Início > Guerras, História > O Que Fez Hitler Parar o Ataque em Dunquerquer? Parte I

O Que Fez Hitler Parar o Ataque em Dunquerquer? Parte I


Hitler, diferentemente do que os críticos possam imaginar, ele foi sim um estrategista astuto, quem afirma é ninguém menos do Linddell Hart, Oficial do Exército inglês e um dos historiadores mais respeitados do seu tempo. Considerando essa observação de Liddell, então quais os motivos que levaram Hitler a suspender a ofensiva contra as tropas britânicas e francesas em Dunquerque quando tudo convergia para o fim da Força Expedicionária Britânica juntamente com o restante do cambaleante Exército francês. Vamos debater essa situação em alguns posts. Inicialmente vou publicar a visão do historiador Liddell Hart que logo depois que acabou a guerra realizou entrevistas com os principais generais de Hitler e publicou um livro O outro lado da colina, uma fantástica e importante obra. Mas vamos para a primeira parte:

A “Ordem de Alto” diante de Dunquerque

Um dos grandes enigmas da guerra é a origem da ordem que deteve as forças blindadas alemãs às portas de Dunquerque – o último porto de fuga que restara para o Exército Britânico.

A primeira versão que tive a esse respeito, logo após a guerra, foi do ajudante de Brauchitsch (Walther von Brauchitsch – Comandante-em-Chefe da Wehrmacht), o general Siewert. Ele mostrou-se convicto de que os blindados tinham sido detidos por ordem pessoal de Hitler; contou-me também como Brauchitsch e Halder (Comandante do Alto Comando Alemão – O.K.H) se opuseram à ordem e tentaram cancelá-la – uma declaração que é confirmada pelos registros oficiais. Depois, o marechal-de-campo von Rundstedt e o general Blumentritt contaram-me suas respectivas versões de como a ordem chegou ao Grupo de Exércitos “A” – transmitidas pelo telefone pelo coronel von Greiffenberg do O.K.H., que deu a entender se contrário ao ponto de vista de Halder. Blumentritt disse que ele próprio atendeu o telefone.

Mas Churchill, em sua recente história da guerra, diz que a imobilização dos blindados “deve-se à iniciativa não de Hitler mas de Rundstedt”. Ele baseia sua conclusão no que o diário de guerra do Grupo de Exército “A” registra a respeito da discussão que teve lugar quando Hitler visitou o QG de Rundstedt em Charleville, na manhã do dia 24 de maio.

O peso que Churchill confere a esse solitário indício pode parecer um tanto excessivo ao historiador que sabe como são compilados os diários de guerra e que teve experiência com seus erros frequentes. Em geral, são conservados em dia pelos oficiais mais modernos, que não estiveram presentes às discussões cruciais, e nos períodos de grande atividade e cansaço, tanto o registro quanto sua conferência tendem a inadequados. Qualquer prova ou afirmativa precisa ser considerada cuidadosamente, se não tem o apoio de outras evidências, e mais ainda em um caso como este, em que o registro de modo algum é tão claro quanto a conclusão que Churchill extraiu dele. O sumário que fez do registro contém os seguintes pontos:

“À meia-noite do dia 23 chegaram ordens de Brauchitsch no O.K.H.,… para o último ato” da ‘batalha envolvida’

“Na manhã seguinte Hitler visitou Rundstedt, que ponderou como ele que seus blindados, que tinham ido tão longe e tão depressa, estava com o efetivo muito reduzido e precisavam de uma pausa para se reorganizar e recuperar o equilíbrio para o golpe final…Além disso, Rundstedt previu a possibilidade de ataques partindo do norte e do sul contra suas forças tão dispersas…Hitler ‘concordou inteiramente’ que o ataque a lestede Arras devia ser levado a efeito pela infantaria e que as formações móveis continuassem a manter a linha Lens-Bethune-Aire-St.Omer-Gravalines a fim de interceptar as forças inimigas sob pressão do Grupo de Exércitos ‘B’ no nordeste. Ele insistiu também na enorme importância de conservas as forças blindadas para operações futuras”.

Continua 08/11/2012

Facebook: https://www.facebook.com/BlogChicoMiranda

Anúncios
  1. 11/11/2012 às 8:04 AM

    Quando quase se completavam dois anos de guerra na Europa ocidental, o mundo foi surpreendido pela notícia de que naquela madrugada iniciara-se o ataque geral das forças armadas alemãs contra as fronteiras da União Soviética, até então neutra no conflito. Ao som ensurdecedor de mais de seis mil bocas de canhões alemães, os russos viram-se de inopino em meio ao inferno de uma guerra total. Naquele dia fatídico, Adolf Hitler ordenara a invasão e a destruição da URSS.

    • Thiago Lima
      05/01/2014 às 1:12 PM

      Alemanha só agiu assim por conta da 149 divisões escalonada em ataque a suas costas.

  2. 11/11/2012 às 2:36 PM

    À 6ª divisão aerotransportada Britânica foi dado a tarefa de ocupar as áreas a este das praias de desembarque. O estuário do rio Orne e o canal de Caen. Isto incluiu a captura e a destruição da bateria Alemã em Merville, e a apreensão, intacta, das duas pontes em Benouville, uma ponte sobre o rio Orne e a outra o canal de Caen, era vital que estas duas pontes fossem capturadas intactas para assegurar o avanço das forças aliadas vindas das praias. O Comandante da Divisão; O general Richard Vendaval decidiu enviar uma força especial de seis planadores, carregando cada um 30 homens, três planadores aterrariam na ponte do rio. Os outros três aterrariam na ponte do canal. Os homens escolhidos para esta missão foram os da companhia D, do 2º batalhão de infantaria do Oxfordshire do Buckinghampshire, junto com, coordenadores reais da companhia B e pilotos do regimento de pilotos de planadores.

  3. Prof. Mauro Moriarty
    15/11/2012 às 7:42 PM

    A interrupção do ataque a Dunquerquer é mesmo uma incognita que teria consequências extensas e negativas para a Alemanha de Hitler!

    Em primeiro lugar acho muito adequada a citação a Sir Basil Linddell Hart (Um grande historiador) eu tenho duas ou três obras dele e todas me impressionaram muito pelos detalhes e dominio tecnico dos assuntos abordados pelo autor, entre elas tenho a obra citada no texto “O outro lado da colina”.

    Quanto a questão de Dunquerque, ainda paira muita duvida sobre qual das alternativas seguir, alguns historiadores afirmam que a determinação teria partido de Hitler, ele julgava que com a vitória sobre a França seria impossivel para a Inglaterra prosseguir sozinha na guerra ela entenderia isso e estaria aberta a um acordo com Hitler, e Hitler acreditava não necessitar aniquilar a Força expedicionária Francesa e se o fizesse a indgnação e oposição a um tratado poderia crescer dentro da Inglaterra o que prejudicaria seus planos de interromper a guerra no oeste para atacar no leste.

    Outros afirmam que Goering (Ainda muito influênte junto a Hitler), Fez pessoalmente o pedido a Hitler que a Luftwaffen se encarregasse pessoalmente da operação, se o pedido foi feito ou não peirão dúvidas, mas foi mesmo a Luftwaffen quem se encarregou da operação que redundou em fracasso, (Por exemplo uma das causas alegadas era a de que as bombas lançadas por Stukas e outros, não explodiam mas afundavam na areia fofa da praia) além disso a intervenção das belonaves Inglesas protejendo os comboios, proporcionaram pesada cobertura anti-aérea.

    Sobre a opinião de Churchill é preciso que se diga que Linddell Hart, nem era amigo e tampouco aprovava as opiniões de Churchill, pois os escritos do mesmo eram de cunho politico e muito parcial, a opinião de que Rundstedt teria sido por iniciativa propria responsável por um dos maiores fracassos da Alemanha e sobrevivido tão prestigiado como foi por Hitler e a Wermacht após a campanha da França é no minimo absurda, todos os comandantes na area de Dunquerque acharam um absurdo a ordem de parar emitida pelo Alto-Comando (Incluindo Guderian), a visão estrategica de Rundstedt, era muito competente, e embora sentisse suas tropas desgastadas elas estavam em pósição de vantagem, com moral alto e prontas a fazer aquilo que se esperava delas.

    Portanto a ordem poderia mesmo ter partido de Hitler e ter cunho politico, seria um gesto de condenscendencia com um inimigo que ele julgava totalmente derrotado e que sem outra alternativa deveria aceitar um cessar fogo para continuar sobrevivendo.

  4. Thiago Lima
    05/01/2014 às 1:09 PM

    O fuher Adolf Hiler paralisou o ofensiva por três dias não foi para reagrupa e enfrenta uma força que estava fuga e que estava abandonado todos seu apetrechos pesados, não foi por isso se ele assim pretendesse ele esmagaria facilmente aquele bolsão. A causa foi politica pois a guerra foi imposta a Alemanha, o Fuher varias vezes havia proposto a a paz ao ingleses e franceses. A França aceito mais so por força da guerra a Inglaterra continuava com intento de destruir a Alemanha. O Fuher deu esta ordem para que os ingleses pudessem negociar a paz de cabeças erguidas e não negociar com uma derrota humilhante, bem mesmo se escapassem as força do bolsão para Inglaterra agora as força inglesa esta em apuros pois Hitler dominaria facilmente a Inglaterra por conseguinte ela havia abandonado todo o seu apetrecho pesado e armas individuais em Dunquerque e agora esta desarmada. Foi de fato um erro pois Hitler não levou em conta o comprometimento do criminoso marson Churchill com o judaísmo internacional e o comunismo.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: