Início > Guerras, História > O Guardião de Pistóia

O Guardião de Pistóia


 Belissíma crônica escrita pelo exímio Paulo Afonso Paiva. Minhas recomendações e meus agradecimentos a História do nosso País. Se nosso Brasil tivesse mais consciência histórica talvez a honra e o respeito de nossa gente fosse diferente.

_________________

    O  GUARDIÃO

       Paulo Afonso Paiva

              No dia 3 de maio de 1945 os sinos na Itália tocaram a manhã toda: a guerra acabou, a guerra acabou… Enquanto aguardavam transporte para o Brasil, os soldados ficaram encarregados da segurança em Turim e outras cidades próximas. Um pracinha foi chamado ao Comando:

              – Sargento, você vai ficar tomando conta do nosso Cemitério em Pistóia. Em breve, será substituído.

     Assim, todas as manhãs ele içava a bandeira do Brasil às oito da manhã e a arriava ao pôr-do-sol, dia após dia. Após dobrar a bandeira com todo cuidado, segurava-a na mão esquerda, colocava a boina na cabeça e ficava ereto. Bradava em voz alta:

    – Cerimonial sentido! Em continência, um !

           Após três segundos, outra ordem:

           – Dois!

          Fazia uma meia-volta e dirigia outro brado, desta vez para o vazio:

         – Boa noite!

  Passou-se o tempo e veio a notícia: seu serviço fora ampliado por mais cinco anos. Que agüentasse: alguém teria que tomar conta do Campo Santo. Ele ficou, mas nunca veio a substituição e a saudade de casa aumentava. Após quinze anos resolveram trasladar os restos mortais dos pracinhas para o Rio de Janeiro. Ele vibrou: iria retornar! Terminado a transferência informaram-lhe que fora designado para encarregado do Monumento Votivo em que se tornara o antigo cemitério.

         Nesse ínterim ele conheceu uma moça, e constituiu família, mas jamais esqueceu sua terra. Durante quase sessenta anos nunca deixou de hastear a bandeira no horário previsto, nem mesmo quando a neve quase que o impedia de abrir a porta do Monumento, no inverno.

         Um dia após o término da singela cerimônia, em vez de guardar a bandeira numa gaveta, como sempre fazia, levou-a para casa. Estava cansado, muito cansado. Naquela noite ao se recolher para dormir, colocou-a ao seu lado, com a boina por cima. Em algum momento acordou, ou pensou que havia acordado. Apanhou a bandeira e a boina e saiu de casa. Entretanto, alguma coisa acontecera. Não reconheceu os arredores. Estava num local com muito verde e pássaros, mesmo sendo inverno. De onde veio aquilo, perguntou a si mesmo. Depois de algum tempo notou que havia um vulto a sua frente. Soube o que tinha de fazer e o fez:

          – Sargento Miguel Pereira, da Força Expedicionária Brasileira, se apresentando. Cerimonial encerrado, boa noite!

         O vulto lhe falou de forma gentil, enquanto recebia a bandeira que lhe era oferecida:

        – Seja bem-vindo, Guardião.

        Então o homem sorriu e sentiu que finalmente voltara para casa.

Anúncios
  1. 19/03/2012 às 8:53 PM

    Ele enviou para você ou viu no Portal FEB?

    • 19/03/2012 às 9:25 PM

      Derek ele enviou email. Participei do lançamento do livro de Paiva semana passada. Se fosse do Portal teria registrado a fonte.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: