Início > Guerras, História > Guerreiro do Céu – A História da Utilização de Tropas Aerotransportadas – Parte I

Guerreiro do Céu – A História da Utilização de Tropas Aerotransportadas – Parte I


“Imagine 10 mil homens descendo dos céus, em muitos lugares. Que governante teria condições de dispor de tantos homens para a defesa, uma vez que todo o seu território seria um alvo em potencial? Quanto terror estes soldados do ar não causariam, antes que alguma forma pudesse ser reunida contra eles?” A frase não é do General MacArthur, nem de Von Manstein, nem de Zhukov. É do pacifista Benjamim Franklin (1706-1790), embaixador dos Estados Unidos na França e dos maiores inventores de seu tempo.

Já naquela época, em carta para seu amigo e também cientista Jan Ingenhousz (1730-1799), ele imaginava soldados lançados de balões. Conversa de cientista louco? Nem tanto. Duzentos anos depois, a França, o mesmo país em que Franklin escrevera essa carta, seria palco de uma operação idêntica à imaginada por ele. Na noite de 05 de junho de 1944, cerca de 12 mil homens paraquedistas das 82ª e 101ª divisões aerotransportadas saltaram atrás das linhas alemãs na Normandia. Graças às ações decisivas desses soldados na retaguarda inimiga, o contingente principal pôde desembarcar nas praias sem o risco de um contra-ataque fulminante.

Loucos Pioneiros

Mas os paraquedas não foram uma novidade de surgiu na cabeça de Franklin. As primeiras experiências com equipamentos similares datam do século 9º, Península Ibérica. Na época, a região, sob o domínio árabe, era um dos centros tecnológicos do mundo. E foi ali, em Córdoba, em 852, que Armen Firmen, uma espécie de cientista, tentou alçar voo, atirando-se no vazio do alto de uma torre. Usava apenas uma estrutura de madeira e linho. A decolagem, claro, foi um fracasso. Mas, graças ao pano, a queda foi suavizava e o audaz sofreu apenas alguns arranhões.

Quem não teve a mesma sorte foi Abbas Abn Firnas, que tentou o mesmo feito em 1178, em Constantinopla, mas acabou quebrando vários ossos e morreu. Há quem diga que foram os chineses, no século 12, os primeiros a usar essas engenhocas regularmente. No ocidente, no entanto, os primeiros esboços de paraquedas são atribuídos a Leonardo da Vinci.

Mas o primeiro teste prático do aparato foi realizado pelo inventor, humanista e tradutor croata Faust Vracic. Em 1617, ele pulou de uma torre em Veneza com um paraquedas quebrado, em vez de redondo, e autodenominou-se homo-volans  (“Homem Voador”).

O interessante pelo artefato que aparava a queda de homens só aumentou muito tempo depois, já na era iluminista. Em 1783, os irmãos Montgolfier inventaram o balão. No mesmo ano, o inventor francês Louis-Sabastién Lenormand restou o que seria o primeiro paraquedas da História moderna, um aparato de pouco mais de quatro metros diâmetro. Dez anos depois, seu compatriota Jean-Pierre Blanchard foi o primeiro homem a pular com sucesso de paraquedas de um balão, não exatamente porque quisesse, mas porque a lona se rompera.

Nessa época, Blanchard também começou a pensar num protótipo mais leve e compacto – até então, os paraquedas eram feitos com madeira e linho, e não eram dobráveis. A saída lógica foi usar a levíssima seda. Mas quem deu o salto para a fama foi André Jacques Garnerin. Em 22 de outubro de 1789, utilizando uma sede de sete metros de diâmetro, parecido com um guarda-chuva, ele pulou de uma altura de 2500 metros. O salto foi um sucesso. O novo equipamento precisava só de um ajuste, pois oscilava por não ter saída de ar no canopi (a abóbada do pano). A solução foi abrir um pequeno furo no centro, criando uma espécie escoadouro para o ar e, assim, dando estabilidade ao dispositivo.

O Paraquedas vai à Guerra

Durante o século 19, várias melhorias foram implementadas, como os arreios (1887) e a mochila para guarda-lo nas costas (1890). Em 1912, o capitão do Exército norte-americano Albert Berry saltou pela primeira vez de uma avião – outro invento ainda em pleno desenvolvimento. Nascia aí uma parceria entre os paraquedas e as Forças Armadas.

A primeira ocasião em que ele teve uso militar foi na Primeira Guerra Mundial. Naquela época, especialmente na fase inicial do conflito, os correções para os tiros de artilharia ficavam a cargo de observadores instalados em balões. “Eles eram essenciais para direcionar o trabalho dos canhões, e ambos os lados sabiam disso. Tornou-se comum enviar esquadrilhas de caças para abater esses balões e ‘cegar’ a artilharia inimiga. Quando isso acontecia, a única forma de os observadores fugirem a tempo era pulando dos balões de paraquedas”, conta a professora especializada em História Militar Mary Kathryn Barbier, de Southern Mississippi University, dos Estados Unidos.

Se os observadores tinham a chance de salva suas vidas usando o artefato, o mesmo não podia se dizer dos pilotos. No início do conflito, em forças como a RAF, eles eram proibidos de usar o equipamento. O argumento oficial era que o paraquedas pesava demais e não era confiável. O motivo real, no entanto, escondia uma sombria tática de guerra: a chance de ser salvo roubaria do piloto a garra necessária para combater, segundo o historiador Artur G. Lee, autor do livro No Parachute: a Fight Pilot in Warld War.

A metaliade só mudou em 1917, pelo menos no lado alemão, quando o Alto Comando perceu que era mau negócio perder uma piloto treinado, apenas porque ele não tinha esse dispositivo à mão. Foi graças a uma paraquedas, aliás, que a vida de Ernst Udet, o segundo maior ás alemão do conflito, com 62 abates confirmados (atrás do Barão Vermelho, com 80), foi salvo. No dia 29 de junho de 1918, faltando apenas cinco meses para o término do conflito, de colidiu contra uma Breguet durante uma investida e conseguiu saltar. Para seu desespero, porém, o paraquedas só abriu a 75 metros do solo. O ás germânico acabou com o tornozelo fraturado, mas a sua vida estava salva. Na RAF, quando a mudança foi implementada e os guardian angels (anjos da guarda, como eram chamados os paraquedas desenvolvidos pelo engenheiro inglês R. E. Calthop) foram finalmente entregues aos pilotos, a guerra já havia praticamente acabado.

A Infantaria vem do Ar

O entre guerras foi o período de forte desenvolvimento das unidades paraquedistas. Nos Estados Unidos, o maior entusiasta foi o Brigadeiro Willy Mitchell, que conseguiu que o governo instaurasse uma fábrica de produção em Daytona. Ohio. Ali foram desenvolvidas técnicas que simplificaram o salto – como a famosa cordinha que, entrelaçada ao avião e ao equipamento, o fazia abrir instantaneamente após o salto, permitindo saltos a baixa altitude. Outros países, como União Soviética, Itália e Alemanha, também demonstraram grande entusiasmo militar pelo dispositivo. Em 1927, tropas italianas realizaram, com êxito, o primeiro salto coletivo de uma Unidade, em Milão (nascia ali o embrião da famosa divisão Folgore). Na União Soviética, o governo patrocinou vários clubes amadores de paraquedismo – e escolhia os membros promissores para servirem as forças armadas. Em 1932, já imaginando operações em larga escala, os soviéticos anunciaram a criação da primeira Brigada Paraquedista. Em 1935, Stálin fez uma demonstração de força: 6 mil paraquedistas saltaram próximos a Kiev, no primeiro salto em massa da História.

Mas foi a Alemanha, a partir de 1933, que os paraquedistas ganharam impulso –  mesmo com os alemães proibidos de ter força aérea, de acordo com o Tratado de Versalhes. Em forte intercâmbio com a União Soviética, formou-se naquele ano uma pequena unidade, a Landespolizei gruppe Berlin. Secretamente, era o primeiro grupo paraquedista alemão.

Em 1939, a unidade, agrupado junto à Flieger Division 7, já havia alcançado o status de batalhão, sob a batuta do general Kurt Student, o grande mentor desse tipo de assalto entre os nazistas. “Os alemães, mais do que ninguém, foram os grande idealizados das unidades paraquedistas, embora ela não tivesse condições operacionais de fazer nada significativo, depois da tomada de Creta”, diz a professora Mary. No entanto, a despeito das pesadas baixas, o sucesso do assalto foi tamanho que inspirou os Aliados a utilizarem suas próprias unidades em ações posteriores.

Ao final, todas as grandes potências utilizaram paraquedistas em larga escala – geralmente em ações duvidosas, que muitas vezes acabavam mal. Como artefato, a Segunda Guerra Mundial permitiu o seu aprimoramento, criando um modelo muito próximo do que é utilizado até hoje.

————

Página no Facebook:

http://www.facebook.com/BlogChicoMiranda

Comunidade no ORKUT:

http://www.orkut.com.br/ChicoMiranda

Divisão Aerotransportada Alemã na Invasão a Creta

Tropas da 101 e 82 Divisão Aerotransportada utilizadas em larga escala no Dia 05 de Junho 44.

Despedida do General Eisenhower se despede dos primeiros americanos que seriam lançados em território inimigo

Ofensiva das Ardenas colocou a prova as tropas de elite paraquedistas americanas na Segunda Guerra

Fonte: Grande Guerras – Julho/2006

Anúncios
  1. Cristian
    26/06/2012 às 11:13 PM

    Olá,tenho uma reliquia da seg guerra mundial pra vender,pertenceu a um navio nazista, meu email. Cristian@atecel.com.br

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: