Arquivo

Posts Tagged ‘História do Brasil’

Lançamento do Livro: Polícia do Exército: Sua História e Seus Valores

No último sábado (07/03) ocorreu o lançamento do livro Polícia do Exército: Sua História e Seus Valores. A Solenidade de Lançamento teve início com a formação da Mesa de Honra formada pelo Autor Francisco Miranda, presidente do Conselho Nacional dos Veteranos da Polícia do Exército (CONAVEPE), do excelentíssimo senhor General de Exército Pafiadache, Comandante Militar do Nordeste, excelentíssimo senhor General de Divisão Márcio, Comandante da 7ª Região Militar, senhor Tenente Coronel Jorge, comandante do 4ºBPE, Capitão Souza, veterano da Força Expedicionária Brasileira (FEB), representante da ANVFEB/PE, do senhor Moizes Oliveira, Vice-Presidente do CONAVEPE e Presidente do Grupo de Veteranos do BPEB no Paraná (GVBP) e do senhor Elivaldo Belarmino, integrante do CONAVEPE e Presidente da Associação SEMPRE PE, além de várias autoridades militares e civis que prestigiaram o livro.

Francisco Miranda realizou uma breve abordagem do livro, exaltando os valores da Polícia do Exército que são expressados no livro e que são tão caros a sociedade nos dias atuais. Citou proeminentes nomes que fizeram parte da História da PE, tais como o paulista Soldado Clóvis, morto por um soldado aliado nos campos de Batalha da Itália, o Capitão R/2 Sabino, primeiro Comandante de uma Companhia de Polícia do Exército do Brasil. Encerrou sua apresentação com uma das histórias narradas no livro pelos veteranos da Polícia do Exército, a do Soldado Jacaré, que tirou boas risadas dos participantes do evento.

Após a solenidade de abertura, teve início o receptivo com mesa de autografo do livro. Também houve exposição de material da utilizado para missões de Polícia do Exército, tudo isso tendo como cenário o Forte do Brum no Recife Antigo.

O livro está a venda pelo email: policiaexercitohistoria@gmail.com / francismiranda28@gmail.com

Valor: R$ 50,00

Envio: 12,50  para qualquer Estado do Brasil.

PRÓXIMO LANÇAMENTO 25 DE ABRIL – 8º EVEPE – BLUMENAU / SANTA CATARINA

 

O Que Representa para Nossa História a FEB?

“A participação do Brasil não é mais exaltada do que deveria?”, “A participação do Brasil foi medíocre”, “O Brasil foi bucha de canhão!”, “Tirando algum vigilância no litoral, a Segunda Guerra Mundial passou desapercebida no Brasil”. Essas frases foram proferidas por professores e estudantes de História.

Incrível como há um grande equívoco no estudo desse período. Ainda não percebi se proposital ou não. Uma extrema ignorância e incorreta interpretação histórica de alguns acadêmicos, que de forma escancarada, estupram e deturpam fatos históricos que não só mancham o sangue dos quase 500 brasileiros mortos nos campos de batalha e dos mais de 1000 homens, mulheres e crianças que perderam suas vidas nos mares, bem como difamam a própria História do Brasil.

Em uma perfeita colocação sobre a visão da análise histórica do envolvimento do Brasil na Segunda Guerra, o doutor Roney Cytrynowicz, em sua obra, Guerra Sem Guerra – a mobilização e o cotidiano de São Paulo durante a Segunda Guerra Mundial –, realiza uma concludente análise sobre o estudo deste período:

O lugar da Segunda Guerra Mundial na história e na memória coletiva da população do São Paulo, e do Brasil [grifo nosso], tem sido, no entanto, marcado muito mais pela ausência do que por uma presença efetiva e consistente, A guerra, episódio central da História do século 20, não está presente na memória da cidade de São Paulo; ela não é celebrada coletivamente, não é lembrada. Os soldados que lutaram e os mortos não são referenciados a não ser por pequenos grupos diretamente ligados a eles.

[…] a referência à guerra parece mais como um constrangimento obrigatório, na historiografia e na memória, dada sua magnitude na história do século 20, do que uma elaboração “interna” à história do país e ao testemunho dos seus contemporâneos. Mas não se estabelecem os nexos causais com a história brasileira neste período.  […] (Roney CYTRYNOWICZ, 2000).

Os fatos históricos e sua interpretação isenta e voltado apenas para uma historiografia afastada da ideologia tendenciosa aponta para uma colaboração estratégica, registrando a participação popular em todo o processo de envolvimento do Brasil, inclusive com perdas significativa de brasileiros.

Saliente do Nordeste – Estratégico: Em qualquer circunstância histórica, o Brasil se destaca quando se fala em Atlântico Sul. Não há como negar a importância estratégica do Saliente do Nordeste. Portanto, com as operações de UBoots ocorrendo em todo o Atlântico Norte é mais que compreensível que as nações beligerantes voltassem seus olhares para as Rotas Marítimas do Sul. Por esse motivo os Estados Unidos, antes mesmo de qualquer tipo de envolvimento do Brasil, já negociava a defesa dessa região, ou sua conquista (Operação Pote de Ouro). Em qualquer aspecto, em 1941, o país já estaria envolvido do conflito, pois a Alemanha domina a África do Norte e o receio dos Aliados de um bloqueio no Atlântico Sul era grande. Vargas era pressionado para se posicionar a todo instante.

 

Envolvimento do povo:  Os ataques à embarcações brasileiras em suas linhas de cabotagem, ou seja, de transporte de passageiros, pelo submarino U507, vitimou mais de 600 brasileiros, entre homens, mulheres e crianças. Isso causou uma revolta popular em todos os grandes centros urbanos do país. O governo se reúne sob pressão para declarar estado de beligerância contra a Alemanha.

Dificuldades para formação de uma Força Expedicionária: Quando questionado sobre a formação de Tropas para lutar no Teatro de Operações fora do Brasil, Vargas não hesitou, pois o interesse inicial era a modernização do Exército Brasileiro. Contudo não podemos negar que um exército é o espelho de seu povo. O Exército Brasileiro não conseguiria cumprir as exigências mínimas necessárias para um combatente moderno, e os principais motivos era a pouca instrução, pouca nutrição e principalmente despreparado para o esforço de guerra. A previsão inicial de formar um Corpo de Exército com 90 mil homens, esbarrou nas dificuldades físicas e logísticas do nosso Brasil, claro. Apenas pouco mais de 25 mil homens aptos para lutar até o final da guerra.

Ninguém acreditava na FEB: Depois da euforia inicial, a FEB foi formada por Decreto em 23 de novembro de 1943. Em termos de convocação, preparação e transporte, foram necessários quase oito meses para o primeiro combatente embarcar para um Teatro de Operações. Esse período tranformou desacreditou a FEB, muitos acreditavam que o país não enviaria tropas para lutar. Nasce o estigma popular “É mais fácil a cobrar fumar do que o Brasil ir à guerra…” . A Cobra Fumou!

O tamanho da importância militar da participação brasileira: É possível afirmar que o Brasil teve uma grande importância no Teatro de Operações da Itália? Claro que não! O país atuou com uma única Divisão, enquanto os americanos e ingleses atuavam com mais de 50 Divisões! Como podemos ter sidos decisivos? Agora, tivemos um papel importante quando somos analisados segundo as conquistas de uma Divisão. Se pensarmos em termos de missões, a Força Expedicionária Brasileira defendeu a maior frente do setor do X Exército Americano. Esteve na vanguarda de patrulhas durante os meses de dezembro de 1944 a fevereiro de 1945, em um dos mais rigorosos invernos já registrados do século XX. Levando em consideração soldados oriundos dos sertões nordestinos ou das amenas temperaturas do sudeste do Brasil. Conseguiu um feito militar improvável para uma Divisão. A rendição incondicional de duas Divisões, a 148ª Divisão Alemã e Divisão italiana Bersaglieri com um efetivo total 14.779 militares das duas nacionalidades, além de munição, canhões, armas de vários calibres. Um feito único entre as Divisões que atuavam na Itália. Se o Brasil chega com um soldado desacreditado e com problemas básicos, ao final da guerra o soldado brasileiro é apontado como um bravo combatente.

Esses são alguns dos motivos que todos os brasileiros devem ter, pelo menos o respeito pela participado do Brasil na Segunda Guerra Mundial. Não exaltando em demasia, nem tão pouco desprezando o esforço e o sacrifício de jovens que lutaram e morreram na Itália, e lembrando das vitimas da agressão nazista em nossas águas e ao nosso território.

Reflexões sobre o Dia da Vitória – 1945/2014

Quem são os soldados que lutaram na Força Expedicionária Brasileira? Quem são os pracinhas? Se é que alguém sabe o que é um pracinha? Uma geração se ergue no nosso país sem qualquer conhecimento sobre o sacrifício de outras gerações na preservação do mundo como o conhecemos hoje. Sangue brasileiro foi derramado em um passado nem tão distante assim, e quem sabe o que eles fizeram? Desde o fim da guerra não houve qualquer preocupação com os brasileiros que lutaram envergando o Pavilhão Nacional em seu ombro. Preocupação histórica. Quem são esses brasileiros? Quem sabe? A Constituição de 1988 amparou-os, pois antes tarde do que nunca, mas o reconhecimento histórico talvez seja mais importante do que a política de amparo social, portanto quem são os Veteranos da Força Expedicionária Brasileira?  São vivos? Muito não estão entre nós; muitos morreram sem saber que seu país se importava com eles. Muitos deixaram nos campos de Batalha sua juventude e voltaram para o convívio social com o corpo ferido ou com alma ferida, pois a guerra faz isso. Perderam grande parte de sua juventude lutando contra um inimigo não deles, mas de seu país. Lutaram pelo seu país! Quem são os veteranos da FEB? O que eles fizeram? Onde eles estão?

Educadores, pais, cidadãos do Brasil todos são responsáveis pela injustiça acometido aos quase 500 brasileiros que perderam suas vidas e pela amnésia do sacrifício dos mais de vinte e cinco mil paulistas, paranaenses, fluminenses, pernambucanos, mineiros, paraibanos, paraenses, gaúchos, catarinenses e tantos outros estados que cederam seus filhos para lutarem nos campos de batalha da Itália.

Brasileiros, comunistas, pensadores, professores, formadores de opinião e todos os responsáveis por ensinar e aculturar os nossos filhos, esqueçam a ideologia quando explicarem aos mais jovens os motivos das ações do Brasil no contexto político e governamental e seu envolvimento no conflito; esqueçam sua formação política! Apenas expliquem que conterrâneos de seu Estado, mesmo com recursos opacos formaram uma Força Expedicionária de brasileiros, natos, com média de idade abaixo dos vinte anos, lutaram bravamente e cumpriram seu dever com seu país.

Quando perguntarem “Quem são esses pracinhas?” Respondam simplesmente que foram brasileiros que praticaram o que é entoado no Hino Nacional: “Verás que um Filho teu não foge à luta, Nem teme, quem te adora, a própria morte…”. Poucos nesse país podem bater no peito e gritar empiricamente, em alta voz, que exerceram de fato essa afirmação.  Eles são soldados brasileiros, soldados do Exército Brasileiro, que em um passado nem tão distante assim, atravessam o oceano para lutarem e morrerem pelo seu país.

No final das contas, a profética frase do Presidente Siqueira Campos foi exercida até o seu último verbo: “À Pátria tudo se deve dar, sem nada exigir em troca, nem mesmo compreensão“. Muitos não entendem isso, pois são movidos por uma ideologia cega e se esquecem do amor por sua terra…Por sua Pátria….A Pátria Amada, Brasil!

Causos e Contos da Força Expedicionária Brasileira – II

 O Amuleto!

Um pracinha do 1º RI, foi escalado para tirar o serviço de sentinela na linha de frente. Quando entrou em forma, o sargento responsável pelo serviço, percebeu que o soldado estava com um sapato feminino pendurado a seu cinto de campanha. Ele chega bem próximo do ouvido do soldado, e começa a falar:

 – Que merda é essa no seu cinto soldado? Tá mudando o uniforme de campanha? Ficou louco? – O sargento fala sem alvoroço.

 O soldado, meio assustado com a reação do sargento, conta o motivo do objeto feminino estranho a uma soldado na guerra.

 – Sargento, esse não é o meu primeiro serviço na linha, e esse sapato é da minha mulher, e me salvou a vida – falando já suspirando.

O sargento com cara de surpresa, arregala os olhos.

–  Salvou sua vida? Como? – pergunta o sargento.

 – É que quando eu sai do Brasil, não houve tempo de me despedir da minha mulher, já que ninguém sabia quando era o embarque, e sempre vinha aqueles cansativos treinamentos de embarque e desembarque, até que entramos no navio e chegamos aqui. Só que como eu moro próximo da Estação do trem que passamos para o porto, consegui ver minha mulher no caminho e ela me viu. Claro, a gente só se viu a distância, então ela pegou esse sapato e jogou e mim, gritando para que eu levasse o sapato comigo o tempo todo, para lembra dela. E eu sempre fiz isso. No meu último serviço na linha, eu estava guardando uma estrada, protegido por sacos de areia em cima de um pequeno morro. A noite, peguei o sapato para matar um pouquinho a saudade. Só que o sapato escorregou da minha mão e caiu no sopé do morro, fiquei com medo de ir buscá-lo, mas resolvi descer, não podia perder a única lembrança da minha mulher, e se eu voltar para o Brasil sem isso, vai dar merda pro meu lado. Assim que desci, e peguei o sapato, explodiu um granada de artilharia no meu posto, tudo foi pelos ares! Se não fosse o sapato eu não estaria aqui hoje, tinha explodido no meu posto. Portanto, o senhor pode me prender, mas esse sapato vai ficar exatamente onde está! – Fala decididamente

O sargento não pergunta mais nada, bate no ombro do soldado e leva o grupamento para o serviço na linha.

O brasileiro amigo da artilharia inimiga

O Sargento Rigoberto contou que certa vez, que a sua companhia estava sofrendo uma barragem de artilharia e todos estavam abrigados. Quando ouvia um dos pracinhas gritando cada vez que um projétil de artilharia passava por suas cabeças.

 “Alta demais…baixa a Alça!” – quando  o projétil passava muito alto.

 E quando o projétil explodia à frente da Companhia ele reclamava com o inimigo.

 – “Foi muito…aumenta a merda da Alça!!”

 A cada tiro, o brasileiro tentava guiar a artilharia alemã. Até que o capitão, comandante da Companhia, resolveu tomar uma decisão:

  – Tirar esse desgraçado da linha, antes que algum alemão que fale português entenda o que ele está falando. – E o soldado foi retirado da linha

 O soldado corajoso para guerra, mas com alguns medos.

Certa vez, uma patrulha do 6º RI , comandado por um sargento, estava atuando próxima a uma pequena vila, quase abandonada. Quando resolveram descansar em uma casa mais afastada de dois andares. Eles resolveram ficar no segundo andar para poder observar o território. O sargento deu ordens para um soldado ficar de sentinela, enquanto o resto do grupamento descansava. A sentinela ficou próxima a uma janela, observando o movimento. Só que a casa tinha um caminho a sua retaguarda, e uma porta que dava acesso direto ao interior da casa. Quando o sargento percebeu, a casa estava com praticamente um pelotão de alemães alojados. Ficar ali, no segundo andar, era perigoso demais, qualquer barulho, chamaria a atenção do pelotão. Então o sargento observou um poste próximo a uma das grandes janelas da casa, e ordenou que os homens pulassem da janela para o poste, e descessem. Já no chão, poderiam se afastar e pedir apoio da nossa artilharia que não estava longe, tudo isso tinha que ser feito sem chamar a atenção do inimigo. Então, todos começaram a pular, um por um, até que ficou apenas o sargento com o soldado Inácio. Soldado considerado um dos mais combativos do regimento, voluntário para patrulhas. O sargento, mandou o Inácio pular, e o bravo soldado ficou estático e só balançava a cabeça – O que foi Inácio? Desce logo essa merda! – xinga o sargento.

 – Não posso sargento, tenho medo de altura! – fala o corajoso guerreiro

 – Como assim medo de altura? Você tá na merda, tá vendo o inimigo lá embaixo não? Pula logo, antes que empurre você pela janela!

 Inácio, se prepara, chega até a janela e volta com lágrimas nos olhos!

 – Sargento, consigo não! Tô quase me mijando de medo dessa altura! – fala já com lágrimas no olhos.

– Inácio, se tu num pular de vez, eu vou pular e deixar você resolver com os tedescos lá de baixo – ameaça o sargento

 Outra tentativa, desta vez Inácio quase escorrega, e se agarra com o sargento, e chora!   Já desesperado, os outros soldados gesticulavam para o sargento. Então ele olha pra baixo:

 – O que é? – Pergunta o desesperado sargento

 Um soldado que conhece o Inácio desde os tempos de escola, diz que Inácio tem mais medo de injeção do que de altura. Então é a solução! O enfermeiro que estava acompanhando a patrulha, jogou o seu estojo e dentro o sargento tirou uma injeção de penicilina, e já falando para o Inácio:

 – O seguinte soldado, você vai pular dessa janela agora, se você voltar aplico essa merda em você – Aponta a seringa para o pobre soldado

Inácio, respira fundo, corre e se joga no poste. A técnica era se jogar com o pé batendo no poste de forma que pudesse cair girando no poste, afim de minimizar o impacto da queda, mas o guerreiro se jogou de pernas abertas! E o poste maltratou profundamente suas partes mais sensíveis, praticamente ficou estatalado, abraçado com o poste alguns segundos, até cair completamente no chão.

 E todos ficaram felizes em ver o pobre Inácio gemendo no chão! Mesmo com todas as dificuldades a patrulha se afasta e aciona a artilharia brasileira, passando as coordenadas da casa com os inimigos.

Artigos sobre o Protesto dos Militares da Reserva

Nunca foi o objetivo desse BLOG politizar ou ser tendencioso em questões contemporâneas, contudo os assuntos dos posts abaixo é mais uma reflexão histórica do que um partidarismo. Não queremos discutir ou entrar em debates sobre a legitimidade da Comissão da Verdade, mas a injustiça na imposição do silêncio a um setor tão importante da sociedade quanto os militares é um precedente extremamente perigoso para um país com a maturidade democrática que alega ter. Se o julgamento do passado for com o objetivo de fazer com que o Brasil conheça sua própria História, isso é salutar e deve ser implementado, mas é imperativo que englobe todos os culpados, inclusive os que cometerem crimes em nome de uma revolução que nunca aconteceu.

Como podemos começar a discutir a verdade se um dos lados tem seu direito de livre expressão caçado?

Íntegra de novo manifesto de militares da reserva

Gol de placa de Amorim: em 4 dias, decisão destrambelhada e ilegal de punir militares da reserva gera 500 novas adesões.

Cem Mil Acessos Diretos – Obrigado a Vocês!

Caros Amigos!

 Chegamos a uma marcar que pessoalmente acredito que seja algo a se celebrar. Estamos alcançando 100 mil acessos diretos. No meu entender, para um BLOG que tem apenas 08 meses é uma excelente marca!

 Nesse período conseguimos ter um público ávido, interessado e principalmente esclarecido. Vocês que acompanham o BLOG Chico Miranda não são um público qualquer, por isso a responsabilidade das publicações é altíssima, pois qualquer deslize a correção chega na mesma velocidade da postagem.

Sinto-me honrado em poder compartilhar com vocês essa marca e dizer que vamos alcançar UM MILHÃO MUITO BREVE!

Nosso BLOG, que não é apenas meu, tem como objetivo ser um local para vislumbrar a História e democraticamente debatê-la.

Muitos me perguntam o motivo de não ter propaganda, inclusive já rejeitei várias propostas para colocá-las, mas esse não é o objetivo. O BLOG Chico Miranda não tem fins lucrativos, pois quando criei esse espaço foi com o intuito de divulgar a História, e é para ela que continuamos nosso trabalho.

A TODOS! MEUS SINCEROS AGRADECIMENTOS!

Chico Miranda

 Para comemorar escolhi 20 publicações são as minhas preferidas e coloco a LINK abaixo para vocês apreciarem novamente, e podem mandar a de vocês também:

Vivendo e Morrendo como um Soldado!

– Gostei dessa publicação por saber a importância histórica de ser soldado.

Fotos e Seus Detalhes Históricos – Parte VIII

– Essa foi a mais gostosa de construir dessa série. A pesquisa foi excelente com detalhes impressionantes

Memórias de um Soldado de Hitler – Parte I

Memórias de um Soldado de Hitler – Parte II

Memórias de um Soldado de Hitler – Parte Final

 – O senhor Meltemenn abriu meus olhos para o lado humano do soldado nazista, aquele que lutou pelo que ele pensou ser a melhor coisa para seu país. Nós também poderíamos estar lutando pelos nossos ideais do lado da Alemanha o de qualquer outro país.

Por que a 148ª Divisão Alemã se entregou somente aos brasileiros na Itália?

– Um texto especial, pois retrata a bravura de uma Divisão Brasileira que desmente muitos críticos idiotas que não conhecem história e acham que podem deflagrar injustiças ao passado da FEB

O Dia D – Visto por um ângulo Diferente

– Primeira visão diferente do Dia D que observei

Ataque e Afundamento na Costa Brasileira do U-Boot – U-848

 – Essa pesquisa foi especial devido ao Fato do marinheiro Hans Schade ter sido encontrado ainda com vida e morrido em solo brasileiro, em solo pernambucano e seu corpo ter sido enterrado com honras militares pelos americanos no cemitério mais conhecido de Pernambuco. Foi incrível essa pesquisa.

Batalha Aérea Sobre a Inglaterra – A Resistência

Para mim a Inglaterra foi o principal bastião de resistência contra a Alemanha. E dessa pesquisa achei a foto que mais me impressionou de toda a Guerra!

Tentei de todas as formas encontrar o nome dessa senhora, infelizmente ainda não consegue, mas minha busca vai continuar…

FEB – Origem da Polícia do Exército

 – Tive muito orgulho em pesquisar sobre a origem da Polícia do Exército, pois tenho orgulho de ter sido um PE, aliás, UMA VEZ PE, SEMPRE PE! Portanto tenho orgulho de SER PE. E essa publicação para mim foi especial.

Segunda Guerra – As Fotos e Seus Detalhes Históricos.

Kamikazes – A História dos Ataques Suicidas

– Resolvi pesquisa sobre os Kamikazes, pois não encontrei muita coisa publicada a respeito.

Recife – Um Olhar Provinciano do Século XIX

– Minha Cidade! O que posso dizer? O homem que não conhece o passado de sua própria terra pode ser considerado sábio?

Humor, Charges e as Fotos Mais Estranhas da Segunda Guerra

– Nem passava pela minha cabeça que a guerra poderia ser tão engraçada

A Propaganda Vermelha – Cartazes Russos 1941

– Em ter de propaganda a URSS é imbatível!

Charges da Guerra – Parte I e II – Agora Tamanho Original

– As charges mais fantásticas!

O Brasileiro é Acima de Tudo Um Forte – O Legado da FEB

– Um Artigo que foi publicado nos jornais pernambucanos, e modesta à parte deu o recado!

Crônica de um Pernambucano

 – Minha Reclamação com Pernambuco: temos dezenas de placas e estátuas espalhadas pela cidade, mas não há uma placa em homenagem aos pernambucanos que perderam a vida na Itália.

Soldados Brasileiros de Hitler

– Entre 1945 a 1948 12 mil alemães ou de origem alemã entraram no Brasil. Quantos lutaram pela Alemanha?

Piloto Russo abatido em 1942

– A História Triste de um Guerreiro

%d blogueiros gostam disto: