Início > Guerras, História > Cabo Clarindo Batista Santos é um pernambucano!

Cabo Clarindo Batista Santos é um pernambucano!


 Mais  uma crônica de Rubem Braga. Desta vez ele escreve sobre a bravura de um pernambucano da cidade de Bom Conselho.

____

Clarindo Batista Santos é um pernambucano troncudo, musculoso, de pequenos dentes sadios. Nasceu em Bom Conselho, perto de Garanhuns. Em 1933 foi para São Paulo, serviu no Exército, depois esteve por dois anos na Escola da Aeronáutica do Rio, onde aprendeu enfermagem. Saindo do Exército trabalhou como empregado em várias casas comerciais do Rio. Quando a SEMTA organizou (ou, mais precisamente: promoveu) a migração de trabalhadores nordestinos para a Amazônia, Clarindo entrou para esse Serviço como enfermeiro, mas logo passou a chefe de comboio. Recrutava os voluntários no interior da Paraíba e de Pernambuco e organizava os comboios de 8 caminhões que os levavam até Fortaleza. Correu assim muitos trechos do Nordeste e chegou a ir até o Maranhão.

Mais de uma vez teve que agir com energia, pois os trabalhadores ameaçavam se revoltar, devido à desorganização do serviço que, a princípio, não providenciava alojamento nem alimentação para os homens.

Clarindo voltou para o Rio – e “arranjou para ser convocado”, entrando então para a FEB como cabo-enfermeiro de companhia. Seu pai, Manuel Santiago de Messias, vive em Palmeiras dos Índios, Estado de Alagoas.

É do Cabo Clarindo o personagem principal da narrativa abaixo:

Março, 1945

Com informações que colheu através de patrulhas, o S-2 de um Batalhão conseguiu localizar perfeitamente uma localização nazista. O capitão Arnóbio Pinto Mendonça chamou o tenente de seu pelotão de morteiros. Os morteiros 81 receberam um tipo de munição especial – grandes granadas incendiárias. O oficial de ligação de artilharia telefonou ao Tenente Lontra – e os canhões de retardo, que primeiro entraram no chão para depois explodir.

Marcou-se a hora exata. Os binóculos voltaram-se para uma igrejinha e um grupo de casas, não distante de nossas linhas. Fogo! Choveram sobre a posição 50 tiros de morteiros e 25 de artilharia. Minutos depois o fogo ardia sobre os escombros. E uma bandeira branca emergiu. Logo depois apareceu também uma bandeira vermelha. Os alemães se rendiam e pediam socorros médicos.

O Capitão Fará telefonou para o Batalhão, o Batalhão para o Regimento, o Regimento telefonou para a Divisão. Na linha de frente nossos homens olhavam a bandeira branca e a bandeira vermelha. Esperavam que aparecesse algum alemão na terra de ninguém, mas nenhuma aparecia. O fogo tinha sido suspenso. Podia ser uma cilada do inimigo.

Uma pequena discussão no PC da Companhia – mas o cabo Clarindo Batista dos Santos, enfermeiro, disse que fazia questão de ir. Já se oferecera para outras missões perigosas – e fora preterido. Que vá!

Clarindo pediu ao Tenente Cisne que, se os alemães o segurassem lá, ele varresse tudo com morteiros – não se importava de estar no meio. E sozinho, desarmado, caminhou para as linhas inimigas. Levava na mão uma bandeira de cruz vermelha.

                – “Quando cheguei lá perto, vi um alemão. Acenei para ele com a bandeirinha, dizendo para ele vir cá. O alemão deu uns passos e depois me chamou para ir lá. Eu disse para ele vir, que não tivesse paura, gritei que tinha sigaretti, mangiare. Ciocolatta, que brasiliano não matava tedesco prisioneiro não, que ele podia vir que já tinha muitos amigos deles do lado de cá. Então veio um alemãozinho. Eu conversei com em italiano e disse para dizer aos outros para virem. Não sei se ele entendeu direito. Voltou lá e eu fiquei esperando. Aí chegou um terceiro-sargento nosso que ficou comigo, não sei o nome dele. O alemãozinho voltou com um outro, parece que era sargento. Esse chegou perto de mim, levantou a mão e disse Heil Hitler. Então eu bati continência, depois apertei a mão dele… ”

                – Mas por que você apertou a mão dele, Clarindo?

                – “Sei lá, é porque esse aquele negócio de fazer Heil Hitler e eu bater continência ficou uma coisa sem jeito, então resolvi cumprimentar o homem direito. Aí o homem disse que queria vir para o nosso lado e que lá na sua posição tinha mortos e feridos. O sargento voltou com o homem e eu resolvi ir lá ver os feridos com o alemãozinho que tinha vindo antes. Eu pensava que lá só tinha feridos e mortos e queria ver para então providenciar o socorro. Mas quando eu cheguei, fio logo vendo três alemães, depois outro, depois mais outro. Eles ficaram me olhando e eu sozinho ali no meio deles. Tinha um cavando um buraco para enterrar os mortos, e outro mexendo com uma padiola. Perguntei se ele não tinham médico. Disseram que não, “niente médico”, e tinha um ferido no chão. Um deles perguntou se nós tínhamos médicos e remédios; eu disse que sim, e ele fez o sinal de vir. Mas ai eles começaram a conversar uns com os outros em alemão e me olhavam com cara feira e não sabia o que fazer. Aí eu peguei  a pá e comecei a cavar o buraco…”

                – Mas para que você foi cavar buraco?

                – “Sei lá, estava todo mundo parado, eu precisava fazer alguma coisa para ver como é que as coisas ficavam. Se eu ficasse parado, eles acabavam me prendendo ou me matando. Aí um alemão disse que eu não bisognava cavar, eu larguei a pá e resolvi botar energia. Olhei assim, e escolhi quatro alemães bem fortes e dei uns berros: “vocês quatro portare padiola! Depressa! Súbito!” Os homens me olharam admirados, mas trataram de ir segurando a padiola com o ferido, e eu os pus na frente e vim outra vez para a nossa linha. Depois eu voltei, mas aí fui com três homens, dois com fuzis, um com metralhadora…”

Anúncios
  1. Pimentel
    06/01/2013 às 1:24 AM

    Ótimo relato , CB Clarindo um homem de coragem e presença de espirito !

    • reginaldo F.S
      23/07/2015 às 10:54 PM

      Muito bom ainda e ser sobrinho do mesmo, me sinto gratificado e orgulhoso muito obrigado pelo relato e comentário que é de grande valor!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: