Início > Guerras, História > Crônicas de Guerra – A FEB em Relatos!

Crônicas de Guerra – A FEB em Relatos!


Muito se escreveu na Itália sobre a atuação dos pracinhas brasileiros durante a Segunda Guerra Mundial. Relatos não escritos por pessoas que falavam sem conhecimento de causa, escreveram fatos e acontecimentos que presenciaram ou estiveram em contato logo após o acontecimento. Muitos destes, foram elementos chave no dispositivo da FEB ou jornalistas importante enviados para realizar a cobertura da guerra. Entres estes, podemos citar as crônicas de Rubens Braga e as do Olívio Gondim de Uzêda, jornalista do Diários Associados e Comandante do 1º Batalhão do I Regimento de Infantaria, respectivamente. Essas testemunhas escreveram importantes crônicas sobre as peculiaridades do cotidiano da campanha na Itália e que, compartilhadas, passam uma nova perspectiva da guerra, longe da visão do Alto Comando, mas a perspectiva de quem viu os combates ou de quem esteve nele, literalmente falando.

 Portanto vamos publicar, além dos dois autores citados, crônicas de outros autores que estiveram no Teatro de Operações da Itália e compartilharam para a posteridade os acontecimentos que ceifaram a vida de quase 500 brasileiros, longe de sua pátria e distante de suas famílias.

Iniciamos hoje com uma crônica do Coronel Uzêda. O Coronel é citado no livro do Marechal Lima Brayner (Recordando os Heróis), como sendo um comandante de primeira linha, que após o ataque fracassado a Monte Castello no dia 12 de dezembro, tendo seu batalhão sido substituído por um batalhão do 11º RI, não mediu esforço, quando teve que voltar a linha para reforçar o mesmo regimento, depois de um voraz contra-ataque alemão, mesmo com sua tropa exausta.  O Coronel Uzêda, por algum motivo, não fez o curso de Estado-Maior, por isso foi para reserva como Coronel, fato também citado pelo Marechal Lima Brayner.

Os Super-Homes e os Brasileiros

No silêncio da noite reboam gritos de socorro! O sentinela, atento, enrija seus músculos comprimindo fortemente a coronha do seu fuzil, e procura ouvir melhor, localizar os gritos. De repente, ouve como que um desesperado apelo: Brasiliani, brasilliani! Chama o comandante do seu posto e informa-lhe o ocorrido. Agora, já todo o posto ouve o apelo, por sinal que com voz feminina. O desejo que os domina é se largarem imediatamente na direção de onde provinha os gritos, aproximadamente a de Navechie; mas, as ordens eram positivas; não podiam abandonar seus posições, nem tão pouco transpor a linha de frente, sem autorização.

Se se ausentassem de suas posições, prejudicariam a missão de vigilância; se traspusessem a linha de frente, podiam cais sob os tiros de inquietação que fazíamos todas as noites com a nossa artilharia sobre os pontos mais importantes do inimigo. Por outro lado, esses gritos podiam ser uma armadilha. O comandante do posto, resolve, pois comunicar a Companhia, e esse com o do Batalhão.

O comandante do Batalhão informa ao da Companhia que não havia nenhum tiro de inquietação previsto para aquela direção, durante a noite; e autoriza-lhe a enviar uma patrulha de reconhecimento.

Sai a patrulha e momentos depois regressa trazendo duas crianças, uma com doze e outra com dez (anos) e uma senhora, todas três feridas; e mais duas crianças menores, uma com  4 e outra com 2 anos.

As feridas são cuidadosamente tratadas pelo valoroso médico do batalhão, o dedicado Dr. Barcelos. A senhora apresentava oito ferimentos, todos produzidos por arma de fogo disparada por trás, às crianças cada uma tinha um ferimento em uma das pernas a altura do joelho.

A senhora relata o fato: achava-se em casa quando ouve o grunir de seus porcos; abre a janela que dava para o quintal e vê animais serem arrastados por quatro soldados alemães. Indignado, grita pelos brasileiros, pois sabia que estavam bem pertos. Outros soldados alemães atiram sobre ela; as crianças gritam espavoridas; os alemães disparam contra as crianças.

Ouvem passos, os alemães fogem. São os brasileiros que chegam.

Os ferimentos são encaminhados na ambulância do Batalhão para um Hospital Civil.

As duas crianças menores ficaram no Posto de Comando do Batalhão para, afim de serem encaminhados, no dia seguinte, a um endereço que a senhora deixara.

Ao acordamos, encontramos as duas crianças agasalhadas nas roupas de lã que lhes deram oficiais do batalhão; lembramo-nos bem, que o tenente Paiva concorrera com uma “sweater”. A maior estava sentada, tomando uma boa xícara de leite e comendo pão e queijo, feliz na sua inocência. A menor não dormira nem queria comer nada: só queria a mãe. E lá vinha um, vinha outro, cada um com uma ideia a fim de distrair a criancinha e fazê-la pelo menos comer. Os super-homens tentaram matar-lhes a mãe e os irmãos. Os brasileiros sofriam por vê-los sofrer.

Fonte: Coronel Olívio Gondim de Uzêda, Crônicas de Guerra – Biblioteca do Exército – 1952

Anúncios
  1. Rigoberto Júnior
    12/08/2012 às 4:57 PM

    O soldado brasileiro é lembrado até hoje pelos italianos que viviam nas cercanias onde a FEB combatia, por sua atenção dispensada com aquele povo que sofria o terror da guerra. Muitos são os relatos emocionados, que ecoam até hoje nas memórias dos nossos verdadeiros Heróis.

  2. Luiz Claudio Pimentel
    16/08/2012 às 7:10 PM

    Excelente relato , espero ler outros tão interessantes quanto esse, parabéns pela iniciativa.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: