Início > Guerras, História > Berghof – A Residência de Hitler durante a Guerra.

Berghof – A Residência de Hitler durante a Guerra.


Berghof era a residência de Adolf Hitler em Obersalzberg nos Alpes da Baviera próximo a Berchtesgaden, Alemanha. Diferente do Wolfsschanze na Prússia Oriental, Hitler passou mais tempo em Berghof do que em qualquer outro lugar durante a Segunda Guerra Mundial. Reconstruída e ampliada em 1935, Berghof foi a residência de férias de Hitler por dez anos. No final de abril 1945 a construção foi bombardeada pela aviação britânica e posteriormente incendiada por tropas da SS em retirada no início de maio, além de ser saqueada por tropas aliadas que chegaram à área. O que sobrou da construção foi demolido pelo governo da Alemanha Ocidental em 1952.

 O Berghof começou como um chalé muito menor, chamado de Haus Wachenfeld, uma casa de férias construída em 1916 por Otto Winter, um empresário de Buxtehude.

A viúva do empresário alugava a casa durante o inverno para Hitler. Em 1933 Hitler comprou a propriedade com os fundos que recebeu da venda de seu manifesto político Mein Kampf.

 O edifício de estilo chalé foi remodelado e expandido durante os anos de 1935-36, quando foi renomeado para O Berghof. Um grande terraço foi construído e decorado com guarda-chuvas estilo resort. O hall de entrada “foi preenchido com uma exposição curiosa plantação de cactus em vasos.” A sala de jantar era apainelado com muitos pinheiros cembra . A biblioteca tinha uma sala com central telefônica e continha livros “de história, pintura, arquitetura e música.” Um grande salão foi decorado com móveis no estilo teutônico, também havia um grande globo e uma lareira de mármore vermelha. Atrás de uma parede estava a cabine de projeção para exibição de filmes à noite (muitas vezes, produções de Hollywood que não fossem proibidas na Alemanha). A janela panorâmica extensa poderia ser rebaixada para a parede para dar vista ao ar livre das montanhas, cobertas de neve no natal. A casa se manteve muito parecido com um hotel resort pequeno e mantinha governantas, jardineiros, cozinheiros e outros trabalhadores domésticos.

  “Este lugar é meu”, palavras de Hitler a Revista Homes and Gardens, em 1938. “Eu construí com o meu próprio dinheiro.”

 A revista britânica Homes & Gardens o descreveu como “seu próprio decorador, designer e fornecedor” e do chalé como “luminoso e arejado” com “esquema de cores”. Gravuras antigas penduradas nos quartos de hóspedes, juntamente com alguns pequenas aquarelas pintadas pelo próprio Hitler. Seu assistente pessoal Heinz Linge afirmou que Hitler e sua companheira de longa data Eva Braun, tinham dois quartos e dois banheiros com portas em comum e Hitler acabaria por muitas noites com ela em seus estudos e bebendo chá.

  Fumar só era permitido no terraço (o dono da casa não fumava). A dieta vegetariana de Hitler era fornecida por hortas familiares próxima da residência, mais tarde, uma estufa.

A Kehlsteinhaus , apelidado de Ninho da Águia por um diplomata francês, foi construído em 1938-39 (com fundos do governo para comemorar o 50º aniversário de Hitler) no topo da montanha acima do Berghof. Um grande complexo de casas de montanha também foram construídas para as principais lideranças nazistas, com uma pista de pouso e muitos edifícios para a segurança e pessoal e de apoio. Para adquirir o terreno para esses projetos, muitos vizinhos foram obrigados a vender suas propriedades e ir embora.

O Berghof se tornou uma espécie de atração turística alemã durante meados dos anos 1930. Os visitantes se reuniram nas estradas ou em vias públicas próximas, na esperança de ver Hitler. Isto levou à introdução de severas restrições de acesso em determinadas áreas e outras medidas de segurança. Um grande contingente da Leibstandarte SS Adolf Hitler foram alojados ao lado da Berghof. Sob o comando de Bernhard Frank , eles patrulhavam uma zona de segurança extensa, que englobava as casas vizinhas de outros líderes nazistas. Com a eclosão da guerra, extensas defesas antiaéreas foram instaladas, incluindo máquinas de fumaça para esconder o complexo de Berghof de aeronaves hostis.

Os hóspedes de Berghof eram figuras políticas, monarcas, chefes de Estado e diplomatas, juntamente com pintores, cantores e músicos. Os visitantes importantes recebidos pessoalmente por Hitler incluía David Lloyd George (03 de marco de 1936), o Aga Khan (20 de outubro de 1937), Duke e Duquesa de Windsor (22 de outubro de 1937), Kurt von Schuschnigg (12 fev 1938 ), Neville Chamberlain (15 de setembro de 1938) e Benito Mussolini (19 de janeiro de 1941). No final de julho de 1941 Hitler convocou seus chefes militares da OKW e OKH a Berghof para a “Conferência Berghof” em que o “problema russo” foi estudado.

O círculo social de Hitler em Berghof incluía Eva Braun e sua irmã Gretl, amiga de Eva Marianne Schönmann, Herta Schneider e seus filhos, Heinrich Hoffmann e as esposas e filhos de outros líderes nazistas e pessoal de Hitler, que posaram todos para a fotografia anual por ocasião do aniversário de Hitler. A cena social em Berghof terminou em 14 de Julho de 1944, quando Hitler partiu para seu quartel-general militar na Prússia Oriental, para nunca mais voltar.

 Filmes coloridos sem sons foram realizados por Eva Braun, esses filmes sobreviveram à guerra e mostrava Hitler e seus convidados relaxando em Berghof. Em 2006 um software de leitura labial identificou várias partes dessas conversas. Entre aqueles identificados nos filmes foram Albert Speer , Heinrich Himmler , Joachim von Ribbentrop , Joseph Goebbels, Karl Wolff e Reinhard Heydrich .

Dois convidados planejavam usar uma visita a Berghof como uma oportunidade para assassinar Hitler. Em 11 de março de 1944 o capitão Eberhard von Breitenbuch chegou com uma pistola escondida com a intenção de atirar na cabeça de Hitler, mas os guardas não permitiram o encontro. Em 07 de junho de 1944 o coronel Claus Schenk Graf von Stauffenberg planejou detonar uma bomba em uma reunião lá, mas seus companheiros de conspiração não lhe daria autorização para fazê-lo porque Himmler e Hermann Göring não estariam presentes. Houve também um plano britânico chamado Operação Foxley para um sniper matar Hitler em sua caminhada diária do Berghof ao Teehaus

 Obersalzberg foi bombardeada por centenas de bombardeiros britânicos Lancaster, incluindo aeronaves do 617º Esquadrão da RAF (” The Dam Busters “), em 25 de abril de 1945, 12 dias antes da rendição das forças alemãs em 7 de Maio. Pelo menos, duas bombas atingiram o Berghof. Em 04 de Maio, quatro dias após o suicídio de Hitler em Berlim, tropas SS atearam fogo à casa. Apenas algumas horas depois, o EUA 3ª Divisão de Infantaria chegou a Berchtesgaden, juntamente com a 2 ª Divisão Blindada francesa. 1 º Batalhão americano do Regimento de Infantaria 506 chegou quatro dias depois, em 8 de Maio. O 3º Batalhão do 506 entrou em Berchtesgaden por uma rota diferente.

Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Berghof_%28residence%29

Anúncios
  1. washington jadum de campos
    29/07/2011 às 7:44 PM

    Porque não preservaram este patrimônio, pois, as pessoas deveria saber que um Orquestrador de massacres esteve por ali.

  2. Francisco Bendl
    04/10/2011 às 6:02 PM

    Concordo com o Washington, no seu comentário acima, mas este patrimônio que deveria ter sido preservado, deveria fazer com que passasse por ele outros “orquestradores de massacres”.
    Não somente o alemão, mas americanos, japoneses, italianos…
    A verdade é que numa guerra se torna difícil separar quem é o bom e o mau.
    Os alemães foram extremamente cruéis com seus campos de concentração, mas não menos criminosos que os americanos com suas bombas atômicas em Hiroshima e Nagásaki; os japoneses deixariam o médico alemão Mengele envergonhado, diante da crueldade que fizeram com os chineses; assim como os italianos quando invadiram a Abissínia (atual Etiópia).
    Enfim, a guerra é o atestado da estupidez humana e, nela, o homem deixa aflorar suas bestialidades, frustrações, ódios, raiva, preconceitos, infãmias e crueldades.
    Extremamente difícil que rotulemos apenas um líder que tenha participado de guerras como a besta, claro que existindo os que foram mais cruéis e os menos, mas sempre havendo o sofrimento como característica a padecer os inocentes, e de ambos os lados!

    • Adilson Luiz
      19/12/2011 às 10:26 PM

      Excelente comentário!!!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: