Anúncios

Arquivo

Posts Tagged ‘Exército Brasileiro’

DIA 24 DE MAIO – SALVE O BRIGADEIRO ANTONIO DE SAMPAIO!

MINHA VELHA SENHORA, UMA AMADA RAINHA.

Tu me escolheste bem jovem e com você vivo contente e muito feliz até hoje…
Já faz tempo, mas nunca diminui minha afeição ou meu carinho e meu amor pelos teus fuzis cruzados e pela granada que os une.

Hoje ainda sinto meu velho peito embalado pelos teus cânticos vibrantes, suas canções guerreiras e tenho minha consciência agradecida pelas grandes emoções vividas.

Conduzi meu fuzil como pediste, marchei com a nobreza na alma e honrei a hierarquia e a disciplina com ardor no coração.

Meu velho coturno , o velho borzega, é testemunha do quanto poeira trilhamos juntos.

Em ti , cresci, e vivi …aprendi a obedecer para poder bem comandar. E assim o fiz!

Espelhei-me e me inspirei em tu ,Brigadeiro Sampaio ,estoico herói e grande guerreiro. Cabra da peste que inspira e embala nossa história.

Por ti , minha amada Arma, teria dado minha vida e ainda assim acho que pouco seria tamanho é a tua grandeza e não tão imensa quanto tua nobreza.

Lideras em Batalha, sempre à frente vibrante, marcando a cadência e o caminho da vitória e por ti seus êxitos e conquistas são cantadas em verso e glória.

Gerações presentes e passadas te abraçam com amor filial mesmo sabendo que suor, sacrifício e sangue passam a fazer parte do cotidiano de simples soldado.

Amo você como nunca amei ninguém… Te idolatro na grata certeza de que não sou um dos melhores mas agradeço por ser apenas um dos bons!

Isso me basta!

Obrigado… Por ainda hoje vibrar com a camuflagem a cobrir meu rosto, com os meus cantis coladas ao corpo, com a minha faca de trincheira amolada e pronta ao uso e com o peso da minha mochila, na certeza de que ser Infante é uma condição especial que poucos merecem ostentar .

É mais que um estado d’alma….É sentimento, amor e paixão!

Obrigado minha INFANTARIA…por ontem …por hoje e pelo meu amanha!

SALVE 24 DE MAIO! SALVE O DIA DA RAINHA DAS ARMAS, A MINHA INFANTARIA AMADA E QUERIDA!

CORONEL DE INFANTARIA NORTON LUIS SILVA DA COSTA

Anúncios

TOMADA DE MONTE CASTELO – Especial dos 70 anos

Em 24 de novembro de 2014, lembrarmo-nos dos 70 anos do início dos ataques sobre Monte Castelo. Um dos maiores feitos militares do Exército Brasileiro ainda hoje é discutido e questionado, seja no contexto histórico militar ou simplesmente pela ideologia daqueles que criticaram o emprego da FEB.

É importante notabilizar duas coisas acerca do emprego da Força Expedicionária Brasileira (FEB) para que possamos nos balizar quanto a seu emprego. Primeiramente a FEB não foi empregada no ataque do dia 24 de novembro enquanto Divisão, participando apenas o 3º Batalhão do 6º Regimento de Infantaria e o 1º Esquadrão de Reconhecimento integrados a Task Force 45, sob comando americano. Portanto qualquer tipo de referência ao primeiro ataque deve levar em consideração não a Divisão Brasileira, mas a Grupo Tático 45. E as características e circunstâncias de emprego da tropa brasileiro segundo as expectativas do V Exército. Essa questão é bem clara quando realizarmos a análise da Conferência do Paso da Futa em 30 de outubro de 1944, quando o General Mark Clark realizou uma exposição sincera da situação do Exército Aliado deste o rompimento da Linha Gótica até os objetivos de tomada de Bologna.

Vamos a partir de hoje realizar um estudo detalhado, com a visão dos envolvidos, dos comandantes aos nossos pracinhas. A ideia é que possamos refletir  e realizar uma análise critica do primeiro ataque, em 24 de novembro, até a tomada final do Monte.

Próxima publicação: Considerações sobre a Preparação da FEB no Grupo Tático

cm_monteCastelo_07

Tomanda de Monte Castelo – Uma Pequena Reflexão

A Ideologia política, partidária, filosófica ou qualquer outra é como bebida alcoólica, tem que ser usada com moderação. Os extremismos ideológicos talvez sejam os agentes que impulsionaram o mundo para o caos desde os tempos imemoráveis. Infelizmente, de um modo geral, a humanidade ainda busca esse equilíbrio para aplicar determinadas ideologias sem sufocar outras. Alguns povos, partidos políticos e pessoas, ainda tem dificuldade para aceitar a coexistência ideológica. Podemos citar o Bolchevismo da Revolução Russa de 1917 e sua aplicação prática, principalmente através do ditador Stálin, que implementou uma dura política de destruição completa de outras ideologias consideradas incompatíveis com a do Estado. Hitler, obviamente, seria outro exemplo do extremismo ideológico. Em seu discurso durante a campanha presidencial de 1932, declara que não tem pretensão de adotar o multipartidarismo ou outra ideologia diferente do nacional-socialismo, pois seu objetivo era acabar com todas as ideologias partidárias existentes.

Esta exposição, guardada as devidas proporções, nos leva a uma reflexão sobre nosso cenário político. É evidente o esforço dos vários setores do governo para enfraquecer ou dizimar qualquer tipo de visão ideológica que se diferencie da percepção petista de mundo. Especificamente sobre a percepção da Presidente Dilma, ela já deu várias demonstrações que não consegue dialogar de forma ponderada com outros segmentos opositores, e que ainda guarda, de forma travestida, os mesmos pensamentos pseudo-revolucionários dos movimentos estudantes que tentaram instalar um regime de exceção no país.

E o que isso tem haver com a Tomada de Monte Castelo? A conquista militar que completa 69 anos é um, em vários outros eventos, que o Governo atual esmera esforços para que o povo brasileiro não tome conhecimento. Basta lembrar a proibição explícita do governo para não haver referência nos aquartelamentos aos eventos ocorridos em 31 de março 1964. A Tomada de Monte Castelo é um feito do Exército Brasileiro e do Povo Brasileiro. Muito sangue nacional foi derramado para que este Monte figurasse como uma conquista brasileira. É importante que se faça referência aos mortos em Monte Castelo, pois a bravura do soldado brasileiro esteve acima de qualquer erro de comando ou importância estratégica dos Aliados para aquele Teatro de Operações e é inquestionável. Monte Castelo, por maior ou menor importância que se possa dar, tem em cada centímetro de terreno conquistado a marca da bravura da mistura das raças que se fizeram presente neste feito militar, tanto quanto nas Batalhas dos Guararapes, marca de formação do senso de nação. Por isso, é importante que os jovens desta geração possam ter conhecimento do sacrifício de vidas brasileiras na Itália. E que nenhum governo transitório pode renegar as raízes de honra e entrega sacrificial que nossos soldados deram para elevar a Bandeira do Brasil, que é infinitamente mais altiva do que qualquer bandeira de partido político ou ideologia.

Conclamamos todos que são conhecedores dos feitos dos brasileiros no Teatro de Operações da Itália – refiro-me ao sacrifício daqueles que lutaram na Itália, não apenas os mortos, mas também aqueles que deixaram parte de sua juventude nesta campanha – que possam sempre que possível fazer referência à participação brasileira na Segunda Guerra Mundial e não deixar que a ideologia de um governo transitório ignore a história do nosso Exército, pois a História do nosso Exército é a História do nosso próprio povo, com todas as suas perfeições e imperfeições. E que os 69 anos da Tomada de Monte Castelo possa residir de forma permanente na memória do nosso povo.

FEB: “Verás que um Filho Teu Não Foge A Luta!”. Mas e Agora?

Em 09 de agosto de 1943, a Portaria Ministerial Nº 4744, criava a Força Expedicionária Brasileira – FEB. Tinha início naquele momento a mais briosa ação que uma nação ruralizada e subdesenvolvida iria empreender para formar uma tropa combativa contra aqueles que eram considerados os melhores soldados do mundo.

O ano de 2013 marca o 70º Aniversário de criação da FEB. Alguma manifestação pública ou reportagem sobre o tema? Alguma nota alusiva sendo proferida em escolas públicas? Pois é. Perguntas sem respostas: qual a legado  histórico para o Brasil da Força Expedicionária Brasileira? Qual a contribuição que o sacrifício de quase quinhentos mortos deixaram de lição para os brasileiros? Na máxima da ciência, quando na afirmação, o que move o mundo são as perguntas e não as respostas, então temos algumas boas perguntas, mas que depois de sete décadas não encontramos qualquer tentativa de resposta por parte do próprio Brasil. Quem responde? A mídia? A internet? O povo? O Exército? Ou esquecemos tudo e seguimos nossas vidas sem  olhar para trás?

A Força Expedicionária Brasileira foi criada pelo Brasil para ser o próprio Brasil no Teatro de Operações da Itália. Seus componentes foram brasileiros natos, com média de idade de 20 anos, portanto jovens pernambucanos, fluminenses, paulistas, capixabas, paranaenses, mineiros, enfim, de vários Estados e regiões do nosso país. Foram enviados para Itália, muitos voluntários! Sustentavam no seu braço esquerdo o símbolo conhecido como “Coração do Brasil” em seus uniformes.

Nos primeiros meses, após as primeiras baixas brasileiras, os que sobreviviam não pensavam em outra coisa, a não ser que aqueles que se sacrificaram, morreram pelo BRASIL. No cumprimento do dever que cabe a cada brasileiro! Não se sacrificaram por um regime de governo temporal, ou por uma presidente! Morreram pelo seu país. Sustentando em seu coração o próprio CORAÇÃO DO BRASIL que estava em seus uniformes. Nenhum deles escolheu morrer na Itália, eles queriam voltar vivos para suas famílias, mas sabiam que estavam ali para defender sua própria terra e, portanto, sua própria gente!

Perplexidade minha quando percebo que a morte de brasileiros de nada valeu para esse Brasil do século XXI. Minha alma se entristece quando vejo que o Brasil passou 70 anos sem fazer a justa menção ao sacrifício pátrio desses homens. Não estou querendo que façam arautos ou os coloquem como deuses pelo que fizeram, mas que eles sejam lembrados pelo exemplo de sacrifício à serviço do país. Os nossos jovens precisam saber que outros jovens de gerações anteriores deram sua vida pelo Brasil que eles conhecem hoje.

A sua terra de campos verdejantes foram cultivadas por sangue, suor e lágrimas. Sangue dos que morreram, suor dos que trabalham e lágrimas das mães, esposas e filhas que perderam seus entes queridos com o CORAÇÃO DO BRASIL EM SEUS UNIFORMES. Só quando os jovens conheceram e valorizarem o passado do seu país, essa nação será grande. Enquanto isso estaremos relegado a uma nação inculta e constantemente ameaçada por ideologias corruptas e agentes corrosivos de nossa PÁTRIA AMADA.

Por Francisco Miranda

Reflexões sobre o Dia da Vitória – 1945/2014

Quem são os soldados que lutaram na Força Expedicionária Brasileira? Quem são os pracinhas? Se é que alguém sabe o que é um pracinha? Uma geração se ergue no nosso país sem qualquer conhecimento sobre o sacrifício de outras gerações na preservação do mundo como o conhecemos hoje. Sangue brasileiro foi derramado em um passado nem tão distante assim, e quem sabe o que eles fizeram? Desde o fim da guerra não houve qualquer preocupação com os brasileiros que lutaram envergando o Pavilhão Nacional em seu ombro. Preocupação histórica. Quem são esses brasileiros? Quem sabe? A Constituição de 1988 amparou-os, pois antes tarde do que nunca, mas o reconhecimento histórico talvez seja mais importante do que a política de amparo social, portanto quem são os Veteranos da Força Expedicionária Brasileira?  São vivos? Muito não estão entre nós; muitos morreram sem saber que seu país se importava com eles. Muitos deixaram nos campos de Batalha sua juventude e voltaram para o convívio social com o corpo ferido ou com alma ferida, pois a guerra faz isso. Perderam grande parte de sua juventude lutando contra um inimigo não deles, mas de seu país. Lutaram pelo seu país! Quem são os veteranos da FEB? O que eles fizeram? Onde eles estão?

Educadores, pais, cidadãos do Brasil todos são responsáveis pela injustiça acometido aos quase 500 brasileiros que perderam suas vidas e pela amnésia do sacrifício dos mais de vinte e cinco mil paulistas, paranaenses, fluminenses, pernambucanos, mineiros, paraibanos, paraenses, gaúchos, catarinenses e tantos outros estados que cederam seus filhos para lutarem nos campos de batalha da Itália.

Brasileiros, comunistas, pensadores, professores, formadores de opinião e todos os responsáveis por ensinar e aculturar os nossos filhos, esqueçam a ideologia quando explicarem aos mais jovens os motivos das ações do Brasil no contexto político e governamental e seu envolvimento no conflito; esqueçam sua formação política! Apenas expliquem que conterrâneos de seu Estado, mesmo com recursos opacos formaram uma Força Expedicionária de brasileiros, natos, com média de idade abaixo dos vinte anos, lutaram bravamente e cumpriram seu dever com seu país.

Quando perguntarem “Quem são esses pracinhas?” Respondam simplesmente que foram brasileiros que praticaram o que é entoado no Hino Nacional: “Verás que um Filho teu não foge à luta, Nem teme, quem te adora, a própria morte…”. Poucos nesse país podem bater no peito e gritar empiricamente, em alta voz, que exerceram de fato essa afirmação.  Eles são soldados brasileiros, soldados do Exército Brasileiro, que em um passado nem tão distante assim, atravessam o oceano para lutarem e morrerem pelo seu país.

No final das contas, a profética frase do Presidente Siqueira Campos foi exercida até o seu último verbo: “À Pátria tudo se deve dar, sem nada exigir em troca, nem mesmo compreensão“. Muitos não entendem isso, pois são movidos por uma ideologia cega e se esquecem do amor por sua terra…Por sua Pátria….A Pátria Amada, Brasil!

Soldado 201 Nascimento – Mais Conhecido como Pelé!

Sinto-me orgulhoso de ter servido por anos na instituição mais respeitada desse país. Por mais que existam pessoas que ataquem o passado recente do Exército Brasileiro, a população do nosso país sabe a quem recorrer quando precisa de garantia da Lei e da Ordem. Nosso Exército é uma das poucas instituições públicas onde há fomentação de valores. Conduta correta, honra, respeito, lealdade a pátria são apenas alguns dos pré-requisitos para se envergar uma farda camuflada do Exército Brasileiro. Esse é o nosso Exército, refúgio dos valores de nossa sociedade.

Para tanto podemos encontrar no maior jogador de futebol de todos os tempos à confirmação dos argumentos acima:

img048 img049 img050

Reconhecimento Justo, Para Um Homem Justo! Rigoberto Souza

Qual a expectativa de um jovem nascido no interior da Paraíba em 1922, sendo o filho mais velho de uma família de 09 irmãos? Qual a expectativa de um jovem nordestino, com poucas oportunidades, em um período em que o índice de analfabetismo da população brasileira era de 90%? Você sabe o que é ser Brasileiro? Vamos a um exemplo de brasileiro na mais digna concepção do adjetivo pátrio.

Vamos falar de um homem que expressa à eternizada máxima de Euclides da Cunha: “O nordestino é antes de tudo, um forte!”; vamos falar de um homem que deixou à sua terra natal e foi se apresentar ao Exército, no tempo em que o Exército convocava jovens! Vamos falar de um cidadão que foi voluntário para guerra, para a Segunda Guerra Mundial, no tempo em que muitos buscavam a dispensa do serviço militar! Vamos falar de um Sargento do Exército Brasileiro que participou das principais Batalhas da Força Expedicionária Brasileira, e que combateu como a valentia do nordestino que defendeu Monte Santo na Guerra Canudos, mas envergando a farda do Exército de Caxias, empunhando o fuzil das nações livres para libertar a Itália do julgo alemão.

Esse mesmo homem voltou para sua terra, para sua gente! E como um bom brasileiro, casou, constituiu família e procurou viver uma vida digna, procurou viver a liberdade que ele ajudou a consolidar no mundo. Esse cidadão brasileiro, apesar das poucas oportunidades, lutou pela sobrevivência de sua família, se formou em odontologia, se tornou dentista, também Auditor…Eita cabra macho arretado! Esse brasileiro se chama RIGOBERTO SOUZA, e hoje completa 90 anos de idade; 90 anos com a lucidez de 25 e a história de uma nação sobre seus ombros.

Ao senhor Veterano, Doutor, Mestre e Brasileiro minha continência pelo que o senhor fez por esse país! E um forte abraço pela oportunidade de lhe conhecer e conversar ouvir histórias e a emoção que jamais poderemos encontrar em livros, por melhores que eles sejam.

Sua Pátria lhe agradece!

aniversário Rigoberto

Sargento Rigoberto Souza

Sargento Rigoberto Souza

%d blogueiros gostam disto: