Início > Guerras, História > Dossiê Generais da Segunda Guerra – Erwin Rommel – Parte III

Dossiê Generais da Segunda Guerra – Erwin Rommel – Parte III


Os Métodos de Rommel sempre foram questionados. Por exemplo, a 32ª Divisão alemã, que estava no flanco esquerdo de Rommel na França, se queixou de que Rommel teria utilizado não só seu equipamento, mas também usou a própria divisão na construção da ponte durante o avanço, o que atrasou o calendário da 32ª. Ser um comandante predileto dos políticos nazistas deu-lhe a imunidade a muitas críticas. Alguns de seus colegas também se queixaram que Rommel ignorou qualquer planejamento com outras divisões e realizava praticamente um avanço independente. Em pelo menos uma ocasião ele comandou avanços, originalmente concebido para outra divisão mais próxima dos objetivos. Quando as unidades da divisão vizinha chegavam usavam a ponte que tinha sido estabelecida para a 7ª Divisão Panzer, e Rommel livremente, comandava homens dessas unidades e seus equipamentos, para manter o ímpeto de sua própria ofensiva. Por várias razões não é exagero dizer que, antes de Rommel estabelecer sua fama como um comandante capaz, ele fez muitos adversários entre seus pares.

Em um de seus artigos mais recentes sobre a campanha na França, ele deixa claro sua ideia e forneceu uma introspecção em sua mentalidade quanto o avanço de suas tropas para frente em um ritmo tão alucinado. “O único critério para um comandante em realizar uma determinada operação deve ser o tempo em que é permitido para ele, e ele deve usar todos os seus poderes de execução para cumprir a tarefa dentro desse tempo.” Ele também escreveu “[a] os agentes de uma Divisão Panzer deve aprender a pensar e agir com independência no âmbito de um plano geral e não esperar até que recebam ordens”, novamente salientando a importância no movimento rápido durante operações ofensivas.

Em fevereiro 1941, Rommel foi escolhido por Hitler para liderar as forças alemãs no norte da África. Ele chegou lá em 12 de fevereiro, contemplou a uma plena retirada das forças italianas em direção a Trípoli. Com a sua vontade comum ver as situações linha de frente para si mesmo, ele pulou em um bombardeiro Heinkel e seguiu imediatamente para uma corrida de observação. Suas tropas chegaram dois dias depois, em fevereiro, 14 dias depois, suas tropas fizeram uma parada em Tripoli. Para falsificar os números para as classes mais baixas, a fim de elevar o moral e para qualquer espião britânico que poderia ser observado, ele ordenou a seus blindados para circundar a área várias vezes. “Temos que manter o inimigo na dúvida sobre a nossa força – isto é, sobre a nossa fraqueza – até que o resto da divisão esteja conosco”, disse ele. Enquanto isso, para enganar o reconhecimento aéreo britânico, ele ordenou a seus homens para construir falsos blindados. Alguns foram construídas em cima de carros Volkswagen que andava em círculos de vez em quando, enquanto outros foram de madeira. Mensagens britânicas interceptadas revelaram avisos britânicos de presença de blindados médios alemães, o que significava que as falsificações tinham funcionado.

Uma vez que Rommel recebeu equipamentos adequados, atacou agressivamente, contra o 8º Exército britânico, empurrando-os para fora da Líbia e tentou se aventurar no Egito. Em El Alamein, a sua aura de invencibilidade foi finalmente levantada como suas linhas de abastecimento alongadas demais. Quando os americanos desembarcaram no norte da África, ele voltou sua atenção ao oeste, ao perceber que se as tropas recém-chegadas tivessem a oportunidade de se reunir com os britânicos no leste, o exército alemão teria de enfrentar um desafio ainda maior. Ele deixou o teatro africano para se encontrar com Hitler em Berlim e falar sobre os temas no teatro, e como os acontecimentos que estavam por vir, ele nunca mais voltaria ao Norte da África.

Sucessos de Rommel no norte da África foram respeitados pelos amigos e inimigos. O General britânico Harold Alexander comentou que Rommel “era um inimigo muito cavalheiresco”, e Comandante Supremo das Forças Aliadas Dwight Eisenhower também comentou sobre a capacidade de Rommel com a máxima consideração. O General americano George Patton, com seu colorido e expressão usual, simbolicamente gritou com o comandante alemão, “Rommel, seu bastardo magnífico! Eu li o seu livro!”, talvez comentando sobre as obras impressionantes de manobras militares que Rommel tinha publicado. Foi no Norte da África que Rommel, apelidado de Raposa do Deserto, tornou-se conhecido como um líder extremamente capaz e inovador.

Depois do Norte de África, Rommel serviu brevemente na Itália antes de voltar à França para reforçar as defesas costeiras ali. Ele estava convencido de que, se os Aliados ocidentais lançaram um ataque contra a Europa continental, os Aliados não devem ter a chance de consolidar-se, caso contrário, tudo estaria perdido. Ele preparou milhares de unidades fortificadas nas praias, preparando um contra-ataque em qualquer tentativa de desembarque na costa francesa, sem arriscar tanques para não expô-los ao poder aéreo aliado. Sua estratégia de implantação de seus tanques era baseada na crença de que o poder aéreo era a chave para vencer uma guerra moderna. “A batalha futura na terra será precedida de batalha no ar”, disse ele. “Isso vai determinar qual dos competidores tem que sofrer desvantagens operacionais e táticas e ser forçado durante a batalha em soluções de defesa terrestre sem a superioridade aérea.”

Início de 1944, Rommel foi abordado para participar do complô em julho para assassinar Hitler. Atualmente boa parte dos historiadores contemporâneos acreditam que Rommel recusou devido à sua lealdade, mas os fatos exatos ainda são desconhecidos.

Após os Aliados ocidentais lançaram o desembarque na Normandia em junho 1944, Rommel estava fora da área e incapaz de obter uma imagem clara da situação, e, em seguida, Hitler hesitou em aprovar um contra-ataque de blindados até que fosse tarde demais. O pesadelo Rommel se tornou realidade nas próximas seis semanas a cabeça de praia aliada estava fortalecida. Em 15 de julho, ele se comunicava a Hitler que a Alemanha deveria considerar seriamente o fim da guerra em termos favoráveis, quando ainda era possível, por qualquer razão, esta carta chegou atrasada. A carta chegou 05 dias depois do atentado de julho contra Hitler. A carta tão brutalmente honesta, de repente tinha o tom dos traidores. Logo se descobriu que Rommel já havia sido abordado por alguns dos membros do círculo interno que planejou o complô de Julho. Enquanto Rommel era ferozmente leal e improvável ter aprovado um atentado contra a vida de Hitler (e ele não havia informado de tal plano), era desconhecido se Rommel concordou com aqueles que, em contato com ele, para assumir um papel de liderança no pós-guerra na Alemanha. A maioria das pessoas entendiam muito bem que apenas um punhado pequeno de pessoas foram igualmente respeitadas pelos alemães e aliados, e Rommel estava nessa lista. Essa característica, na atmosfera pós-julho, tornou-se uma ameaça para Hitler, e os resultados Gestapo que Rommel estava ligado a alguns dos conspiradores só fez posição de Rommel piorar.

Autor do Artigo: C. Peter Chen

Anúncios
  1. Carlos
    21/08/2012 às 6:20 PM

    Muito bom o acervo histórico, parabéns pelo Blog.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: