Início > Guerras, História > Embarque da Força Expedicionária Brasileira

Embarque da Força Expedicionária Brasileira


Artigo enviado pelo pesquisador Rigoberto Souza Júnior.

O embarque da FEB se processou da seguinte maneira:1º Escalão, embarcado no Porto do Rio de Janeiro em 02/07/1944 e desembarcado em Nápoles, no dia 16/07/1944, com um efetivo de 5.075 homens, inclusive 304 oficiais; 2º e 3º escalões, embarcados em 22/09/1944, com um efetivo de 10.375 homens, inclusive 686 oficiais; 4º escalão, embarcado em 23/11/1944, com um efetivo de 4.691 homens, inclusive 285 oficiais e 5º e último escalão, embarcado em 08/02/1945 e desembarcado em 22/02/1945, com um efetivo de 5.082 homens, inclusive 247 oficiais.

            Foram ainda transportados por via aérea, 44 médicos e 67 enfermeiras, totalizando 25.334 participantes da Campanha da Itália.

            Considerando a possibilidade de ataques por submarinos alemães, a travessia do Atlântico e do Mediterrâneo, foi cercada de um rigoroso dispositivo de segurança, do qual participou também , a valorosa Marinha brasileira.

            O transporte foi feito pelos navios americanos “General Mann” e “General Meigs”, comboiados por destróiers da nossa Marinha e navios de combate americanas até o Estreito de Gilbraltar. Essa medidas de segurança foram completadas com as bombas de profundidade dos nossos destróiers, com o próprio armamento dos transportes de guerra e o contínuo funcionamento do radar e dos aviões existentes nos cruzadores americanos da escolta. Apesar de todo este aparato de segurança, eram diários os exercícios de alarme para abandono de navio e obrigatório o uso permanente de coletes salva-vidas, as regras de segurança impuseram também, o escurecimento

 do navio durante a noite.

            A partir do Estreito de Gibraltar, a escolta foi feita somente por navios americanos e ingleses, dispondo inclusive, de permanente cobertura aérea.

            A entrada do “General Mann” no mediterrâneo, se revestiu de grande solenidade, tendo o Comandante do navio, o Capitão Paul Maguire, dirigiu à FEB, uma entusiástica saudação, ao qual extraiu-se este trecho: “ Brasileiros! Sois a primeira força sul americana que deixou seu continente para combater em ultramar, com destino ao Teatro de Guerra Europeu, constituindo um novo Exército de homens livres que se vem a juntar a tantos outros na luta pela liberdade dos povos oprimidos. Quem poderá avaliar da suprema importância que podereis representar nos campos de batalha? Não a primeira vez na História, que a adição de alguns homens, em determinado setor de luta, fizesse pender definitivamente para eles o fiel da balança e os louros da vitória”.

            Em resposta assim se expressou o General mascarenhas de Morais: – “Senhor Comandante! Conduzistes as primeiras tropas terrestres sul americanas através do Atlântico; ides fazê-las penetrar no Mediterrâneo e depois entregá-las ao Teatro de Guerra no Sul da Europa. A minha Pátria está vivendo assim, o ciclo da grande e gloriosa Pátria de Washington. Colonizados e vitalizados pela civilização europeia, somos as Nações do Hemisfério Ocidental mais identificadas na defesa do patrimônio da Humanidade em terras americanas e, em muito em breve, nos campos de batalha da Europa. E esta identidade de destino de dois povos unidos por tão alevantada aliança, traduz-se no entrelaçamento de nossa bandeiras no Mediterrâneo, no próprio berço da civilização cristã, que hoje engrandece os Estados Unidos e o Brasil. Unidos na América e sobre as águas do Atlântico, seremos na Europa também irmãos do mesmo ideal”.

            A primeira missão da Marinha Brasileira chegara ao fim comboiando o 1º Escalão até o Estreito de Gibraltar. Nesta ocasião o General Mascarenhas de Morais transmitiu a seguinte mensagem telegráfica ao Capitão de Mar e Guerra Antônio Alves de Câmara Júnior, Comandante da Frota brasileira: “ – Em nome dos brasileiros que partem para a linha de frente, a fim de continuar o glorioso trabalho de nossa Marinha na defesa de nossa soberania, apresento minhas despedidas: gratíssimo pela vossa proteção contra os submarinos”.

            Em seguida, recebeu o General Mascarenhas de Morais a seguinte resposta: “Os representantes da Marinha do Brasil tiveram a grande honra em comboiar vossa Forças e fazem votos de todo o sucesso para maior glória das Armas brasileiras.”

            Em todos os escalões, estabeleceu-se as mesmas medidas de segurança durante a viagem

marítima.

O Transporte

Anúncios
  1. 17/03/2012 às 4:56 PM

    Thank you for inviting me to see your blog and visiting mine. I see that we both use a good deal of pictures in telling the story. I am not familiar with Portugese, but I was able to recognize enough words to get the general idea in your writings. We must continue to record the true histories of our countries in order for those in the future, do not keep on making the mistakes that we have

    Clyde McDonnell

    • 17/03/2012 às 8:53 PM

      It’s True! This is the objective! Thanks again for visiting. I’m putting a permanent link to your blog.

  2. 19/07/2012 às 11:56 AM

    Fazer correção de nome: https://chicomiranda.wordpress.com/2012/03/10/

    Caro Francisco Miranda, excelente teu trabalho, magnífico. Lendo uma das páginas, essa do link acima, consta um erro de nome: O Veterano da FEB, Tenente Miguel Pereira(falecido em 03 de fevereiro de 2003), cuidou do Cemitério Votivo Militar de Pistóia até essa data e posteriormente essa função ficou sob os cuidados do filho dele cujo nome não é Manoel como citas e sim Mário Pereira com o qual me comuniquei hoje por e-mail. Os lapsos acontecem. Obrigado, Ivo Kretzer – Secretário Executivo da ANVFEB – Seção Regional de Jaraguá do Sul, Santa Catarina. Obrigado e Parabéns. 19/07/2012.

    • 19/07/2012 às 7:07 PM

      Caro Amigo Ivo,

      Obrigado pela correção, evidentemente estamos sujeitos a incorreções.

      Chico Miranda – ANVFEB-PE

  3. Andrew Hawker
    11/05/2014 às 2:39 PM

    Bom dia,
    Ouvi dizer que no momento do embarque (acho que fui falado que era no Salvador de Bahia) alguns soldados pularam do navio, querendo voltar para casa.
    Nao consigo encontrar informaçoes sobre isso. Poderia mi dizer se é verdade e – se for – donde posso saber mais sobre o assunto?
    Muchas gracias,
    Andrew Hawker

    • 14/05/2014 às 5:18 PM

      No momento do embarque não. Houve casos isolados durante o percurso. Irei buscar a fonte biográfica e repasso.

  4. ELEUTERIO LANGOWSKI
    28/11/2014 às 9:13 AM

    Meu caro: na foto cujo link é https://chicomiranda.files.wordpress.com/2012/03/48.jpg?w=595 está legendada como embarque dos soldados brasileiros no porto do Rio de Janeiro com destino à Itália. Na realidade, trata-se do embarque dos soldados nas barcaças, no transbordo do navio, lá no porto de Nápoles, com destino a Livorno. Note, ao fundo, o Castelnuovo, o qual se localiza justamente no entorno do local do desembarque dos soldados em Nápoles. Abraços.

    • 28/11/2014 às 11:19 AM

      Obrigado pelas informações,

      O acervo pertence a ANVFEB-PE e vamos informar.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: