Início > Guerras, História > Será um Camelo ou um Brasileiro? A Chegada da FEB ao Teatro de Operações.

Será um Camelo ou um Brasileiro? A Chegada da FEB ao Teatro de Operações.


Crônica de Autoria do Coronel Uzêda relatando o desembarque e a chagada para acampamento em Pisa, onde o 2º e 3º Escalão permaneceram por mais de um mês até a ordem para entrarem na linha de combate.

Fonte: Crônicas de Guerra – Olívio Gondim de Uzêda.

Desembarcamos em Livorno, comprensados entre as malas A e B, formos levados através de um lamaçal sem fim, para uma área de reunião de caminhões, próxima do cais.

Embarcamos nos caminhões. Partimos. Atingimos uma estrada asfaltada. Destruições e mais destruições. Próximo ao Rio Arno elas se acentuam. Em todo o trajeto as crianças iam pedindo “sigarreta, cioccolatta e caramella”. Atravessamos o rio Arno num ponte provisória de vez que a primitiva fora destruída. Surge-nos à direita a característica torre inclinada de Pisa. A cidade apresenta uma parte nova e outra velha; essa é envolvida por uma muralham aquela está praticamente destruída pelos bombardeios.

Desbordamos a cidade pelo leste e nos dirigimos para oeste. Aparecem umas placas escritas: “Braziliam Expedicionary Force – Bivouac Area”, e uma seta indicando a direção.

Surgem as barracas: uma maiores, outras menores; algumas mais aperfeiçoadas, com as paredes laterais de tela e madeira, de lona no teto.

A área do nosso acampamento era, visivelmente, um magnífico parque de pinheiros. Á margem da estrada, placas marcavam o número dos Batalhões e Regimentos.

Desembarcamos na região destinada ao nosso Batalhão

As barracas alinhadas, a céu aberto, indicavam que não havia aviação inimiga;

Identificamos o acampamento. Achávamo-nos em “Tenuta de San Rossore”, o famoso parque do Rei da Itália.

As barracas maiores eram para os oficias; as menores para os praças; as especiais eram as cozinhas que, por sinal, nos foram entregues funcionando cada uma com 3 ótimos fogões à gasolina, nelas trabalhando soldados do 6º Regimento e americanos.

Ao fundo, a linha das privadas.

Existiam dois banheiros com água quente e fria para toda a área.

Tão pronto nos adaptamos, fomos alongar nosso reconhecimento. Só podíamos passear, com segurança, na área que ocupávamos e ao longo das estradas, com garantia de 3 pés à margem dessas. Tudo mais estava balizado com um cadarço branco, indicando-nos zona minada.

Entretanto, passamos a observar que nessa zona, que não podíamos penetrar, andavam uns camelos. Alguém nos informou que os colocaram ali de propósito para explodirem as minas. Seria? Na verdade, de quando em vez ouvia-se uma explosão e o nosso soldado dizia: Lá vai um camelo!

Passamos alguns dias, alguns soldados brasileiros já não respeitavam as marcas e se embrenhavam nos campos supostamente minados: distanciavam-se em busca de conquistas amorosas, de lavadeiras “de verdade”, para darem uma escapada até Pisa, para tomarem banho de mar em “Marina de Pisa”, a famosa praia dos bacanais de Mussoline.

Depois fizeram mais, penetravam nas próprias casamatas alemães para trazerem tábuas para revestirem o piso de suas barracas. E cada um se afoitava mais, embora de quando vez morresse um desses imprudentes!

E aí nos detivemos mais de um mês, adaptando-nos ao clima, à alimentação, recebendo armamento, fazendo instrução.

De quando em tempo ouvíamos uma explosão e perguntávamos a nós próprios: será um camelo ou um brasileiro?

Vista aérea acampamento San Rossore

Preparação para o acampamento

Transporte nos LCI americanos.

Grupamento do 11º RI (Acervo pessoal do Veterano Rigoberto Souza)

Anúncios
  1. www.34redbull.org
    20/08/2012 às 4:59 AM

    Complimenti per queste foto .si capisce l’inizio del percorso della feb in italia e dove finisce.vedendo la foto chè ritrae i prigionieri nazifascisti a pontescodogna,si nota in primo piano la casa bianca ,chè dovrebbe essere quella dove fù firmata la resa la mattina del 30 di aprile 1945. per mia curiosita se qualcuno lo puo confermare mi farebbe piacere,dato chè le mie informazioni mi danno che la firma ,sia del gen. Carloni,e quella di Otto Fretter Pico ,furono fatte da un’altra parte,sempre a pontescodogna.cordiali saluti francesco putorti 34 red bull italia

    • 20/08/2012 às 9:06 PM

      Grazie amico! Con le sue parole. Se qualcuno ha maggiori informazioni possono essere aggiunte

  2. 21/08/2012 às 11:42 AM

    Parabéns!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: