Início > Guerras, História > A Propaganda Fascista na Segunda Guerra Mundial

A Propaganda Fascista na Segunda Guerra Mundial


A Itália foi um fardo para as pretensões de Hitler, inclusive sendo um dos fatores que contribuíram com a sua derrota final. Mussoline idealizou um regime fascista que conquistou não apenas a Itália, mas serviu de base para o doutrinamento de outros países, a exemplo o Estado Novo de Vargas, mas a Itália era muito menos poderosa do que a propaganda Fascista vendia. As conquistas na África foram voláteis e sem consistência estratégica, e quando invadiram a Grécia sofreram um revés inadmissível para um dos principais membros do Eixo. Hitler intervém, mas sobre o custo de adiar a invasão a URSS, e pior, sendo obrigado a abrir uma frente que ele não queria; nasce a Afrika Korps com o melhor que a Alemanha tinha até aquele momento.

 Segue abaixo as propagandas que o regime fascista usou com instrumento de persuasão contra sua população e tropas inimigas.

Anúncios
  1. Moriarty
    22/11/2011 às 2:33 AM

    – O fascismo e a participação da Itália na II Guerra mundial foi mesmo um drama, de inicio tudo correu bem com certa estabilização econômica da crise mundial de 1929, internamente se o totalitarismo reprimia também colocava ordem na casa,(É de se notar que a única vez na sua vasta história em que a Itália se viu livre da praga em que se constitui a máfia foi durante o regime fascista).

    – Mas se de inicio Mussolini serviria de fonte de inspiração para tantos aspirantes a sua própria versão nacional de fascismo, notadamente Hitler e Franco, os primeiros contatos com Hitler e a primeira viagem a Alemanha inverteria a situação, de mestre Mussolini passaria a discípulo do ditador Alemão totalmente seduzido pela sua personalidade e conquistas tecnológicas alemãs, que lhe deixavam claro que sua Itália jamais poderia competir com ela, principalmente por prestigio ideológico.

    – Assim a importância do termo fascismo foi cedendo lugar ao nazismo eram vistos como a mesma coisa, apenas que a Alemanha passara a substituir a Itália como sua representante.

    – Um tanto pior para o termo que ficou associado eternamente aos excessos de Hitler, genocídio, absolutismo do líder na gerencia estatal das esferas política, econômica, militar e cultural, e uma eterna postura voltada sempre para os interesses bélicos, que conferiu uma reputação ao regime de ameaça a tudo e todos que representasse foco de seus interesses.

    – E seguindo o exemplo do homem que liderava a nação que supostamente poderia lhe ajudar a concretizar seu ideal (Ou sonho pois as coisas nunca foram bem claras na cabeça de Mussolini), o de restabelecer o Império Romano, mergulhou no caos que foi a II Guerra mundial e assim esperando ganhar tudo, perdeu tudo o que tinha inclusive a vida.

    – Sua morte foi chocante, tendo seu cadáver sido vilipendiado até tornasse desfigurado, culminando com uma exposição publica, balançando de ponta cabeça num gancho de açougueiro, na praça loreto em Milão, com sua amante Clareta Petacci e outros partidários seus.

    – Churchill comentou a respeito “Assassinaram Mussolini” numa alusão ao fato de que se fora seu inimigo na guerra e merecia a derrota e a deposição, não merecia final tão desumano.

    – Mussolini produziria uma ultima inspiração final em Hitler a respeito do seu próximo e próprio inevitável fim, sua morte levou em consideração o fato de jamais permitir que seu corpo fosse exposto a apreciação publica como fora o do infeliz Duce, e tornando-o irreconhecível por sua própria ordem inadvertidamente alimentou as fantasias que perduram ate hoje de que teria sobrevivido a guerra e poderia ter vivido tranquilamente em algum paraíso distante e discreto.

    – Congratulações Chico pela possibilidade de poder contemplar em primeira mão essas curiosidades das quais ainda não tinha a oportunidade, elas não negam um caráter de esmero artístico que reforçam a dramaticidade da mensagem pretendida.

  2. 22/11/2011 às 11:10 AM

    Será que o culpado é somente o Mussoline?!
    Ninguém o opoiou vibrantemente nas vitórias iniciais, como o genocídio etíope?!
    Vamos pensar!

  3. Moriarty
    22/11/2011 às 2:32 PM

    – Sim Cesar a vitória embriaga a todos e cria seguidores, ate a primeira derrota que começa a esclarecer sobre os erros, afastar bajuladores e mostrar a dura realidade dos erros.

    – Mas o Nazi-fascismo tinha essa faceta na sua ideologia o “Principio da liderança” que dava aos ditadores o controle despótico e centralizador de todas as iniciativas na condução dos destinos do estados, só eles podiam reivindicar vitórias, seria inevitável que também só a eles fossem atribuídas as derrotas, foi um risco a que conscientemente se submeteram quando disseram que todos estavam errados e só eles tinha a razão.

  4. Francisco Bendl
    22/11/2011 às 4:23 PM

    Poder-se-iam atribuir aos povos alemães e italianos culpas pela atitude de seus líderes, Hitler e Mussolini, respectivamente?
    Afinal das contas foram as populações desses dois países que fortaleceram o poder desses déspotas.
    Faço esta pergunta porque tenho lido inúmeros livros, revistas, artigos, que de certa forma excluem a culpabilidade do povo pela ascensão desses dois personagens, o que não seria possível se não tivessem sido fortalecidos pelo voto popular.
    Eles não tomaram o poder, foram conduzidos a ele livremente e pelo apoio de suas nações.
    Então por que não foram destituídos pelo povo quando este percebeu que se dirigiam para um conflito de proporções mundiais?
    Omissão?
    Irresponsabilidade?
    Cumplicidade?
    O que leva uma população inteira se deixar levar por movimentos que fatalmente irá descambar em tragédia?
    Por que não se negaram a entrar em guerra?
    Por que os povos alemães e italianos não se revoltaram com os destinos que seus líderes haviam escolhido para eles, traduzidos em sofrimento e morte?
    Não vamos longe:
    O Brasil está sendo sinônimo de corrupção e, mesmo assim, votamos nos mesmos safados e os reelegemos, sabendo nós que nosso dinheiro arrecadado em forma de impostos e taxas será dilapidado, roubado, gasto em irregularidades, e não fazemos nada.
    O que ocasiona esta pasmaceira?
    Por que esta letargia social e política do povo, que não se conscientiza de sua importãncia e afasta do poder os desonestos, os traidores do país?
    Estamos a comentar sobre os infindáveis e graves episódios da Segunda Guerra, uma apreciação necessária e extremamente útil, mas por que estamos permitindo que comportamentos muito parecidos com os de Hitler e Mussolini no passado sejam revividos no Brasil?
    Ou por acaso não existem as milícias armadas contra aqueles que se insurgem com esta imoralidade política?
    Ou não estamos a presenciar a queda de valores e princípios que regem as famílias através de condutas perniciosas e melévolas que as novelas de nossos canais de televisão transmitem?
    Ou não constatamos diariamente a incúria administrativa de nossos governantes no gerenciamento de recursos do estado que dirigem?
    Ou estamos virando as costas a esta licenciosidade generalizada que vemos em nossos jovens?
    Ou perdemos a dimensão das consequências catstróficas que as drogas estão causando em nosso meio social?
    Os tempos são outros, inegavelmente, se comparados aos anos 40, mas o comportamento humano não mudou.
    Nós estamos deixando a desejar como cidadãos – falo genericamente e não somente para brasileiros – quando assistimos passivamente que medidas sejam tomadas contra nós mesmos, que nos prejudicam, que nos violentam em nossas dignidades.
    Que exemplos deixaremos aos nossos filhos?
    Perdoem-me a expressão: de vacas de presépio?
    Eu gosto de ler os comentários bem colocados sobre a Guerra, e prefiro resgatá-los para traçar um paralelo entre aquele acontecimento e a atual forma de vida que temos e que nos possibilitamos, e a guerra que travamos entre nós mesmos em busca de espaços, de estudos, de trabalho, de realização pessoal.
    A conclusão que chego é que não aprendemos o suficiente, o que é uma lástima, mesmo com a imolação de milhões de pessoas, que deixa uma tristeza enorme e a pergunta inevitável:
    Então mais de 50 milhões de mortos, foi em vão?!

  5. Francisco Bendl
    22/11/2011 às 5:16 PM

    Peço perdão pelo erro grosseiro que cometi contra o nosso idioma;
    Ao escrever:
    “O que leva uma população inteira se deixar levar por movimentos que fatalmente irá descambar em tragédia”, quero corrigir para:
    O que leva uma população inteira se deixar levar por movimentos que fatalmente IRÃO descambar em TRAGÉDIAS?
    Obrigado pela compreensão e reitero as minhas desculpas.

  6. Moriarty
    23/11/2011 às 1:36 AM

    – Caros amigos estas colocações no meu entender são mesmo relevantes a partir que conseguimos estabelecer uma relação com o nosso país o que pode nos esclarecer um pouco mais da sua condição a partir de outros.

    – Hitler disse uma vez que a maioria das pessoas que compõem uma nação são de pessoas simples, não de professores ou advogados, não uma maioria pensante, esse entendimento lhe enchia de esperanças de um dia tomar o poder pela persuasão das massas que ele o conhecimento de como lhes melhorar a vida.

    – É compreensível a maioria não vive dignamente, apenas sobrevive e isso não nos iludamos, em qualquer parte do mundo, acontece que uma democracia inadvertida que não provem como deveria seu povo se esquece que esse povo tem o poder do voto, que pode ser persuadido facilmente se suas necessidades básicas não forem atendidas e basta algum partido acenar com mudanças e vemos a derrubada da democracia pelo seu instrumento mais nobre “O voto” usado contra ela mesma e aí ? eu costumo dizer que para derrubar a democracia é fácil basta votos, mas para restabelece-la só muita luta é sangue derramado.

    – Eu poderia lhes falar das influências históricas, que contribuíram para a acensão dos regimes totalitários e as guerras, o Imperialismo, ávido pela posse de colonias e matérias-primas, as reservas de mercados sofridas por aqueles que não tinham colonias, o absolutismo dos regimes políticos do seu tempo, a descrença geral no seu tempo motivada pelas crises financeiras, mas me absterei disse porque de tudo isso vocês já sabem.

    – Mas eu peço que tracem um paralelo com o que ocorreu antes e ocorre agora, vejamos a Europa amigos, assim como nos eles atenderam ao apelo da assim chamada “globalização,” ora amigos, afinal o que é isso senão um processo conduzido pelos G7 (Os mais ricos do mundo) que prega a união e igualdade entre nação (Politica, econômica e social),desde quando amigos existe a possibilidade dos ricos coexistirem com os mais pobres em harmonia, lhes digo quando o rico ficar pobre ou o pobre rico! me parece mais uma relação de poder altamente destrutiva para as culturas menos favorecidas (Como a nossa) ela esmaga o nacionalismo sadio de nossas massas, nosso processo cultural ainda em formação é corroído, nossa juventude assume os ideais universais consumistas que fazem o jogo do enriquecimento ganancioso desses poucos acionistas do mundo.

    – Voltemos a Europa amigos observem o continente em convulsão, de todos os outros continentes o que estava gozando de maior estabilidade e prosperidade ate a pouco e agora vejam a situação, em tempo de desmoronar, e goza de democracia não há um Hitler ou Mussolini a vista e a Europa estremece.

    – E o que dizer da Grécia amigos, se ha as condições propicias para uma nova ditadura a Grécia é a candidata natural mais disparada o povo esta desesperado a beira da guerra civil, os dirigentes ditos democráticos chafundam na corrupção os ricos injetam mais dinheiro na corrupção em conluio com os corruptos para que o pais, comprometa o seu futuro com dividas que fara o deleite dos acionistas do FMI e quando ameaçam não pagar são ameaçados com embargo econômico, eu pergunto isso é politica internacional ou máfia internacional, a especulação mundial destoe a possibilidade de um futuro digno dos mais fracos.

    – E quando as consequências forem contra seus interesses, só lhes restará comprar e manipular a história oficial, atribuindo a loucura alheia o resultado de sua ganancia infinita.

    – Sou defensor da democracia e acredito num capitalismo sob controle mas o que está por aí não é nada disso é só ganancia, parece que a terra esta se acabando e os ricos correram para lotear os melhores pedaços para si.

    Apesar de tudo isso desejo para vocês e os seus : a vitoria da esperança,da paz e continua prosperidade, e que se alguém ainda não foi tocado pelo “espirito do natal” que abra seu coração pois com certeza ele virá, sigamos juntos adiante.

  7. Francisco Bendl
    23/11/2011 às 11:46 AM

    Salve, Moriarty.
    Agrada-me ler que tu entendeste o que eu quis dizer, ao traçar um paralelo entre os acontecimentos que antecederam a guerra com o nosso atual estágio (brasileiro) político e social.
    Se não temos a repressão que o nazismo fez contra o seu próprio povo, através dos camisas pardas e depois com os camisas negras, temos uma amordaçamento popular feito com bandeiras vermelhas e estrelas douradas no centro!
    A forma de se divulgar o partido, que está acima de todos, mesmo cometendo erros imperdoáveis, desonestidades à toda prova, uma ganância desmesurada pelo poder, artifícios que conduzem a população contra a população, verbas bilionárias gastas em propaganda enganosa, mas a vida carente em saúde, educação e segurança, o tripé fundamental e da responsabilidade exclusiva dos governos, essas tarefas são literalmente abandonadas!
    No entanto, as reuniões do partido são exatamente iguais às manifestadas pelo nazismo: estandartes, bandeiras, aplausos irrestritos aos líderes, culto ao sectarismo.
    Substitui-se a falta de trabalho pela esmola de uma bolsa com alimentos básicos por um dia; troca-se a dignidade de uma pessoa pelo paternalismo do governo na manutenção de votos que o mantenham no poder.
    Como é fácil manipular o povo brasileiro, que carece de estudos, educação, formação cultural!
    Enquanto isso, vivemos na maior crise moral e ética que este país já viu!
    Político virou sinônimo de desonesto, salafrário, mau caráter!
    Os Poderes constitucionais são abalados por escãndalos quase diários, a ponto de na nossa Suprema Corte, o órgão máximo de justiça deste país, ministros se acusarem mutuamente de terem capangas à disposição! Lembram o episódio dos ministros Barbosa e Gilmar Mendes?
    Um fiasco sem precedentes!
    O Poder Legislativo não poderia estar em pior situação em conceitos que o povo tem dele; O Executivo pela sua falta escancarada de competência, eficácia, eficiência, honestidade e propósito!
    Não importam os integrantes, o importante é reunir membros de qualquer partido político e transformar este agrupamento em “base aliada”, uma excrescência à independência partidária e um escárnio á população que votou no candidato que se mostrava pertencente a uma agremiação.
    Os fins justificam os meios, assim agem os poderes totalitários.
    Enfim, precisamos estar atentos.
    Espaços como esses devem ser enaltecidos, pois podemos opinar sem censura prévia; podemos dizer o que pensamos; podemos manifestar nosso descontentamento com os rumos que o país adotou.
    Pelo menos temos à mão um instrumento contundente: o registro público que não somos alienados, e que não permitiremos passivamente que usurpem e violentem este país e povo porque algumas pessoas estão tendo a coragem de denunciar esses desmandos, esses descabimentos, este legítimo golpe contra a nação brasileira!
    O silêncio popular e o medo que se instalaram nos povos italiano e alemão os levaram
    à guerra, à destruição, às perdas incalculáveis em vidas e bens materiais.
    Pois a nossa política externa tem sido o reflexo dos equívocos que o governo comete internamente ou já esquecemos das fotos do Lula com Kadafi, quando o chamou de meu irmão?!
    E a aproximação com o Irã, o maluco do Ahmadinejad?!
    E por que não nos impomos com o idiota do Evo Morales, quando nacionalizou as usinas da Petrobrás, na Bolívia?
    E por que esta intimidade com o bravateiro do Chaves, que empobreceu a Venezuela?
    E por que esta procissão permanente de idas a Cuba, no beija-mão a um ditador sanguinário, que arrasou aquela bela ilha caribenha com a sua violência contra os cubanos, instuituindo o famoso “paredón”, onde matou milhares de pessoas que protestaram contra o seu regime de força?
    Este é o Brasil que queremos, que aplaudimos, que apoiamos?
    Por favor!
    No mínimo precisamos ser mais responsáveis, nem que seja com a nossa pátria!

  8. Moriarty
    24/11/2011 às 1:41 AM

    – Sim caro amigo nosso país é enorme temos quase tudo o que precisamos aqui mesmo e o pouco do que precisamos podemos comercializar sem nos comprometer com a política de nenhum país estrangeiro.

    – podemos ser politicamente fortes pois podemos tomar a liderança politica na América latina, com uma política consciente voltada para o fortalecimento da democracia, dos direitos humanos e para a melhoria de vida dos cidadãos Latinos Americanos.

    – Podemos melhorar o conceito de Mercosu, aproveitando as boas experiencias e evitando as erradas, fortalecer e incentivar as industrias nacionais afim de que liderassem esse processo.

    – Mas para alcançar tudo isso, é como já postei ao amigo Chico, é preciso menos politicagem eleitoreira, menos investimentos em bolsas família por exemplo e tudo (Veja bem eu disse tudo) para a educação (Somente com uma educação de qualidade pagaremos nossa divida com o passado e futuro de país maravilhoso que termos), que desmentiria qualquer candidato a Hitler que subisse num púlpito, prometendo melhorar nossa vida através da conquista de espaço vital, aonde teríamos matérias-primas em abundância e espaço para realocar população excedente, não precisamos de nada disso temos Oito milhões e meio de espaço vital só nosso para usufruirmos, com poucos quinhentos anos de uso caro F.

    – Mas assistimos passivos nossos lideres no seu entendimento de politica interior, (Bolsa Família) e exterior, nos transformarmos numa vitrine para estrangeiros ver na copa do mundo, nas Olimpíadas, copa das confederações e o que mais conseguirem para mostrar o único pais do futuro que não tem presente nem passado, e desses eventos a organização é toda estrangeira de tal maneira que nós não participaremos em nada e no final eles privatizaram os lucros para si (Fifa) e socializaram o prejuízo com nosso povo.

    – Quanto a nossa liderança o que dizer ? qual a esperança que podemos depositar em pessoas que se vendem? quanto a nosso povo como ignorantes podem reagir ?

    – Para nós o caminho da excelência caro F. continua uma incógnita !

    “Espero que não para nós, que continuemos nele de cabeça erguida amigos” !

  9. 12/09/2013 às 1:02 PM

    Concordo em numero,genero e grau com este fabuloso pensante, consciente e realista, mas o amadurecimento de um ser humana leva no minimo 1000 encarnações, porisso a letargia, itiotice e ignorancia, propria de espiritos novos e fica presa facil para os larápios, falseadores, picaretas, mentirosos, demagogos, populistas, sarafrario e muito mais.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: