Início > Guerras, História > O Modelo Alemão de Formar Soldado Combatente

O Modelo Alemão de Formar Soldado Combatente


Um dos pontos mais claros do Tratado de Versalhes era a referência ao tamanho do Exército Alemão, que deixava de ser um Exército e passava a ser uma força de defesa, chamado de Reichswehr. O Tratado previa uma força de 100 mil homens, sendo que 96 mil praças e 4 mil oficiais. Nesse contexto, o então comandante da Força Nacional, General von Seeckt passou a conceber uma doutrina de uma força profissional que fosse a base de um novo Exército. Esses militares seriam instrutores e formadores de combatentes em um futuro próximo.

Quando Hitler assume, já nos primeiros anos de governo, ele desconsiderou todas as imposições do Tratado e partiu para requalificar e transformar a Alemanha em potência militar, e inicia o processo de alistamento obrigatório e começa a criar as unidades militares que seriam a ponto de lança da visão expansionista do nazismo.

O treinamento desse recém formado Exército é digno de nota. Estabeleceu parâmetros e metas para a formação do soldado combatente. Cidades inteiras foram evacuadas para se transformarem em campo de instrução. A mobilização militar da Alemanha transformou um Exército de 100 mil homens para 2 milhões em pouco mais de 5 anos.

Esses centros de instruções funcionaram quase até o final da guerra, formando todo tipo de combatente. Já quando a demanda por homens treinados era evidente para a Alemanha, os centros receberam crianças, velhos e soldados não-combatentes das forças aérea e naval. Quando não havia mais o que fazer, e o fim era previsível, restava praticamente os civis lutando uniformizados, pelo menos, aqueles que ainda acreditavam em alguma coisa.

Anúncios
  1. Prof. Mauro Moriarty
    09/12/2012 às 1:30 AM

    O modelo Alemão de formação de soldados tem duas fases distintas:

    A primeira, a fase Pós-Versalhes aonde um único núcleo de 100 mil homens foi admitido como representante das forças armadas Alemãs, cuja função segundo os Aliados deveria ser mais policial e de impor alguma ordem a Alemanha derrotada, desmoralizada e com fortes tendências revolucionárias de 1918, esse papel obviamente excluía a necessidade de um Estado-maior, mais atuante, nos planos aliados, mas não nos Alemães, para Von Seeckt o futuro exercito Alemão deveria restituir a soberania e o orgulho nacional alquebrados por Versalhes e não servir apenas de instrumento de controle dos aliados dentro da Alemanha, para isso Von Seeckt organizou aquele núcleo militar que seria conhecido por “Reichwer”, aonde reuniu a nata de oficiais cuidadosamente escolhidos para o futuro Estado-Maior Alemão, com o intuito desses formarem os futuros Oficiais do futuro Exercito Alemão quando finalmente isso fosse possível, todos os preparativos transcorreram em segredo, diante das limitações impostas por Versalhes.

    Por exemplo, foi feito um forte intercambio com a URSS, visando à troca de informações e detalhes técnicos militares em comum aos dois países, a URSS desconfiava das intenções dos aliados e afastou-se deles após a guerra, aproximando-se naturalmente da Alemanha e com ela realizando pactos militares e econômicos.

    A Alemanha dessa forma tentava lentamente e discretamente se restabelecer da derrota de 1918, os preparativos caminharam lentos a fim de manterem o sigilo aos aliados, mas ao mesmo tempo eram conduzidos com muita competência por Von Seeckt, houve espaço para ideias heterodoxas que resolvessem os problemas enfrentados durante a primeira guerra mundial, com a imobilidade da guerra de trincheiras.

    Durante sua campanha para a presidência da Alemanha Hitler recebeu o apoio de parte do corpo de oficiais do Reichwer, mesmo esta organização demostrando tradição de manterem-se apolíticos e cuidando apenas dos problemas militares da nação. Isto ocorreu em face da promessa de Hitler de repudiar o tratado de Versalhes e restabelecer um exercito Alemão forte novamente.

    Após 30 de Janeiro de 1933, com a sua designação como novo Chanceler Alemão, o aumento nos efetivos do Exercito, assim como rearmamento maciço foi tornado prioridade por Hitler, muitos no exercito se regozijaram com a iniciativa, mas muitos ficaram apreensivos em submeter à máquina bélica a vontade do ditador nazista.

    Com a prioridade dada à restabelecida Wermacht Alemã, surgiram novas armas e outras foram aperfeiçoadas, elevaram-se cada vez mais as exigências nos padrões de treinamento dos soldados, a propaganda foi amplamente utilizada para mesclar a ideia de que o exercito representava as legitimas aspirações da nação e por isso merecia status elevado.

    E finalmente quando uma oportunidade surgiu de testar a eficiência de sua maquina militar Hitler a aproveitou e enviou parte do exercito Alemão disfarçado de voluntários, para lutar na guerra civil Espanhola, aonde o soldado Alemão pôde demostrar a superioridade de seu treinamento e armamento, para os futuros planos de Hitler.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: