Início > Guerras, História > Série: As Maiores Snipes da Segunda Guerra

Série: As Maiores Snipes da Segunda Guerra


Notabilizando o trabalho daquelas mulheres que deixaram de lado a suposta fragilidade do sexo feminino para atuar como exemplo de resistência, frieza e, principalmente, como lideres dentro do Exército Vemelho. Não obstante aos preconceito em uma guerra que notabilizava e exaltava a fibra do Bravo Homem, as mulheres tiveram a oportunidade, pelo menos na União Soviética, de mostrar seu valor nos campos de batalha. Nada mais justo do que o reconhecimento histórico.

Lyudmila Mykhailivna Pavlichenko nasceu na cidade ucraniana de Belaya Tserkov em 12 de julho de 1916. Ela mudou-se para Kiev com sua família com apenas 14 anos. Lá, ela entrou para um clube de tiro e sendo graduada como atirador, enquanto trabalhava em um moinho na fábrica Arsenal Kiev. Em junho de 1941, com 24 anos Pavlichenko estava cursando o quarto ano de História na Universidade de Kiev, quando a Alemanha nazista começou a invasão da União Soviética. Pavlichenko estava entre as primeiras voluntárias no escritório de recrutamento, onde ela pediu para se juntar à infantaria e, posteriormente, foi atribuída a 25º Divisão do Exército Vermelho.

Em uma das batalhas, Pavlichenko substituiu o comandante do batalhão morto durante a luta e mais tarde foi ferida, mas se recusou a deixar o campo de batalha.

Tenente Pavlichenko participou de batalhas na Moldávia e Odessa. Quando os alemães tomaram controle de Odessa, sua unidade foi retirada para ser enviado para Sevastopol na Península da Criméia, onde ela lutou por mais de 08 meses. O total de mortes confirmadas durante a Segunda Guerra Mundial foi de 309, incluindo 36 snipers inimigos. Além disso, ela se tornou instrutora de snipers soviéticos até o final da guerra.

Pavlichenko iria “caçar” sozinho ou com Leonid Kutsenko – que se juntou à divisão junto com ela – todos os dias ao amanhecer deitada por horas ou dias à espera de um inimigo. Ela muitas vezes entrou em duelo com franco-atiradores alemães

Uma vez que os dois atiradores foram vistos por oficiais alemães que abriram fogo de morteiro. Leonid foi gravemente ferido e Pavlichenko conseguiu evacuá-lo do campo de batalha, mas ele não sobreviveu.

Desde então, ela lutaria ainda mais corajosamente, tomada por vingança contra o inimigo de seu falecido amigo.

Em junho de 1942, Pavlichenko foi ferida por tiros de morteiro. Por causa de seu crescente status, ela foi retirada de combate menos de um mês após se recuperar de suas feridas.

Pavlichenko foi enviado para o Canadá e os Estados Unidos para uma visita de publicidade e se tornou o primeiro cidadão soviético a ser recebido pelo presidente dos EUA Franklin Roosevelt. Mais tarde, Pavlichenko foi convidada por Eleanor Roosevelt em turnê pela América relatando suas experiências

Após a guerra, ela terminou a sua educação na Universidade de Kiev e começou uma carreira como historiadora. De 1945 a 1953, ela era assistente de pesquisa da Quartel General da Marinha Soviética. Mais tarde, ela era ativa no Comitê soviético dos Veteranos de Guerra. Pavlichenko morreu em 10 de outubro de 1974 aos 58 anos.

L. Pavlichenko encabeça a lista dos melhores 45 soviéticos Snipers Feminina da II Guerra Mundial.

Anúncios
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: