Início > Guerras, História > 68 anos se passaram…

68 anos se passaram…


Há 68 anos a Força Expedicionária Brasileira, entrava efetivamente na 2ª Guerra Mundial, quando o General Mark Clark, decidiu que a tropa brasileira, constituída por um Grupamento Tático, sob o Comando do General Zenóbio, ficasse subordinada ao 4º Corpo do V Exército Americano a partir do dia 13 de Setembro de 1944.

            Este Grupamento Tático foi batizado de Destacamento FEB, sendo assim constituído:

  • 6º Regimento de Infantaria
  • II/1º Regimento de Obuses Auto Rebocável (R.O.Au.R)
  • 1 Cia de Engenharia do 9º Batalhão de Engenharia
  • Pelotão da Cia de Transmissões
  • Cia de Evacuação e Pelotão de Tratamento do 1º Batalhão de Saúde
  • Pelotão da Companhia de Intendência
  • Pelotão de Polícia do Exército
  • Pelotão de Sepultamento

            Neste mesmo dia, ficou determinado que este destacamento se deslocasse para a Região de Ospedaleto(situada ao sul da cidade de Pisa), movimentação feita rapidamente, num percurso de 50 km a partir da cidade de Vada. E, ao final do dia recebeu a seguinte ordem do 4º Corpo:

–        Substituir os elementos do II/370º Regimento de Infantaria americano às 19 horas de 15 de Setembro de 1944

–        Substituir 0 434º Grupo de Artilharia Antiaérea americano às 19 do mesmo dia

–        Manter contato com o inimigo e sondar o dispositivo por meio de vigorosa ação de patrulhas

–        No caso do inimigo retirar-se, persegui-lo mediante ordem, e

–        Manter contato com a 1ª Divisão Blindada, situada à leste.

            Em consequência destas ordem o 6º regimento de Infantaria deslocou-se para Vecchiano e o II Grupo deslocou-se para Monte Bastioni, sendo que, nesta movimentação dois Batalhões do  6º RI fizeram o percurso motorizado, enquanto o III, com menos sorte o fez à pe.

            Por volta da meia noite do dia 15 para 16 de Setembro a tropa substituiu a tropa americana, que já não mantinha contato com o inimigo. A zona de Operações do Destamento FEB, se iniciava no paralelo de Vecchiano e à frente, se limitava a oeste pelo Lago de Massaciucoli(onde constantemente, grupos de soldados alemães em pequena embarcações, hostilizavam a nossa tropa) e a leste pelo Rio Serchio, no sopé dos Apeninos.

            As patrulhas lançadas no decorrer desta noite, não encontraram o inimigo, apesar de ter atingido a transversal via Bertini – Ponte Vignole, o que mostrou o pleno conhecimento da situação pelo general Mark Clark, que em seu discurso à nossa tropa, falou que os alemães não eram super-homens, tanto que já estavam aos poucos sendo batidos de suas posições, mas que seria mais salutar à nossa tropa experimentar aos poucos os combates, pois era uma tropa inexperiente.

            O Regimento Ipiranga avançou cautelosamente para o Norte com 2 Batalhões em primeiro escalão e, a inexperiência da tropa, a artilharia inimiga com seus morteiros, os campos minados e o terreno desconhecido, tornaram esta progressão bastante lenta e enervante para nossos soldados. Apesar de tudo, antes de escurecer, a Infantaria Brasileira apoderou-se da cidade de Massarosa. Neste mesmo dia, às 14:22 horas, a 1ª/II grupo de Artilharia lançou o primeiro projétil sobre o inimigo( o estojo desta projétil encontra-se no Museu de Exército).

            Nesta posição, a tropa brasileira foi informada por uma patrulha americana, que nas imediações havia uma incursão terrestre alemã, informação que foi repassada ao P.C., e para várias instalações, mas foram recebidas com displicência pelos Oficiais.

            O General Alemão Rommel, diz em suas memórias, que sua experiência adquirida durante a 1ª Guerra Mundial lhe ensinou duas coisas importantíssimas:

–        O primeiro ataque nunca é esperado por tropas inexperientes

–        Nunca repita o mesmo golpe, em um curto espaço de tempo sobre a mesma tropa.

            A Força Expedicionária Brasileira, soube superar todas as adversidades encontradas no Teatro de Operações da Itália e demonstrou que apesar de ser formada das classes mais simples de nossa sociedade, era muito valorosa, além de mostrar que o homem brasileiro tem muito brio.

            Este post é dedicado a todos os Pracinhas que lutaram na 2ª Guerra Mundial.

            “Conspira contra sua própria grandeza, o povo que não cultiva seus feitos heroicos”

Artigo enviado pelo Pesquisador Rigoberto Souza

 

 

 

 

Anúncios
  1. Eduardo
    25/09/2012 às 8:16 AM

    E ainda existem ignorantes que duvidam das missões heróicas dos nossos rapazes.

  2. Gustavo Aguiar Rocha da Silva
    14/10/2012 às 7:52 AM

    Prezado Chico Miranda:

    Minhas duas observações só se justificam porque gostei imensamente do que li.

    a) a tropa mencionada no artigo é o que foi chamado de Primeiro Escalão da FEB. Houve mais dois, o Segundo tendo partido do Rio em 17 de setembro de 1944 e dele fazia parte o 11º Regimento de Infantaria (o “Onze de São João D’el Rey”) responsável pela tomada de Montese;

    b) o monte referido no artigo se chama Monte Bastione, não Bastioni e acabou por dar nome a uma unidade de Artilharia que, até pouco tempo, era sediada em São Cristóvão,.

    Grande abraço.
    Gustavo Rocha da Silva

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: