Início > Guerras, História > Guerra Civil Espanhola – O Ensaio – Parte 01

Guerra Civil Espanhola – O Ensaio – Parte 01


A tradição liberal pela primeira vez subiu ao poder com a Constituição espanhola de 1812  e tentou abolir a monarquia absolutista do antigo regime e estabelecer um Estado liberal. Assim, houve uma série de revoltas entre os liberais e monárquicos ao longo do século XIX. A Espanha permaneceu uma monarquia constitucional durante a maior parte deste período com breves exceções, como a Primeira República Espanhola. A monarquia sob Alfonso XIII durou de 1887-1931, mas a partir de 1923 a Espanha estava sob a ditadura militar de Miguel Primo de Rivera. Primo de Rivera prometeu eliminar a corrupção e regenerar Espanha, ele suspendeu a Constituição, estabeleceu a lei marcial e impôs um rígido sistema de censura.

No entanto, a reforma social foi deixada em segundo plano, a inflação disparou e depois de perder o apoio do exército, ele foi forçado a renunciar em 1930. Em 1931, Alfonso XIII concordou em eleições democráticas, o povo votou por uma República, o velho Afonso saiu do seu trono e foi para o exílio. A Segunda República Espanhola foi liderada por uma coligação de esquerda e centro, que aprovou uma série de reformas controversas, como a Lei Agrária 1.932, que distribuiu terras entre os camponeses. Estas reformas, juntamente com políticas anticlerical e militar que causou uma forte oposição.

Nas eleições de novembro 1933 o partido de direita CEDA conseguiu 115 cadeiras, enquanto o Partido Socialista só conseguiu 58. CEDA agora formava uma aliança parlamentar com o Partido Radical. Nos próximos dois anos, a nova administração acabaria com as reformas que tinham sido introduzidas pelo governo anterior. Quando um governo da Frente Popular progressiva foi eleito em fevereiro de 1936, com a promessa de reforma agrária realista, as forças conservadoras imediatamente começaram a planejar a resistência. Em julho de 1936, houve uma tentativa de um golpe militar, mas foi mal sucedido e o governo manteve-se no controle de grandes partes do país.

Os nacionalistas recorreram às ditaduras fascistas na Itália, Alemanha e Portugal para conseguir apoio, e logo começou a receber homens e suprimentos de Benito Mussolini, Adolf Hitler, Salazar. Com esse fato a guerra civil espanhola tomava corpo e não seria limitado apenas como um assunto interno da Espanha, em vez disso, tornou-se um símbolo da democracia contra o fascismo. O mundo ainda se recuperava dos efeitos da Grande Depressão e a Espanha republicana era visto como um farol de esperança e um provedor de soluções.

Além disso, o mundo estava conhecendo a política dos Estados que adotou um sistema totalitário – o Japão tinha invadido a Manchúria, no início da década, os italianos haviam invadido a Etiópia em 1935, Hitler estava sendo um demônio para os judeus na Alemanha – por isso, quando os fascistas envolveram-se na Espanha, as democracias precisavam agir.

Versão SlideShow

Este slideshow necessita de JavaScript.

Anúncios
  1. washington jadum de campos
    28/08/2011 às 6:37 PM

    Pois bem Miranda cada sena os nazistas apoiaram e aí fizeram seus testes, parabens.

  2. Moriarty
    30/08/2011 às 1:46 AM

    Antes da 1ª Guerra mundial os conflitos aconteciam por
    intrigas entre as familias Imperiais Europeias e a busca
    pelos mercados rentáveis, proporcionados pelo domínio e
    exploração das colonias, Africanas e Asiáticas, mas após
    a 1ª Guerra mundial tudo começa a mudar e já começamos a
    vislunbrar os primeiros resquicios do pensamento
    predominante ate os dias atuais.

    As alianças entre interesses comuns,o predominio do
    pensamento doutrinário,das nascentes ideologias do inicio
    do Sec. XX, nas Democrácias politicamente frágeis uma
    busca incessante pelo susseço econômico, como auto-
    afirmação,e justificativa existencial,No Bolchevismos
    Marxista uma proposta radicalmente oposta as Democracias
    Capitalistas com apelo de novidade que pode dar certo
    para as massas excluídas,a rivalidade tornou-se
    inevitável, e entre ambas o Chamado Nacional socialismo,
    que herda o totalitárismo de um mas preserva basicamente
    as instituições capitalistas, o Facismo ou nazismo, ao
    mesmo tempo oposto aos dois anteriores. Logo a
    hostilidade ideológica e política descamba para a militar
    também.

    E a Espanha apresenta-se como a primeira verdadeira arena
    aonde estas ideólogias vão medir forças, nela reunem-se
    os voluntários das Democrácias,As forças Russas
    determinadas a ganhar a espanha para causa comunista e as
    poderosas forças da Alemanha e Itália, com logística
    privilégiada e apoio as Falanges Franquistas, afim de
    criar na Europa mais um Estado Fascista, o conflito é
    tanto mais selvagem quanto é grande o idealismo dos
    envolvido,nele as forças envolvidas testam a si próprias
    e as forças dos futuros adversários, verificam o
    desempenho do seu treinamento e das armas envolvidas,
    abandonando algumas e aprovando outras,é a preparação
    para o proximo conflito que virá, devastador, a 2ªGuerra.

    • 30/08/2011 às 7:35 AM

      Muito bem colocando Moriarty. Obrigado pelas informações de qualidade que vc acrescenta.

  3. 20/09/2011 às 1:24 PM

    Só uma obs: a URSS lutou ao lado do governo de frente popular, um governo republicano liberal e burguês eleito democraticamente e é muito atacada até hj por isso.

    Abs do Lúcio Jr

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: