Início > Mais Assuntos > E a Tal Guerra de Inverno?

E a Tal Guerra de Inverno?


Quem poderia imaginar que um país com pouca tradição militar poderia enfrentar uma nação de larga experiência nos campos de batalha? A Guerra de Inverno foi à oportunidade perfeita para o Grande Exército do Povo se dispusesse contra um inimigo relativamente fraco, onde as demais potências iriam tremer perante a força descomunal do exército do povo soviético. Mera falácia! Os soviéticos encontraram um exército finlandês aguerrido e disposto a não entregar seus territórios para o inimigo bolchevista. Stálin esperava o controle total da Finlândia até o final de 1939, teve que se contentar com um acordo de paz que cedeu 10% do território gelado finlandês e 20% da sua capacidade industrial para à União Soviética. A Finlândia manteve a soberania e conseguiu congregar nações aliadas para sua causa.

O fracasso militar soviético na Guerra de Inverno fortaleceu a ideia de Hitler que o Exército Vermelho estaria em frangalhos depois de poucas semanas da Operação Barbarossa. Novamente, seguindo o mesmo ego de invencibilidade do georgiano Stálin, Hitler se depara com seus próprios erros estratégicos.

Moral da História? Nenhum inimigo é fraco o suficiente quando estão lutando por sua própria terra.

Anúncios
  1. Mauro Moriarty
    18/02/2015 às 6:15 AM

    Finlândia, um país que por muito tempo na sua história se viu as voltas com duas forças Europeias, Suécia e Rússia que alimentavam ambições de controle no seu território. A Finlândia é um país considerável em território, em termos Europeus, possui 338.442 km. No Sec. XII os Suecos ocuparam o país, mas em 1809, o Czar Alexandre I invadiu o país, anexando-o ao Império Russo, em 1810 a Primeira guerra mundial favoreceu a emancipação Finlandesa e em 1917 a Finlândia declarou sua independência, em 1919 a republica foi declarada.

    Durante a Primeira guerra mundial ocorreu na Rússia o conhecido processo da substituição do Império, pelo primeiro regime Marxista do mundo, o processo foi muito conturbado, com o assassinato da Família Imperial (Os Romanov), uma guerra civil sangrenta, com a intervenção de nações estrangeiras, até o inicio da estabilização sob a direção de Lenin, até então todos esses problemas haviam favorecido os seus vizinhos poupando-os do característico Imperialismo Russo sobre seus interesses de soberania Política, Territorial e Econômica. Mas as coisas começam a mudar a partir da morte de Lenin, após intensa luta pelo poder prevalece Josef Stalin, que se revela um despótico ditador sanguinário, dando inicio a uma selvagem política de consolidação do poder, ele manda executar Trotsky e inúmeros partidários seus assim como opositores e meros suspeitos, supostas ameaças ao seu poder, após prevalecer e conseguir um pouco de estabilidade para seu país, Stalin volta-se para velha política imperialista Russa contra seus vizinhos.

    Mas agora Stalin deve tratar com outra ameaça Imperialista na Europa, a Alemanha nazista, liderada por alguém tão inescrupuloso e hostil quanto ele, Adolfo Hitler, anticomunista ferrenho e tão ambicioso dos territórios do Leste Europeu quanto o próprio Líder comunista, Stalin e Hitler iniciam um Jogo de Xadrez político e militar nos territórios Orientais, com vistas a conquistarem o máximo proveito econômico e territorial e a se posicionarem tendo em vista uma guerra entre si que ambos sabiam inevitável.

    Enfim, após ganhos territoriais ilícitos bem sucedidos, no fato de não precisarem entrar em guerra para adquiri-los, finalmente Hitler resolve dar o passo decisivo, ele resolve atacar a Polônia, a aventura será mais complicada do que ele calcula, ele espera problemas da parte dos aliados e dos Soviéticos, mas acha que pode engana-los e conquistar território Polonês sem o risco de uma guerra de grandes proporções, o plano consiste em neutralizar os Russos com um tratado de não agressão e parte da Polônia, e com isso liquidar as esperanças de França e Inglaterra de envolver o Reich numa guerra de duas frentes. O plano deu certo com os Russos, mas não com os aliados que declararam guerra a Alemanha de Hitler.

    É nessa fase que começa o envolvimento da Finlândia no conflito, após a invasão da Polônia inexplicavelmente os aliados declaram guerra à Alemanha, mas não a URSS, isso é muito estranho, pois o tratado com a Polônia consiste num pacto de ajuda mutua contra agressões externas sem especificar quais agressores, portanto a qualquer um. Essa situação obriga Hitler à contra vontade voltar-se para o Oeste, deixando Stalin livre no leste para saciar suas ambições territoriais, e três meses depois do inicio da segunda guerra mundial (30 de novembro de 1939), a URSS atacou a Finlândia.

    Stalin preparou-se com um volume de forças militares que não deixa dúvidas a respeito de suas intenções imperialistas de ocupar a totalidade do território Finlandês, ele começou como sempre nesses casos com poucas exigências mais impossíveis de serem atendidas por parte da Finlândia, pro-comunistas tentam justificar essas exigências afirmando que a intenção era afastar as fronteiras da Finlândia da cidade de leningrado e do acesso aos portos do mar de Barents, mas basta uma olhada ao mapa Europeu para perceber que a Alemanha nunca foi ameaça para aquele setor territorial Soviético.

    A Finlândia surpreende e vexa Stalin e seu temido exercito vermelho que só consegue a decisão a seu favor após perder várias batalhas, e aumentar significativamente seus já consideráveis efetivos envolvidos na guerra, a Finlândia vendo inútil prosseguir na guerra solicita um armistício (Em 12 de março de 1940), as imposições de Stalin fazem a Finlândia perder o equivalente a 10% do seu território um duro golpe, mas na verdade uma vitória porque permite a pequena Finlândia manter sua soberania diante do inimigo poderoso que pretendia ocupa-la integralmente.

    Stalin cometeu um erro grave ao atacar a Finlândia, chamou a atenção de Hitler para o desempenho medíocre do exercito vermelho, enquanto parte significativa dos seus efetivos não foi capaz de vencer e ocupar um pequeno país, a Wermarcht de Hitler venceu e ocupou a considerada maior potencia Europeia da época a França, com uma significativa vitória sobre a Inglaterra ajudada por Bélgica e Holanda e isso em menos tempo que Stalin levou para ganhar os 10% da Finlândia, era tudo o que não podia acontecer a Stalin perder o respeito do Líder Nazista que tinha todos os territórios Orientais dentro de sua Politica de “Espaço vital” e só aguardava a melhor ocasião para atacar a URSS, ele já tinha os países do leste Europeu como satélites colaboradores da Alemanha e uma fronteira em comum na Polônia ocupada, para sorte de Stalin a invasão não se deu em 1940, Hitler estava preocupado em encontrar um acordo com a Inglaterra e cessar a luta no oeste, mesmo quando resolveu dar as costas para a Inglaterra e agir contra a URSS o mais cedo possível, ele sofreria o atraso de enfrentar uma guerra preventiva nos Balcãs contra a Iugoslávia e a Grécia, contra sua vontade.

    Mas em 22 de Junho de 1941, as divisões Alemãs estavam todas alinhadas na fronteira com a URSS e iniciaram o ataque conhecido por operação Barbarossa.

    Hitler conheceu e simpatizou muito com o líder militar Finlandês Marechal Manenhein e quando ele invadiu a URSS os Finlandeses foram logo convidados a participar, entretanto Hitler se decepcionaria com os Finlandeses, porque enquanto ele travaria uma guerra de aniquilação visando ocupar todo o território Soviético, Manenhein considera a sua guerra apenas como uma continuação da anterior e ele ataca a URSS apenas com o intuito de restituir a Finlândia os territórios ocupados pela URSS.

    Assim o flanco norte da ofensiva da Wermarcht fica enfraquecido, Von Leeb espera que os Finlandeses participem ativamente do cerco a importante cidade Soviética de Leningrado, mas os Finlandeses recusam, apenas ocupando e mantendo os 10% de território que haviam recuperado aos Russos, sem forças para tomar a cidade ela permanecerá em cerco durante um longo período da guerra até sua libertação.

    Contudo a sorte das armas mudaria e a URSS com a ajuda dos aliados contra-atacaria, novamente a história se repete e a Finlândia envia propostas para um armistício a resposta Russa naturalmente é inaceitável, os Finlandeses decidem prosseguir na guerra, Stalin sabe que não precisa mais se preocupar com a Finlândia, decide virar às costas e dar prioridade a guerra com contra a Alemanha, depois de um tempo a Finlândia se esgota e é obrigada a aceitar os termos terríveis imposto por Stalin.

    Os termos do acordo são R$600,00 milhões, mas a cessão do Istmo da Carélia e da rica região mineira de Petsamo, dessa maneira perdendo também o acesso ao mar de Barents, e essas condições estavam associadas a anterior que deduzia 10% do seu território.
    Mas apesar de tudo isso a Finlândia foi um país felizardo comparado aos outros países do leste Europeu fronteiriços a URSS que se tornaram foco de seu Imperialismo ideológico, ocupados militarmente e politicamente, teriam que esperar até 1989 pela liberdade, enquanto isso a Finlândia conseguiu manter a sua liberdade e ainda prosperar diante da adversidade dos acontecimentos.

    Mauro.

  2. Mauro Moriarty
    21/02/2015 às 4:07 AM

    Chico o meu comentário foi repetido, pode apagar um por favor? obrigado!

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: