Anúncios

Arquivo

Archive for dezembro \31\UTC 2011

Os Melhores Posts de 2011 – FIM de ANO!

 Caros Amigos,

  Lançamos esse BLOG “oficialmente” há um ano. E com muita satisfação estamos fechando o ano com mais 250 mil acessos e com expectativa de continuar o trabalho e atingir 1 milhão de acessos em 2012.  Como vocês perceberam esse espaço foi construído exclusivamente para despertar o interesse pela História da Segunda Guerra e outros assuntos históricos, segundo uma visão neutra, como tem que ser a análise histórica, sem se deixar levar por tendências ideológicas e políticas, buscando esclarecer os fatos simplesmente como eles devem ser vistos, com a análise histórica e nunca tendenciosa. Nosso público tem entendido essa missão. Recebo algumas dezenas de email diários de pessoas de várias correntes, e isso é o que mantem esse BLOG vivo. Não temos a pretensão de ser ou ter o melhor conteúdo da web para esse segmento, mas trabalhamos para divulgar a história e também atuamos como colaborador em outros blogs e sites com esse mesmo objetivo.

 Não poderia deixar de citar os nossos colaboradores que tem sido um dos pilares de sustentação desse blog e, particularmente tem me agraciado com novos amigos que sempre colaboram com fornecendo informações e conteúdo e até mesmo melhorando a qualidade das publicações. São alguns:

 Rigoberto Souza Júnior: Amigo e pesquisador tem nos nos ajudado, e a qualidade do nosso blog cresceu consideravelmente com seu direcionamento bibliográfico e sua colaboração.

Alessandro Santos: Amigo e Mestre proporcionou uma pesquisa histórica profunda que enriqueceu nosso conteúdo.

Pessoal da WebKits: Os comentários não aparecem aqui no blog apenas no portal do WK, mas a qualidade com que eles abordam as postagens tem me ajudado a abrir mais ainda a perspectiva histórica do que é publicado.

Comunidades do Orkut: algumas comunidades que getilmente me cederam espaço para colocar os links do blog ajudaram enormemente na divulgação do espaço.

Comunidade da Segunda Guerra no Facebook:  está crescendo, mas já é um espaço excelente, já que lá tem muita gente boa e que entende do assunto.

Vários outros BLOGS: vários blogs que colocaram o BLOG CHICO MIRANDA com links diretos.

A TODOS OS COMENTARISTAS DO BLOG: infelizmente não tenho condições de citar todos, pois foram 1.783 comentários e quase 400 pessoas que comentaram, mas vou citar os três mais atuantes: Francisco Bendl (um irmão de Braçal e amigo que encontrei no sul do país e com conhecimento de causa no assunto), Mauro Moriarty(com seus comentários sempre lúcidos e coerentes) e Washington Jadum de Campos (O mais antigo e atuante comentarista). A TODOS Vocês Obrigado.

 E não poderia deixar de citar dois Ex-Combatentes e amigos: Rigoberto Souza e Major Archias, dois guerreiros que estão em minhas orações para que em 2012 continuem à frente da ANVFEB-PE, com o mesmo vigor e saúde com que combateram os exércitos da Alemanha na Itália.

 E para finalizar gostaria de encerra agradecendo mais uma vez pela confiança depositada de TODOS vocês, e que o nosso Único e Soberano Senhor Deus, esteja entre nós, segundo o seu amor e benegnidade que é eterna e sua misericórdia que dura para sempre.

CHICO MIRANDA

Segue os Melhores POSTS de 2011:

Os Motivos da Segunda Guerra Mundial

Segunda Guerra EM CORES – Aviões Bombardeiros
Quem foi o maior Articular Militar da Segunda Guerra Mundial? (MESMO SENDO UMA ENQUETE TEVE COMENTÁRIOS DIGNOS DE POST)
Desastre em DIEPPE – O Dia D que fracassou!
Hitler era mesmo o vilão?
Melhores Fotos da Segunda Guerra Mundial
Soldados Brasileiros de Hitler
Piloto Russo abatido em 1942
Revisando Hitler
O Brasileiro é Acima de Tudo Um Forte – O Legado da FEB
Os Alemães Também Tinham Humor na Guerra!
Wehrmacht – Uma Força Formidável
A Propaganda Vermelha – Cartazes Russos 1941
Cartunismo de Guerra – A Propaganda Engraçada
Kamikazes – A História dos Ataques Suicidas
Marechal de Campo Erwin Rommel – A Raposa do Deserto – O Suicídio.
Três Heróis Brasileiros
Revisionismo – É preciso ter cuidado!
Um Verdadeiro Soldado Brasileiro – Rigoberto de Souza
Memórias de um Soldado de Hitler
Uma “Via Sacra” Diferente! – Memórias de um Soldado Brasileiro
Zinaida e Seu Passado de Interrogatórios na URSS
Crônica de um Pernambucano

FELIZ 2012!

Anúncios

Todos os Uniformes do Exército Vermelho na Segunda Guerra – Parte I

Uma série sobre os uniformes utilizados pelos camaradas do Exército Vermlho durante a Segunda Guerra Mundial. Alguns deles foram utilizados apenas na primeira fase da guerra, e passando por uma reformulação na fase ofensiva.

Fonte: Trinixy.ru

Equilíbrio para Analisar a Segunda Guerra

Qualquer coisa em nossa vida deve ser pautado pelo equilíbrio…Essa é uma frase bastante simples, e envolto de uma serenidade quase patriarcal, que de pronto é totalmente aceita por qualquer pessoa, mesmo que com pouca instrução. Mas infelizmente a prática é algo difícil de conseguir, principalmente no que se refere a ideologias, concepções políticas e tantos outros assuntos que colocam homens cultos, estudiosos e pesquisadores em percepções opositoras. Os defensores da ideologia comunista, em sua maioria, colocam o socialismo como o mais perfeito sistema de governo, no lado oposto os idealistas do capitalismo não vêm sentido e descartam qualquer tipo de percepção que venha dessa fonte; assim como muitos outros, até os dias atuais, adeptos do Social Nacionalismo, reivindicam feitos maravilhosos de Hitler na Segunda Guerra e negam veementemente qualquer tipo de ato cruel dos nazistas, conclamando que tudo faz parte da propaganda dos vencedores no pós-conflito.

No final das contas todos estão errados; no final das contas o que deve ser pautado é o equilíbrio determinado no início desse texto. Pensar que não existem sistema políticos, ideologia ou qualquer outra coisa que seja perfeito, principalmente em se tratando de algo tão abrangente como formas de governo. O que temos que entender é que nossas crenças em sistemas políticos, não devem nos cegar para entender que a imperfeição está na natureza humana e em tudo que o homem faz.

A exemplo das fotos abaixo, que mostram o que o povo americano fez quando sua produção de guerra transformou o mundo e consolidou os EUA como potência mundial, ditando sua influência em países que passaram a consumir ferozmente a cultura americana nos anos pós-guerra, e com isso destruiu culturas e deixou seus tentáculos por décadas. Mas isso não tira, de fato algum, o sacrifício dos milhares de jovens americanos que lutaram heroicamente pelo seu país. Certo ou errado, para o bem ou para mal, eles lutaram e venceram; se a bomba de Hiroshima foi certo ou errado, se os bombardeios sobre a Alemanha foram criminosos ou não! Isso não importa! Pois qualquer outro país poderia ter feito o mesmo, qualquer sistema político ideologicamente formado poderia ter feito o mesmo, pois no final das contas o que conta é o equilíbrio que quem analisa o passado, nós!

 Só para concluir: Não só americanista, nem socialista ou fascista, muito menos nazista…Sou Historiador!

Fonte das Fotos: Revista TIME

Como o inimigo semeia a morte!

Artigo enviado pelo Pesquisador Rigoberto Souza Júnior sobre o comportamento dos alemães durante a campanha da Itália. Agradecemos mais uma vez a inestimável colaboração.

__________

Crônica de Ruben Braga, correspondente do “Diário Carioca” – Fevereiro de 1945

             Pode acontecer, por exemplo, o seguinte: você se esconde atrás de um arbusto e, naturalmente apoiará sua mão em um galho. Há um fio de arame ligado a este galho. Este arame aciona uma ignição, tipo zz-42, que é um tipo de espoleta alemã tão popular que já existe um “jeep” nosso com este nome. O resultado é uma detonação de 3 cargas explosivas que estão escondidas de baixo de monte de pedras ali, pertinho do arbusto, e em vista disso, você sai deste mundo para outro – provavelmente melhor – pois não acredito que seja muito pior.

            Coisas semelhantes podem acontecer se, descendo um morro, você tropeça em um fio qualquer ou, abre uma porta inadvertidamente ou, se abaixa para apanhar um capacete nazista que pensa em levar como “ricordo” para o brasil e pendurar na parede da sala de visitas. Os homens do Pelotão de Minas de nossa Infantaria, ou das seções de nossa Engenharia já conhecem estas coisas, e sabem que não basta plantar minas para o inimigo nem colher as que o inimigo planta. É preciso prever a necessidade de você mesmo ter de retirar as minas que lançou. É para isso que se faz a “amarração” dos campos minados, isto é: marca-se direitinho o lugar em que a mina está enterrada: a 3 metros naquele pau de cerca da direção precisa daquele tronco de oliveira. As outras minas são dispostas em relação àquela, formando figuras geométricas, pois assim fica mais fácil de localizar as minas enterradas, quando, no lugar de temer um ataque inimigo os nossos homens é que tarão de avançar.

            E, agora uma coisa importante: os mineiros alemães não estão fazendo isso. Nossos homens já tem colhido uma safra abundante de minas alemãs e italianas, desde as grandes “telerminen” que destroem tanques de guerra, até as pequenas “schulterminen”, que arrancam o pé de quem a pisa. E essas minas alemãs estão semeadas sem nenhuma  ordem ou simetria, o que se deduz daí com muita probabilidade é que o alemão não pretende voltar pelas estradas por onde se retirou.

            Certamente o nosso comando sempre prevê a hipótese de um ataque ou um golpe de mão do adversário, mas de um modo geral o nazista sabe que não voltará.. Lenta ou apressadamente, do sul para o norte, do ocidente para o oriente, o alemão recua – e sabe que não voltará. Chegará um dia, talvez próximo, em que ele não terá mais para onde ir a não ser para o inferno.

            Sim, este soldado alemão desta guerra está condenado – mas o fascismo pode voltar, e estamos chegando ao momento de decidir este problema: fazer com que o nazista não volte – com este nome, ou com qualquer outro nome, na Alemanha ou fora dela. Ele pode brotar outra vez do chão – na Europa ou na Ásia, ou também na América. E que ninguém se iluda: acabar com as injustiças nacionais e sociais que são o caldo da cultura do fascismo e das guerras, será uma grande luta do povo, e uma luta mais dura ainda. Mas, creio que vale a pena lutá-la, pela mesma razão que vale apena lutar esta guerra de hoje.

            Tenho um filho. É ainda um menino – tem muitos caminhos a andar no mundo, e não pretendo que ele sempre ande por estradas de rosas, como um pequeno vagabundo no Reino da Felicidade, mas eu pretendo que ele nunca precise andar pelos caminhos que os Pracinhas Brasileiros estão trilhando hoje.

            A terra não foi feita para plantar minas: mas essa terra dos homens, em que se plantando dar-se-á nela tudo. Essas lavouras do futuro que meu filho e vosso filho vão colher amanhã – nós é que semearemos agora.

 

            Fonte: “Scatoletas da Itália” – a BBC e as Forças Brasileiras – 1944-1945

            P.S.: Scatoletas era como os italianos chamavam as caixas de ração que os soldados                  recebiam diariamente.

Afrika Corps – Um Front Miserável!

Rommel desembarcou em Trípoli em 12 de fevereiro 1941. Dois dias depois, acontece o primeiro confronto em Norfilia, onde tropas britânicas e alemãs se cruzam durante manobras de reconhecimento ao longo da estrada costeira de Sirte. Mesmo com os alemães acumulando forças, os britânicos são forçados a enviar quatro divisões para a Grécia, para ajudar na defesa do país. Isso enfraquece seriamente a força britânica e, 24 de março, o Afrika Korps captura El Agheila. Uma semana depois, outro ataque a Mersa e Brega é o prenúncio de um avanço alemão que iria colocar um Exército inteiro com a fama de indestrutível e fazer de seu comandante um dos generais mais lembrados de todos os tempos.  Mas depois de avanços e vitórias, a Afrika Corps sofre sem apoio logístico e vai perdendo os territórios conquistados até Rommel ser chamado de volta para a Alemanha e, consequentemente no dia 12 de maio 1943, as forças alemães restantes na África se rendem aos Aliados.

Uma Visão Diferente das Bombas Atômicas!

 Um relatório logo após a Segunda Guerra foi levantado para qualificar e tipificar os impactos destrutivos relacionados as duas bombas atômicas utilizadas contra Japão. O que temos é um acervo fotográfico diferenciado sobre a visão, diga-se de passagem, bem americana de explicar a utilização da Little Boy e da Fat Man. Contudo é um registro histórico importante para entender o nível de destruição dessas infelizes cidades.

Mapa que mostra as áreas atingindas pela bomba - Hiroshima, Honshu. JAPÃO

Área de extensão a ser estudada -Nagasaki, Kyushu, Japão

Vista aérea de Hiroshima antes da eclosão mostrando a alta densidade de área construída.

A explosão da bomba atômica sobre Nagasaki, tomadas de cerca de 10km de distância. A altura do topo da nuvem é de cerca de 40 mil pés.

A explosão da bomba atômica sobre Hiroshima.

Vista panorâmica de Hiroshima após a bomba.

Vista aérea de Hiroshima após a bomba.

Vista panorâmica sobre Nagasaki depois da bomba. Tomadas ao Norte de X, bloqueio sul. As fundações em forma de Y em primeiro plano estão os restos de uma prisão. , Toda essa área foi densamente cobertas de fábricas e habitações.

Vista aérea de Nagasaki depois da bomba.

Vista geral de Nagasaki tiradas de cerca de quatro quilômetros a sudeste de X. As chaminés no fundo estão localizadas na parte da fábrica de Aço Mitsubishi, onde tinha uma produção de armas. As colinas em primeiro plano, eram em grande parte do setor empresarial e residencial e sofreram todos os efeitos da explosão da bomba. Percebe-se a construção residencial típica japonesa, composta de casas de quadro leve, com telhados de telha, com as encostas sendo cultivadas e habitadas quase até o topo.

habitações precárias com estruturas de madeira.

Outro ponto de habitações tipicamente japonesas.

Vista aérea de Nagasaki. X é apenas a nordeste do estádio que estaria visível na parte superior direita da fotografia. Os principais alvos foram os Mltsubishi-Urakami (Construção de Torpedos) no canto superior da imagem, e do Aços Mitsubishi : que se espalha ao longo da margem leste do rio Uratami, na parte central do da imagem. Note como o vale industrial se estendia nas colinas que iriam protege-los juntamente com a área residencial da cidade (lado direito da imagem) de todos os efeitos da explosão.

Visão panorâmica geral de Hiroshima após a bomba. Esta imagem mostra a devastação a partir de X para um ponto cerca de 0,4 quilômetros ao sul de X.

Visão panorâmica geral da Faculdade de Medicina e Hospital de Nagasaki, olhando para o sudeste. Em primeiro plano, no sopé da colina em que a Escola de Medicina está localizada, a dupla pista da malha ferroviária para os edifícios do hospital pode ser observado. Praticamente não houve danos nos trilhos em si, mas os fios dos vagões foram derrubados e as pistas cobertas de escombros. Toda a área mostrada, neste quadro, era coberta com edifícios industriais e residências. No fundo, o escombros da Aços Mitsubishi podem ser vistos. Note que a edifícios de concreto reforçado ainda estão de pé em meio a destroços de edifícios com estrutura de aço. Nos edifícios e escola no sopé das colinas no fundo, as portas e janelas foram danificados pela explosão.

Vista da Área Militar de Hiroshima. Esta visão permite observar a destruição quase total do armazenamento de munições e edifícios administrativos localizados na seção nordeste da área militar.

Vista aérea de Hiroshima após a bomba.

Vista aérea olhando diretamente para baixo em X, em Hiroshima, mostrando a área alvo totalmente devastada, exceto os edifícios de concreto. Tetos e pisos intermediários desabaram sobre cinco destes edifícios deixando as paredes exteriores parcialmente em pé, As manchas escuras nos telhados de outros prédios são depressões formadas pela distorção da estrutura do telhado.

Vista aérea de Hiroshima, olhando para baixo em X que está no centro da imagem.

Olhando para o leste a partir de X. O tronco de uma pequena árvore de pé em primeiro plano indica que a força da explosão foi mais baixa nesta área.

O sul da área devastada de X em Hiroshima. O colapso Hiroshima edifícios da Companhia de Gás pode ser visto à esquerda da imagem. O edifício da Companhia Elétrica a 0,4 quilômetros de X, pode ser visto no fundo.

Área comercial a 700 pés oeste de X em Hiroshima. A torre de aço em primeiro plano entrou em colapso na direção da explosão. Os monumentos no cemitério não foram derrubados porque a pressão explosão foi menor nesta área.

O sul da área devastada de X em Hiroshima. O colapso Hiroshima edifícios da Companhia de Gás pode ser visto à esquerda da imagem. O edifício da Companhia Elétrica a 0,4 quilômetros de X, pode ser visto no fundo.

Concreto reforçado a noroeste de X. A laje do telhado de concreto foi apoiada por vigas de concreto, mesmo com as vigas do interior danificadas, suportou o teto para ela se mantivesse, como mostrado. Todo o parapeito da parede foi demolido.

Em Hiroshima, mostra flash de queimaduras no lado voltado para a explosão. Os dois pequenos edifícios em segundo plano foram construídas após a explosão.

Em Hiroshima, mostra flash de queimaduras no lado voltado para a explosão. Os dois pequenos edifícios em segundo plano foram construídas após a explosão.

O soldado está apontando na direção X. As superfícies da pedra à direita estão ásperas pela explosão, enquanto as superfícies escuras à esquerda continuam uma superfície polida.

Este ângulo da base do monumento mostrado na foto anterior. Figura mostra a superfície áspera da pedra em um canto exposto à explosão.

 

Eles Filmaram e Fotografaram a Segunda Guerra – Parte II

Não temos como negar que a Segunda Guerra foi maior e o primeiro grande conflito a ser coberto e registrado totalmente. Isso possibilita-nos, hoje, ver as imagens desses registros e ter a noção completa dos acontecimentos. Todos esses registros foram realizados por civis e militares que chegaram a frente de combate com suas câmaras fotográficas e filmadoras para registrar os momentos das batalhas, a vida dos soldados, as campanhas, as vitórias e até as derrotas. Uma material bastante generoso que possibilita a criação desse BLOG e outras de mídias que utilizam-se desses registros para lembrar a humanidade uma história que não poderá se repetir nunca mais.

Este slideshow necessita de JavaScript.

%d blogueiros gostam disto: