Arquivo

Posts Tagged ‘Fotografia Segunda Guerra’

Série: A Hora “H” – Parte III

O momento em que o soldado vira herói. O momento da covardia, da derrota ou da vitória. O momento em que a guerra acaba, pelo menos para aqueles que caem em combate. Tudo isso é chamado de HORA ‘H’.

Análises de Fotografias Surreais da Segunda Guerra

 Em outras publicações já testemunhamos o poder do registro fotográfico da Segunda Guerra Mundial. Evidentemente outros conflitos posteriores, com mais recursos tecnológicos, permitiu a real dimensão dos acontecimentos. Mas damos preferência as fotografias da Segunda Guerra pelo pionerismo profissional e documental dos fotográfos e das pessoas que registraram o evento. Foi a primeira vez que profissionais e amadores dispunham dos recursos tecnológicos para acampanha e registrar a ação em tempo real. Por isso o acervo da Segunda Guerra impressiona pela quantidade e qualidade.

 Selecionamos algumas fotografias que merecem reflexão, pelo menos segundo a perspectiva desse humilde observador.

 Se você tem uma fotografia da Segunda Guerra que tem uma mensagem a passar, ou representa algo que você acredita, por favor, envia pra gente: blogchicomiranda@gmail.com teremos o maior prazer em publicar.

Ontem e Hoje – ESPECIAL ITÁLIA

 Segue mais uma série especial de fotomontagem do Teatro de Operações da Itália.

Análise Histórica Fotográfica da Segunda Guerra – Parte 02

Quando na preparação da Operação Barbarossa, uma das maiores operações militares já desencadeadas até aquele momento, o moral do soldado alemão estava alto, devido as expressivas vitórias ocorridas desde 1939. Meses antes do início da operação, o sistema político alemão concentrou uma forte propaganda entre os militares que formariam as primeiras ondas de ataque para criar a imagem de um inimigo miserável, cruel e que deveria ser destruído em sua totalidade; essa propaganda direcionada tentava imputar no soldado a ideia de que sua causa era justa e ele deveria colocar em prática todos os seus esforços para livrar o mundo do comunismo.

 Durante invasão e as primeiras conquistas de cidades soviéticas, o que se viu foi um povo aclamando os invasores como heróis libertadores, tudo que propaganda nacional-socialista queria. Soldado recebiam rosas e gritavam alegremente por sua “liberdade”. Reforçando ainda o estigma, os Vermelhos executam civis que etnia germânica, servido de subsídio para a confirmação da propaganda alemã.

 Na mesma propaganda desferida antes da operação, falava-se em uma vitória rápida, assim como fora as anteriores. Os comandantes de Unidades repassavam que toda a conquista seria finalizada em três ou quatro semanas, pois o inimigo era inferior e pouco combativo. E tudo levava a crer nas primeiras semanas que os objetivos seriam alcançados.

 Como sabemos as linhas de suprimentos, as ordens absurdas, o clima russo e o infinito material humano russa contribuíram para a destruição das forças que participaram da Operação Barbarossa e revertendo a invasão até a derrocada final de Berlim em 1945.

A Série – Fotos Mais Engraçadas e Sem Noção da Guerra – O Retorno

 Mais uma série das mais loucas da Segunda Guerra.

%d blogueiros gostam disto: