Início > Marinha Alemã > Almirante Graf Spee: O Nome De Uma Curiosidade Histórica!

Almirante Graf Spee: O Nome De Uma Curiosidade Histórica!


Muitas vezes a história é repleta de curiosidades que até assustam. Interessante observar como fatos da história se relacionam de tal maneira que nos deixam perplexos diante das circunstâncias.

Em 1914, morreu o Almirante da Marinha imperial alemã Maximilian Johannes Maria Hubert Reichsgraf von Spee. Ele destruiu uma esquadra da Marinha Britânica no costa do Chile em 01 de novembro de 1914. Essa vitória alemã causou impacto no moral da Marinha de Sua Majestade. Para esquecer essa vexatória derrota, foi organizada uma força para atacar e destruir a frota do Almirante Spee. O confronto aconteceu no dia 08 de dezembro próximo das Ilhas Folksland ou Malvinas. A Batalha das Malvinas (marítima), terminou com a derrota da Alemanha e a morte do Almirante, juntamente com seus dois filhos, oficias sob seu comando.

Quase 30 anos depois, em 30 de junho de 1934, foi lançado no mar o encouraçado Almirante Graf Spee, em homenagem ao herói da Grande Guerra.

Em 13 de dezembro de 1939, iniciava uma nova aventura do nome Spee pelo mesmo Atlântico Sul que perpetuou seu dignitário. O encouraçado Gref Spee , comandado pelo jovem capitão Hans Langsdorff, lutou bravamente contra três navios ingleses, HMS Ajax, HMNZS Achilles e HMS Exeter. Depois de horas de combates duros e confusos, o encouraçado alemão danificado, buscou refúgio no Porto Montevidéu.

O comandante Langsdorff foi intimado pelo governo uruguaio a deixar o porto, porém os três navios ingleses aguardavam o Graf Spee para um combate final. Em inferioridade numérica, com o navio danificado e com ordens de Adolf Hitler de não o deixar ser capturado pelos ingleses, Langsdorff desembarcou sua tripulação e fez com que o couraçado fosse pelos ares e afundasse completamente, isso sob olhares da imprensa local e estrangeira que registrou o fato. Após isso, o comandante Langsdorff suicidou-se alguns dias depois envolto na bandeira de combate alemã.

Terminava assim mais uma estranha e curiosa História do nome “Spee” no Atlântico Sul.

Anúncios
  1. 17/03/2013 às 10:15 AM

    Muito bom resumo de toda a longa história do Graff Spee (se pronuncia “spê”mesmo). Não sei se postou outra entrada sobre o Graff Spee, mas faltou dizer que, ao estourar a guerra, o cruzador de bolso (categoria inventada para escapar dos limites de tonelagem impostos à marinha nazista) orgulho da Kriegsmarine estava em missão de ataque aos navios mercantes ingleses e franceses na costa africana antes de vir para o Atlántico Sul, onde foi caçado, encurralado e seriamente avariado pelos navios ingleses citados.
    Abraço e parabéns pelo excelente blog!

  2. Ewerton rocha
    19/11/2013 às 4:51 PM

    Boa tarde, li diversas matérias escritas, e parabenizo pela forma e objetividade com que são colocadas as informações, pesquisei muito e não encontrei nenhuma matéria ou citação aos navios corsários alemães da 2guerra, seriam eles mitos? ou realmente existiram?

  3. 07/06/2016 às 9:06 AM

    Prezado Sr. Francisco Miranda
    Sua reportagem sobre o Graf Spee esta totalmente errada em primeiro lugar o Graf Spee Nunca fugiu dos navios ingleses, segundo o Exeter foi praticamente destruido pelo Spee e fugiu para as malvinas. As torres principais de 280mm dos canhões do Spee nunca foram atingidas Quanto aos mortos em combate o Spee teve 36 mortos e os ingleses 78 mortos. O Graf Spee saiu vitorioso da Batalha do Rio da Prata
    Os ingleses foram os primeiros a se retirarem do combate por terem pouca munição
    O Ajax e Achilles foram duramente avariados estavam com apenas 40% de sua artilharia enquanto o Spee estava com 90%
    Aconselho ao Sr. ler pelo menos 1 livro antes de escrever uma materia, para não passar informação errada aos seus leitores
    Eu tenho todos os livros do Graf Spee são um total de 32 livros.
    Francisco Pinto

    • 07/06/2016 às 9:19 AM

      Apesar de sua falta de educação, sendo truculento, publiquei seu comentário.

      A fonte da “reportagem” é Edgar McInnis – História da Segunda Guerra Mundial 1939-1945. Volume I – Pg. 78-105.

      Sugiro o senhor ser mais cortês e perguntar a fonte antes de criticar o autor do BLOG. Ter 32 livros não quer dizer que o senhor tenha a bibliografia do Encouraçado.

      Por favor tenha respeito com um trabalho que é publicado gratuitamente e com embasamento histórico bibliográfico.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: