardava o V Corpo  (Divisões de Infantaria 29 e 1) na praia de Omaha na manhã de 6 de junho de 1944.

Sangue em Omaha

 Cota desembarcou com parte do Regimento de Infantaria 116 ª da 29ª Divisão, na segunda onda, aproximadamente uma hora após a hora-H, no setor conhecido como Omaha DOG- WHITE. Seu barco se aproximou sob fogo pesado de metralhadoras e morteiros, quando a rampa desceu três soldados foram mortos imediatamente.

 Cota foi um dos mais altos oficiais na praia naquele dia. Ele é famoso por comandar pessoalmente o ataque, motivando os soldados em estado de choque e sobreviventes para fixarem na ação, e abrir uma das saídas para os primeiros veículos saírem da praia. Duas citações famosas são atribuídas a ele:

O encontro com Max Schneider, comandante do 5º Batalhão Ranger, Cota perguntou: “Que roupa é essa?” Alguém gritou “5º Rangers!” Cota respondeu: “Bem, diabos, então, Rangers, liderem o caminho!”.

– Cota morreu em 1971 e está enterrado no Cemitério em West Point.

ESPECIAL – MUITOS POSTS

HOJE TEREMOS VÁRIAS PUBLICAÇÕES DE POSTS DURANTE TODO O DIA…FIQUEM LIGADOS  E DIVULGUEM!!

Categorias:Mais Assuntos
%d blogueiros gostam disto: