Arquivo

Posts Tagged ‘muralha do atlântico’

71 ANOS DA MAIOR OPERAÇÃO ANFÍBIA DO SÉCULO 20 – O Dia D!

 Mais um data para que possamos lembrar. A Operação Overlord teve início no distante 06 de junho de 1944.

 Separamos alguns dos principais artigos que o BLOG já publicou sobre a Dia D, em um vasto acervo de fotografias e análise da operação.

A operação, perdoe-nos os adeptos da República Soviética, é a que mais aguça o interesse de alguns aficionados pela Segunda Guerra Mundial. Deixando de lado a ideologia, escrevemos tanto sobre esse tema, mas mesmo assim parece que o tema não se esgota. Disponibilizamos alguns links de todos os artigos sobre o Dia D, e não são poucos! São 47 Artigos tratando diretamente os eventos do dia 05 e 06 de junho de 1944, data que marca o início das operações aerotransportadas e, posteriormente, os desembarques nas praias normandas. Acompanhada com os artigos, estão disponíveis algumas centenas de fotografias que, diga-se de passagem, estão entre as preferidas. As fotografias que consideramos imperdíveis para quem gosta da operação.

Rommel e o Dia D – Preparação

http://wp.me/pSMXF-4ns

Os Loucos Condenados do Dia D

http://wp.me/pSMXF-4nX

Os Feridos e Mortos em Omaha – Dia D

http://wp.me/pSMXF-4of

Bombardeios Imprecisos, prenúncio do massacre – Omaha/Dia D

http://wp.me/pSMXF-4pi

Dia D – A Operação que Mais Consumiu Recursos Materias e Humanos!

http://wp.me/pSMXF-4qx

Dia D e a Normandia: O Preço Pela Liberdade!

http://wp.me/pSMXF-4Vx

O Dia D – IN LOCO

http://wp.me/pSMXF-5cg

A Hora H do Dia D – Parte II

http://wp.me/pSMXF-5gr

Os Alemães e o Dia D.

http://wp.me/pSMXF-5hi

Os Melhores Registros Fotográficos do Dia D – Homenagem a Robert Capa

http://wp.me/pSMXF-5l3

Dia D – Especial 69 Anos – Destruição e Morte Vinda dos Céus

http://wp.me/pSMXF-5xj

Eis O Dia D, Ainda Chama Atenção

http://wp.me/pSMXF-5Pc

O GOOGLE MAPS do Dia D!!

http://wp.me/pSMXF-5AC

Bunker – As Fortificações do Dia D e Outras

http://wp.me/pSMXF-5yF

O Dia D – Defensores e Atacantes

http://wp.me/pSMXF-3TH

Dia D – Análise, Fatos e Fotos

http://wp.me/pSMXF-3KC

E o Brasil, Como Viu o Dia D?

http://wp.me/pSMXF-C4

Omaha – Dia D – General Cota – O Comandante no Setor DOG WHITE

http://wp.me/pSMXF-CT

O Dia D no LEGO – Muito Legal!

http://wp.me/pSMXF-Dh

O Fracasso da Defesa no Dia D

http://wp.me/pSMXF-DH

Dossiê – A Morte do General Pratt no Dia D – Parte I

http://wp.me/pSMXF-Eu

O Dia D – Visto por um ângulo Diferente

http://wp.me/pSMXF-Uh

Dia D – Visto por Outro Ângulo

http://wp.me/pSMXF-ZO

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a do Soldado – A Mais Difícil – Parte I

http://wp.me/pSMXF-10M

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a do Soldado – A Mais Difícil – Parte II

http://wp.me/pSMXF-11v

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a dos Alemães – Parte Final

http://wp.me/pSMXF-12c

O Dia D, depois do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-224

Os Civis No Dia D e depois do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-22F

O Que Sobrou do Dia D? Cidades Destruídas

http://wp.me/pSMXF-23o

A Marinha de Guerra dos Aliados no Dia D.

http://wp.me/pSMXF-2bp

As Consequências do Dia D para a População da Normandia

http://wp.me/pSMXF-2NU

06 de Junho de 1944 – 67 Anos do Dia D

http://wp.me/pSMXF-Bg

Muito bem. Vamos! – A Ordem do Dia D – Especial – Parte II

http://wp.me/pSMXF-At

05 de Junho 1944 – DIA D 67 Anos – Especial – Parte I

http://wp.me/pSMXF-zL

Os Páraquedistas no Dia D – Parte I

http://wp.me/pSMXF-r9

Dia D – Relatos de Omaha – Parte III – Os Erros em Omaha

http://wp.me/pSMXF-oG

No Dia D – Hitler Dorme do Ponto

http://wp.me/pSMXF-hp

Dia D – Relatos de Omaha – Parte III – Quem fez a diferença

http://wp.me/pSMXF-fp

Dia D – Relatos de Omaha – Parte II

http://wp.me/pSMXF-cE

Dia D – Relatos de Omaha – Parte I

http://wp.me/pSMXF-cC

Depois do Dia D

http://wp.me/pSMXF-98

Prisioneiros de Guerra do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-8Q

Fortificações Destruídas no Dia D

http://wp.me/pSMXF-5w

Erros do Dia D?

http://wp.me/pSMXF-5k

Desastre em DIEPPE – O Dia D que fracassou!

http://wp.me/pSMXF-4B

Fotos & Versões do Dia D

http://wp.me/pSMXF-3e

Operações Militares na Normandia!

http://wp.me/pSMXF-5oL

Antes e Depois – Especial Normandia

http://wp.me/pSMXF-5kL

 

MAIOR Acervo do Dia D na Internet?

 Chegando o aniversário número 70 da Operação Overlord. Evidentemente pensei em escrever um artigo sobre o tema, claro. Essa operação, me perdoe os adeptos da República Soviética, é a que mais aguça o interesse de alguns aficionados pela Segunda Guerra Mundial, graças a propaganda americana. Deixando de lado a ideologia, percebi que já escrevi tanto sobre esse tema, que talvez o que iria escrever soasse repetitivo. Então não vou escrever. Irei disponibilizar os links de todos os artigos que já escrevi sobre o Dia D, nem eu mesmo lembrava que foram tantos! São 47 Artigos tratando diretamente os eventos do dia 05 e 06 de junho de 1944, data de marca o início das operações aerotransportadas e, posteriormente, o desembarques nas praias normandas. Acompanhada com os artigos, estão disponíveis uma centena de fotografias que, diga-se de passagem, estão entre as minhas preferidas. Por sinal, estou indicando uma galeria com as fotografias que considero imperdíveis para quem gosta da operação.

 

Com relação ao “MAIOR Acervo”, pode ser que tenha outros, claro! Mas é só para chamar a atenção.

 ESPERO QUE GOSTEM!

 

Rommel e o Dia D – Preparação

http://wp.me/pSMXF-4ns

Os Loucos Condenados do Dia D

http://wp.me/pSMXF-4nX

Os Feridos e Mortos em Omaha – Dia D

http://wp.me/pSMXF-4of

Bombardeios Imprecisos, prenúncio do massacre – Omaha/Dia D

http://wp.me/pSMXF-4pi

Dia D – A Operação que Mais Consumiu Recursos Materias e Humanos!

http://wp.me/pSMXF-4qx

Dia D e a Normandia: O Preço Pela Liberdade!

http://wp.me/pSMXF-4Vx

O Dia D – IN LOCO

http://wp.me/pSMXF-5cg

A Hora H do Dia D – Parte II

http://wp.me/pSMXF-5gr

Os Alemães e o Dia D.

http://wp.me/pSMXF-5hi

Os Melhores Registros Fotográficos do Dia D – Homenagem a Robert Capa

http://wp.me/pSMXF-5l3

Dia D – Especial 69 Anos – Destruição e Morte Vinda dos Céus

http://wp.me/pSMXF-5xj

Eis O Dia D, Ainda Chama Atenção

http://wp.me/pSMXF-5Pc

O GOOGLE MAPS do Dia D!!

http://wp.me/pSMXF-5AC

Bunker – As Fortificações do Dia D e Outras

http://wp.me/pSMXF-5yF

O Dia D – Defensores e Atacantes

http://wp.me/pSMXF-3TH

Dia D – Análise, Fatos e Fotos

http://wp.me/pSMXF-3KC

E o Brasil, Como Viu o Dia D?

http://wp.me/pSMXF-C4

Omaha – Dia D – General Cota – O Comandante no Setor DOG WHITE

http://wp.me/pSMXF-CT

O Dia D no LEGO – Muito Legal!

http://wp.me/pSMXF-Dh

O Fracasso da Defesa no Dia D

http://wp.me/pSMXF-DH

Dossiê – A Morte do General Pratt no Dia D – Parte I

http://wp.me/pSMXF-Eu

O Dia D – Visto por um ângulo Diferente

http://wp.me/pSMXF-Uh

Dia D – Visto por Outro Ângulo

http://wp.me/pSMXF-ZO

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a do Soldado – A Mais Difícil – Parte I

http://wp.me/pSMXF-10M

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a do Soldado – A Mais Difícil – Parte II

http://wp.me/pSMXF-11v

DIA D – Mais Um Ângulo Diferente, a dos Alemães – Parte Final

http://wp.me/pSMXF-12c

O Dia D, depois do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-224

Os Civis No Dia D e depois do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-22F

O Que Sobrou do Dia D? Cidades Destruídas

http://wp.me/pSMXF-23o

A Marinha de Guerra dos Aliados no Dia D.

http://wp.me/pSMXF-2bp

As Consequências do Dia D para a População da Normandia

http://wp.me/pSMXF-2NU

06 de Junho de 1944 – 67 Anos do Dia D

http://wp.me/pSMXF-Bg

Muito bem. Vamos! – A Ordem do Dia D – Especial – Parte II

http://wp.me/pSMXF-At

05 de Junho 1944 – DIA D 67 Anos – Especial – Parte I

http://wp.me/pSMXF-zL

Os Páraquedistas no Dia D – Parte I

http://wp.me/pSMXF-r9

Dia D – Relatos de Omaha – Parte III – Os Erros em Omaha

http://wp.me/pSMXF-oG

No Dia D – Hitler Dorme do Ponto

http://wp.me/pSMXF-hp

Dia D – Relatos de Omaha – Parte III – Quem fez a diferença

http://wp.me/pSMXF-fp

Dia D – Relatos de Omaha – Parte II

http://wp.me/pSMXF-cE

Dia D – Relatos de Omaha – Parte I

http://wp.me/pSMXF-cC

Depois do Dia D

http://wp.me/pSMXF-98

Prisioneiros de Guerra do Dia D!

http://wp.me/pSMXF-8Q

Fortificações Destruídas no Dia D

http://wp.me/pSMXF-5w

Erros do Dia D?

http://wp.me/pSMXF-5k

Desastre em DIEPPE – O Dia D que fracassou!

http://wp.me/pSMXF-4B

Fotos & Versões do Dia D

http://wp.me/pSMXF-3e

Operações Militares na Normandia!

http://wp.me/pSMXF-5oL

Antes e Depois – Especial Normandia

http://wp.me/pSMXF-5kL

Dia D – Especial 69 Anos – Destruição e Morte Vinda dos Céus

Há 69 anos a região da Normandia estava sendo palco do maior desembarque anfíbio da história militar. A Operação Overlord iniciara com a primeira leva desembarcando as 06:30 pontualmente em cinco praias francesas de codinome Ohama, Utah, Gold, Juno e Sword. Essa operação, mundialmente conhecida como O DIA D, ficou no imaginário daqueles que estudam ou são entusiastas da Segunda Guerra Mundial.

Hoje o BLOG terá um dia inteiro com publicações sobre o Dia D e seus desdobramentos.

Iniciamos agora não no Dia D, mas em uma visão diferente para uma análise individual. Os sistemáticos bombardeios as cidades francesas. Quase todas as cidades que estiveram no caminho das tropas aliadas foram bombardeadas, enquanto todas os centros populacionais costeiros foram total ou parcialmente destruídas.

A galeria abaixo mostra 80 fotografias, sendo que as 40 primeiras mostram o momento de um bombardeio ou o momento logo após. A segunda parte da galeria exibe a destruição em solo depois dos bombardeios. Cada foto é uma consequência de uma da galeria anterior, portanto é de imagina a agonia da população civil das cidades como Saint-Lo e Caen. Uma reflexão.

Aguardem que mais publicações que hoje o dia é do Dia D.

DESTRUIÇÃO EM TERRA

Os Alemães e o Dia D.

Quando no início de 1944 Rommel resolve realizar uma inspeção na inexpugnável Muralha de Atlântico. Observou que o “inexpugnável” só fazia sentido para a propaganda do “doutor” Goebbels. Uma análise da Raposa do Deserto constatou que para se deter uma investida aliada era necessário deter o inimigo antes que ele tivesse a chance de conquistar uma “cabeça-de-praia”, então formula a célebre frase: “o mais longo dos dias”. Como providências para esse pensamento, os reforços bélicos foram aumentados consideravelmente, com aumentando as defesas fixas na região na Península de Contentin, alagamento de grandes áreas e proteção contra desembarques aerotransportados, além de uma quantidade absurda de obstáculos nas praias e extensas áreas minadas.

Todos os especialistas do Dia D são unânimes em afirmar que a designação de Rommel para Teatro de Operações na Europa aumentou de modo exponencial as baixas dos aliados na incursão pela França. Ele queria deter qualquer tentativa de avanço sobre o território francês. Contava com divisões panzers para um contra-ataque rápido de feroz no mesmo dia dos desembarques. Nesse momento entra a ordem absurda de Hitler de que qualquer deslocamento de panzers deveria ser realizada apenas sob suas ordens, e  ele estava dormindo até duas horas da tarde do Dia D. A ordem só chegou no final do Dia D e com ressalvas de tropas, tornando o deslocamento complicado naquele momento.

Depois de perder o ímpeto combativo, os defensores, apesar de enormes baixas causadas na praia de codinome Omaha, cedeu terreno e acabaram retraindo para o interior. As principais defesas foram concentradas na cidade de Caen, onde a resistência alemã lutou por meses. A cidade foi totalmente destruida por bombardeios aéreos, mas mesmo assim ainda, havia duros combates até a conquista total.

Argentan, Caretan e a região de Contentin foram cenários de duros combates. Mas nesse momento a capitulação da Alemanha em terras francesas era uma questão de tempo.

Abaixo um conjunto de fotografias que visa mostrar as tropas alemães antes e depois do Dia D.

O Dia D – IN LOCO

Há alguns meses atrás estava em uma das mais tradicionais livrarias aqui em Pernambuco, procurando uma boa revista e encontrei e não pude deixar de ouvir um comentário de um senhor que foleava uma revista sobre o Dia D: “ninguém merece! Mais uma matéria sobre o Dia D, parece que só teve isso na Segunda Guerra”. É fato que a Operação Overlord foi atípica no contexto da guerra, mas é fato também que o assunto é muito exaurido, mas vamos falar um pouco mais. Em relação a outras batalhas da Segunda Guerra, o Dia D não foi nem de perto a maior. Contudo, não podemos deixar de estudar o assunto por algumas razões que enumero abaixo:

  • Invasão da Europa – o contexto de que em 1943/1944 a Alemanha declarava em sua propaganda que a Muralha do Atlântico era inexpugnável selou uma área de interesse pela Invasão da Europa que permaneceu até depois da guerra. Tanto que o seu comandante se transformou em Presidente dos Estados Unidos;

  • Liberdade da França – Os franceses que eram parte integrante da balança do poder na Europa durante século estava sob o julgo de nação inimiga a quase quatro anos, e seu povo vivia a expectativa da liberdade.

  • Baixas Civis – Ponto questionado a muito, qual o preço da liberdade da França? Um bombardeio de proporções épicas atingiu todas as cidades da Normandia deixando um rastro de mortos civis e destruição generalizada de construções e plantações.

  • Baixa de soldados – Apesar de importantes objetivos sendo alcançados no primeiro dia a um alto custo de vidas de soldados, principalmente em Omaha, onde centenas de milhares de soldados morreram antes mesmo de disparar um único tiro. E não demorou muito para que os alemães lutassem contra os avanços. Caen por exemplo, resistiu por meses.

  • Operações Aerotransportadas – A utilização de paraquedistas no Dia D menos um, tornou a operação possível em diversos níveis, desnorteando as forças de defesa, além de executarem a maior operação aerotransportada da história.

Esses foram apenas alguns motivos que levaram a Operação Overlord, o Dia D, a ser a mais famosa operação militar da História, mesmo que ela não tenha sido a maior.

Portanto vamos verificar nas fotografias cada área desta abordagem. Nas melhores fotos do Dia D.

Rommel e o Dia D – Preparação

Não há como negar. Uma dos principais motivos de preocupação para o Comando Supremo Aliado para o Dia D atendia pelo nome de Erwin Rommel. A designação de Rommel para  cuidar da defesas estáticas alemãs na França foi determinante para as dificuldades que os Aliados encontrariam a partir de 06 de junho de 1944. Diga-se de passagem, que as coisas não ficaram pior pelo simples fato de Rommel não ter o pleno domínio das unidades diretamente empregadas no litoral normando. Evidentemente acrescenta-se a divergência dele e Rundstedt discordarem de tipo de estratégia que seria utilizada assim que a invasão iniciasse. Sendo que ele apostava tudo na defesa das praias, com as unidades panzers contra-atacando imediatamente antes que a cabeça-de-praia inimiga fosse formada, enquanto que Rundstedt acreditava que o melhor era preservar as unidades blindadas no litoral, longe da artilharia marítima aliada.

Em fevereiro de 1944 Rommel começou a inspecionar a Fortaleza Europa. Como resultado de sua inspeção, o aumento significativo das fortificações, minas, obstáculos e do poderio bélico nas regiões mais desguarnecidas, teoricamente menos provável para um desembarque, mas no local onde ele aconteceria quatro meses depois. Empregou além de tropas a população civil da França. Estava decidido a cumprir sua missão, mesmo que ele mesmo não mais acreditasse nela.

O Dia D, depois do Dia D!

O dia 06 de junho de 1944 entrou para história como sendo a maior operação anfíbia que o mundo jamais vira. Apesar do comando da operação está nas mãos dos americanos, a invasão a Muralha do Atlântico teria a participação de vários países. Mas não vamos nos prender ao Dia D, tendo em vista que um assunto bastante estudado, e sim nas operações posteriores ao Dia D que foram tão duras quanto o desembarque nas praias da Normandia, e causaram perda de pessoal e material tão importante quando as verificadas nessas praias. Monty, sustentava a ideia de que, ainda no Dia D, as tropas britânicas tomariam Caen, mas a forte resistência alemã só permitiu a tomada quase três meses depois do dia 06 de junho, e essa não foi uma exceção, cidades como  Cherbourg e Argentan, só foram retomadas depois que os Aliados utilizaram artilharia e expulsaram os focos de resistência alemã dentro das cidades. Nos campos próximos as batalhas foram ainda mais sangrentas, elevando assim o número de baixas e perda de material. Para acelerar o capitulação alemã na França, foi chamado de volta a General Patton, que fora afastado das operações de campo, sendo dado o comando da Operação Cobra que tinha por objetivo o avanço rápido no território francês.

Para concluir podemos afirmar que o Dia D não foi o apenas no dia 06 junho 1944, mas o conjunto dos dias que culminaram com a liberação da Europa Ocidental. Se que o Dia D realmente aconteceu na Europa Ocidental.

05 de Junho 1944 – DIA D 67 Anos – Especial – Parte I

 A Ordem para o Dia D foi dada pelo General Eisenhower no dia 05 de junho de 1944. Após ter adiado em 24 horas a Invasão à Europa devido a problemas meteorológicos, o Comandante Supremo dar às ordens para que a Operação Overlord inicie. E a primeira tropa a cruzar o Canal da Mancha em direção a Muralha do Atlântico foram as tropas pára-quedistas, dos quais destacamos abaixo a ação da 101ª Divisão Aerotransportada no decorrer do Dia D:

A 101ª Divisão Aerotransportada entrou em ação pela primeira vez na Segunda Guerra durante a invasão da Normandia – 6 de junho de 1944. A divisão, como fazia parte do VII Corpo de assalto, saltando na manhã escura do antes da H horas para tomar posições a oeste da praia chamada Utah. Dada a missão de estabelecer flancos sul do Corpo, a divisão também tinha que eliminar as defesas secundárias dos alemães na praia, permitindo que as forças marítimas da 4ª Divisão de Infantaria, uma vez em terra,  pudessem continuar a invasão. As águias foram capturar as pontes que corria atrás da praia, entre St. Martin-de-Varreville e Pouppeville. No setor sul da divisão, foi para aproveitar o bloqueio barquettela e destruir uma ponte da estrada a noroeste da cidade de Carentan, e uma ponte da ferrovia oeste. Ao mesmo tempo, elementos da divisão foram estabelecer duas pontes sobre o rio Douve em Le Port, a nordeste de Carentan.

Crônicas das Operação na Normandia

 Como a força de assalto se aproximando da costa francesa, encontramos pesadas nuvens e fogo antiaéreo, o que obrigou os aviões a quebrar a formação. Os pára-quedistas da 82ª e 101ª Divisões Airborne perderam suas zonas de pouso e foram dispersos sobre grandes áreas. A primeira luta de muitos combatentes foi para encontrar suas unidades; 1.500 soldados da divisão foram mortos ou capturados. Quando as unidades ou soldados finalmente se reuniram, eles tinham dificuldade em identificar suas localizações em relação aos seus objetivos. Os pára-quedistas da 101ª receberam reforços na madrugada, quando 51 de planadores da divisão foram se estabelecendo por terra. Os planadores, porém, tinha seus próprios problemas. Muitos dos planadores caíram, e vários soldados da divisão foram mortos, incluindo o general Don F. Pratt, o comandante auxiliar da divisão. Os pousos dos planadores, ao entardecer daquele dia, produziram ainda mais vítimas.

 Os homens da divisão, porém, perseveraram e continuaram com as suas missões atribuídas da melhor forma possível. Ao anoitecer, os soldados da 101ª tinham garantido as saídas de praia, na sua zona e contatou as forças de desembarque da 4 ª Divisão. As Águias também controlavam o bloqueio barquettela, mas não puderam assegurar travessias sobre o rio Douve. No dia seguinte, elementos da 101ª tentaram avançar no setor sul da divisão, mas fez pouco progresso contra a pesada resistência do inimigo perto da aldeia de St. Come-du-Mont. No mesmo dia, o general Eisenhower ordenou que os esforços americanos se concentrassem em fechar a lacuna entre o V e VII do Corpo. O VII Corpo recebeu ordens para capturar a cidade de Carentan, e a tarefa foi dada a 101ª, já fora da posição de São Côme-du-Mont a noroeste.

 Em 8 de junho elementos do 501 e 506 Infantaria Pára-quedista, juntamente com o 1 º Batalhão,  encontrou uma força alemã na cidade de St. Come-du-Mont. O 3º Batalhão, 501ª, tomaram posições ao sul da cidade, ao longo da rodovia para Carentan, onde encontrou o inimigo. O 1º Batalhão, foi chamado para auxiliar o 3º, mas o inimigo retirou-se antes que as tropas chegassem. Ambos os batalhões do 101ª perseguiram o inimigo em retirada, mas não houve mais contato. Os alemães haviam abandonado a cidade, e as águias mudaram-se para planejar o próximo passo na unidade em Carentan.

 O ataque em Carentan era para ser em duas vertentes. O braço direito da unidade iria cruzar o caminho a noroeste de Carentan, em volta da cidade, e continuar a sudoeste para ocupar Billonerie, que, pensava-se, cobrir as potenciais rotas de fuga disponível para os alemães. O braço esquerdo do ataque iria atravessar o rio Douve perto Brevands, enquanto uma parcela menor da força se deslocaria a leste do rio Vire para manter contato com o V Corpo.

O 3º Batalhão, do 502º, levou a unidade para a direita. O progresso, no entanto, foi extremamente lento. Os homens do 502 avançaram ao longo do caminho, sem cobertura, sob fogo constante à medida que avançam. O batalhão avançou até chegar a ponte sobre o rio Madeleine e correu para uma posição fortificada do inimigo, concentrada em uma velha casa de fazenda e nas sebes adjacentes. O tenente-coronel Robert G. Cole, o comandante do batalhão, solicitou fogo de artilharia sobre a posição, mas não adiantou. Fixado para baixo, ele ordenou que os homens calassem as baionetas para o combate. O coronel Cole saltou para conduzir a carga, mas nem todos os seus homens tinham começado a executa a ordem. O executivo incitou os homens, e Cole continuava com os soldados que haviam seguido. Os alemães se retiraram da fazenda. Cole foi condecorado com a Medalha de Honra por seus esforços nesse dia. Infelizmente, ele foi morto em uma operação de divisão mais tarde antes de receber sua medalha.

 Tendo sofrido pesadas baixas em sua caminhada ao longo do caminho, e estar em desarranjo após a carga de baionetas, o batalhão não poderia perseguir o inimigo em retirada. O 1º Batalhão, 502 PIR, surgiu através da linha a seguiu os alemães. O 1º Batalhão, no entanto, tinha avançado mesmo sob o fogo e o 3º Batalhão, também era incapaz de fazer o exercício. Os dois batalhões, em vez disso, tinham que defender a posição recentemente tomada. Suas defesas foram postas à prova na manhã seguinte, quando os alemães lançaram um contra-ataque forte. Durante todo o dia os batalhões realizaram a defesa do terreno até que foram finalmente aliviado pelo 2° Batalhão. Elementos do 506ª Infantaria Pára-quedista aliviou os batalhões sitiados do 502 em 12 de Junho. Naquela noite o 506 tinha reforçado a unidade em Carentan.

 Embora o 502º tenha lutado ao longo do caminho, a 327 Planadores de Infantaria, com o 401 batalhão, levou o ataque de esquerda. Em 10 de junho elementos da força atravessaram o rio Douve e ocuparam a cidade de Brevands. A batalha continuou em direção ao sudeste da cidade de Auville-sur-le-Vey para manter contato com o V Corpo. Encontrando resistência alemã dura fora da cidade, o combate rompeu a linha inimiga para fazer contato com elementos da 29ª Divisão de Infantaria, que faz parte do V Corpo. O 327, depois de cruzar a Douve, tinham ordens de apreender tanto a ponte da ferrovia e da ponte da estrada que cruzava o Canal Ville-Taute, bloqueando as vias de evacuação do leste de Carentan. O regimento conseguiram capturar e segurar a ponte da estrada, mas a ponte da ferrovia foi destruída na luta. Os homens do 327 atravessaram o canal e continuaram a sua luta em direção a Carentan até a resistência inimiga interrompendo seu progresso sobre uma meia milha da cidade.

 O general Anthony C. McAuliffe, comandante da artilharia de 101, coordenou a movimentação final de Carentan, que teve lugar em 12 de junho. Ao longo da noite do dia 11, a cidade foi colocada sob fogo pesado, mas, as forças americanas desconheciam que a principal tropa alemã se retirara sob o manto da escuridão. Na manhã seguinte, o 2° Batalhão, 506 PIR, entrou Carentan do sudoeste e conectado com o 1º Batalhão, que se aproximou do nordeste. Uma vez que os dois batalhões tinham se comunicado, eles começaram a limpar a cidade dos vagabundos inimigos restantes. Sob as ordens para a segurança dos acessos à cidade, a 501 e 506 mudou ao longo das estradas para o sudoeste, enquanto que o 327 avançavam para leste. Ambos os grupos, porém, encontram oposição do inimigo, e seu progresso foi limitado. Em 13 de junho os alemães lançaram um contra-ataque feroz na tentativa de retomar a cidade. O Primeiro Exército com elementos da 2ª Divisão Blindada apoiaram a 101 na defesa Carentan. Juntos, os americanos pararam as linhas inimigas e consolidaram a ocupação da cidade.

 Dois dias depois, o VIII Corpo tornou-se operacional, e a 101ª foi transferido para a nova sede. Com a missão de estabelecer posições defensivas em toda a península de Cotentin, o VIII Corpo deu a responsabilidade para as águias protegerem o flanco esquerdo do VIII Corpo. Em 27 de Junho, a Divisão de 83ª Infantaria chegou e aliviou a 101ª. Dois dias depois, o 101 foi deslocado do VIII Corpo e enviado para Cherbourg para apoiar a 4 ª Divisão de Infantaria. O 101ª ficou como reserva do Primeiro Exército até meados de julho, quando retornou à Inglaterra para descanso e treinamento.

A divisão sofreu pesadas baixas de pessoal e considerável e perdas de equipamentos durante as batalhas da Normandia. A 101ª passou o verão substituindo equipamento, treinando novos soldados, e espera pela sua próxima missão. Em agosto de 1944, Eisenhower estabelece o Primeiro Exército Aliado Aerotransportado, para controlar os elementos das Divisões americanas e britânicas (e polonês). O novo exército foi posto à prova em setembro de 1944 durante o assalto dos Aliados no norte da Europa: Operação Market-Garden.

Fortificações Destruídas no Dia D

O Exército Alemão em 1944 estava muito longe de ser a temida wehrmacht que assustou o mundo com a blitzkrieg de 1939. Tinha por objetivo, naquele período da guerra, evitar um desembarque Aliado em toda a costa francesa, para tanto incrementou as fortificações costeiras para deter a invasão, e o próprio Hitler ordenou a construção da chamada “Muralha do Atlântico”, que na verdade serviu mais como objeto de propaganda nazista do que algo instransponível. Contudo, no início de 1944 quando o Marechal de Campo Rommel assumiu o comando das defesas francesas aumentou ferozmente as defesas fixas, tudo isso, ele tinha a certeza de que o avanço Aliado só poderia ser detido ainda durante os desembarques na praia, e chamou o dia da invasão “O mais longo dos dias”. Enfim, segue abaixo alguns exemplos das fortificações que foram destruídas durante a invasão da Normandia.

Este slideshow necessita de JavaScript.

%d blogueiros gostam disto: