Arquivo

Posts Tagged ‘tanques’

Blindados e Outros Veículos

A força dos blindados mudou o curso da guerra. Antes, um desajeitado monte de ferro, mas se tornou a primeira e mais destrutiva arma de guerra já posta em combate até então. Seguindo a mesma linha, outros blindados apareceram para várias funcionalidades específicas, como retirar minas terrestres, patrulhamento, transporte de tropas, defesas antiaéreas e muitas outras funções para veículos blindados dos mais diversos.

Segue galeria dos veículos blindados

Os principais POSTs sobre Tanques da Segunda Guerra Mundial

Tanques: A Ponta de Lança da Alemanha na Segunda Guerra

Durante a Grande Guerra os Tanques de Guerra eram grotescos e bizarros, com pouca mobilidade e nada confiável. Mas durante o período entre guerras, com avanço da tecnologia bélica, os tanques de combates passam a ser a ponta de lança de uma nova doutrina de guerra que tomava forma. Nenhum Exército poderia ignorar isso, pelo menos não deveria.

Através de alemães como Von Seeckt e Guderian que iniciaram a introdução e a doutrina de utilização de Tanques em conjunto com a infantaria, a Alemanha assombrou os especialistas militares à época. Enquanto a França importava cavalos e se vangloriava de ter os melhores “Pombos-Correios” da Europa, a Cavalaria Mecanizada tomava forma e se estabelecia como principal arma bélica das conquistas da Alemanha no início da Segunda Guerra Mundial.

 Segue a galeria de Tanques que lutaram nos diversos Fronts da Segunda Guerra Mundial, dos mais conhecidos aos mais estranhos.

Rússia, 1941. Uma Guerra Sem Louros – Parte VI

PARTE 6

O artilheiro de tanques Karl Fuchs da 7ª Divisão Panzer, proporcionou para sua esposa uma visão também difamatória dos prisioneiros de guerra russos:

“Dificilmente você poderá ver um pessoa com um rosto que pareça racional e inteligente. Todos eles parecem definhados e o olhar meio louco e selvagem faz com que pareçam uns imbecis. E esses canalhas, guiados por judeus e criminosos, querem carimbar a sua marca na Europa bem como no mundo. Graças a Deus que nosso Führer, Adolf Hitler, está evitando que isto aconteça.”

O cinejornal alemão Wochenchau, exibido em julho, abordou as imagens feitas dos prisioneiros de guerras mongóis e outros asiáticos. O comentário ridicularizava sobre “a pequena amostragem destes tipos particularmente horríveis de bolcheviques sub-humanos.” Tais sentimentos estavam refletidos nas cartas enviadas do front para as suas casas. Um operador de rádio comentou:

“Nós estamos bem no interior da Rússia, no “paraíso” para o qual irão os soldados (alemães) que decidirem desertar. Uma miséria terrível impera aqui. Pessoas tem sido oprimidas de forma inimaginável por dois séculos. Nós todos preferimos morrer do que aceitar o tormento e a miséria que o povo daqui é obrigado a conviver.”.

Ao encontrar um inimigo alegadamente “inferior” durante os primeiros estágios da campanha, a soberba baseada em um conceito puramente racista deu lugar a um desprezo. Mas este logo seria punido.

Ao final de junho de 1940, o III/IR9 participava de uma operação para liberar um bosque em torno da estrada a nordeste da cidade de Bialystok, perto do vilarejo de Krynki. Um jovem tenente de Panzerjäger, apesar de ser aconselhado a não fazê-lo, arrogantemente insistiu em avançar à frente para além do trecho liberado e através de uma parte do bosque provavelmente infestada de soldados russos. O pelotão de Panzerjäger prosseguiu e assim que ficou longe da vista da infantaria alemã que o apoiava, ouviu-se que os veículos haviam parado. Gritos desumanos de dor logo rasgaram os céus intercalados com berros de ordem em russo. O Major Haeften, comandante da companhia de infantaria, ordenou que um ataque se formasse rapidamente para resgatar o pelotão anti-tanque que sofrera a emboscada. O pelotão líder, comandado pelo Feldwebel Gottfried Becker se deparou com um cenário de carnificina o qual eles “só poderiam aceitar de forma gradual e muito lentamente”. Eles ficaram enojados com o que viram. “Aqui e ali um corpo se contorcia convulsivamente ou se remexia sobre o seu próprio sangue.” Quanto mais a tropa de resgate se aproximava da cena macabra, maior era a magnitude das atrocidades cometidas contra os infelizes Pazerjägers.

“A maioria dos soldados alemães teve os seus olhos arrancados, outros tiveram as suas gargantas dilaceradas. Alguns tiveram a sua baioneta enfiada no próprio peito. Dois soldados tiveram a jaqueta e a camiseta do uniforme rasgadas, seus estômagos nus foram abertos, as vísceras brilhantes dependuradas sobre uma massa ensangüentada. Dois outros tiveram os seus órgãos genitais cortados e colocados sobre o peito.”

Os soldados alemães (do resgate) “tropeçavam como se estivessem em transe” pela estrada enquanto contemplavam aquela cena de completa desolação. “Esse porcos” murmurou um soldado enquanto que outro vomitava na estrada; um terceiro homem de pé olhava fixamente, seu corpo tremendo enquanto ele silenciosamente chorava. As notícias rapidamente se espalharam pela Divisão. O comandante do regimento contestava a Ordem dos Comissários (A Ordem dos Comissários, conhecida na língua alemã como Komissarbehelf, foi uma determinação direta de Hitler instituída alguns dias antes da invasão da União Soviética. Ela estabelecia que qualquer comissário político soviético que fosse preso deveria ser imediatamente executado – N. do T.) mas assim que um comissário político foi capturado, ele foi entregue sem nenhum escrúpulo para a polícia militar e prontamente executado.

C O N T I N U A

Por A Raguenet

A Destruição de Tanques na Segunda Guerra Mundial

Interessante a Segunda Guerra. No início o poder de um país era medido pela quantidade de tanques que dispunha, até ai tudo bem. Mas posteriormente se passou a medir o poder do país pela quantidade de tanques que ele conseguia produzir, aliada, obviamente, a qualidade do mesmo, graças altos índices de perdas nos campos de batalha. No final da guerra o poder era mensurado pela quantidade de tanques que ainda operavam. Lembrando que isso nos faz refletir sobre as tripulações desse instrumento de guerra, a cada carro destruído havia uma tripulação morta ou capturada.

A Batalha de Kursk que aconteceu entre 4 a 22 de julho de 1943, serve de parâmetro para imaginarmos o que foi a perda de tanques na Segunda Guerra Mundial. O envolvimento de 7000 tanques soviéticos contra 2700 tanques alemães, causou tanta destruição que resultou mais 177 mil mortos do lado soviético e 56 mil mortos do lado alemão.

Que esse instrumento bélico possa apenas ser desenvolvido e nunca mais utilizado na extensão de quase 70 anos atrás.

 

 

 

A Blitzkrieg|: Nova Doutrina que Assustou o Mundo!

Na década de 20, um veterano da Grande Guerra assume o comando do Reichswehr  (Defesa Nacional), denominação dada ao Exército pelas imposições do Tratado de Versalhes e passa a comandar um contingente de apenas 4 mil oficiais e 96 mil praças. Como comandante do Exército Alemão nesse período difícil, o General Von Seeckt foi o primeiro militar a conceber alguns conceitos que entrariam para história alguns anos depois. Ele vislumbrou que as guerras futuras seriam decididas segundo o grau de mobilidade da tropa durante uma batalha. Estavam lançados os pilares fundamentais da Blitzkrieg! Além disso, Seeckt também defendia o profissionalismo das tropas, em contrapartida a enormes contingentes de recrutas com pouca ou nenhuma formação militar. Fatos que foram determinantes para as vitórias arrasadoras em 1940 durante a invasão alemã na França.  Muito embora Seeckt  não entendesse um ponto de vista fundamental para a BlitzKrieg, que era o emprego maciço de blindados e da força aérea para consolidar posições durante uma ofensiva, juntamente com a infantaria. Ele ainda acreditava na Cavalaria Hipomóvel, fato que não o qualificou como o principal criador dessa nova doutrina de combate que assustou o mundo com suas vitórias esmagadoras no decorrer da Segunda Guerra. Coube ao General Heinz Guderian conceber o emprego tático de blindados nas propostas de mobilidade no combate levantadas por Seeckt .

O emprego dessa nova doutrina possibilitou a criação de uma força expressivamente mais evoluída, em termos de combate, mesmo com o efetivo menor, porém mais qualificado, equipado e com mais apoio logístico do que o inimigo. Esses foram os fatores determinantes para as vitórias da Alemanha entre os anos 1939 a 1942.

Página no Facebook:

http://www.facebook.com/BlogChicoMiranda

Comunidade no ORKUT:

http://www.orkut.com.br/ChicoMiranda

Curiosidade: O Tanque Guarda-Chuva

Houve momentos em que os projetistas acreditavam que a melhor proteção para o tanque de um projétil era um guarda-chuva! Sim, não se surpreenda, pois a proteção foi modelada como um guarda-chuva. Ele quase foi posto em serviço e foi testado para uma grande variedade de tanques soviéticos.

Tanque T-55 equipado com um sistema integrado de escudo anti-projétil de carga (posição para viagem)

Tanque T-54 equipado com um escudo integrado e pronto para um teste de fogo de projétil

Tanque T-54 equipado com um escudo integrado e pronto para um teste de fogo de projétil

 

Tanque T-54 equipado com um escudo integrado e pronto para um teste de fogo de projétil

Tanque T-54 equipado com um escudo integrado e pronto para um teste de fogo de projétil

 

Tanques – Destruição e Bravura de Cavaleiro!

Falamos sempre da Infantaria, pois é das armas a Rainha!! Cantamos a canção da Rainha das Armas:

“…Nós Peitos nunca vencidos de valor desmedidos no fragor da disputa…És a Nobre Infantaria das Armas a Rainha…”

Mas sinceramente, o cara da Cavalaria Mecanizada é das armas a morte mais sofrível! Dentro de uma tanque da Segunda Guerra, sob um ataque aéreo…O que fazer? Nem correr o cara pode!! E basta um soldado! Apenas um! Dotado de um mísera arma anti-tanque…Já era!! Se sair correndo a abandonar o tanque…Já era!! Se ficar dentro sem abrir a escotilha…Já era!!

 Enfim! O cara tem que ser muito de Infantaria para lutar dentro de um “Cavalo Mecânico” . Segue alguns exemplos!!

Veículos Experimentais da Segunda Guerra

 

Este slideshow necessita de JavaScript.

Tanque Russo usado pelo Alemães encontrado depois de 56 anos

Em 14 de setembro de 2000, uma escavadeira Komatsu puxou um tanque abandonado russo da Segunda Guerra Mundial de seu túmulo conservado sob o fundo de um lago perto de Johvi, Estônia. O tanque soviético T34-76A descansava no fundo do lago há 56 anos. O tanque tinha sido capturado e usado pelos alemães durante a batalha, e quando o combustível começou a vazar, eles soltaram-no deliberadamente dirigindo até um lago onde ele afundou e lá permaneceu até o ano de 2000.

Rebocador Komatsu que será utilizado no resgate

A escavadeira Komatsu tem o poder e tração necessária para puxar o tanque. O trator está puxando a partir de uma elevação o tanque, o que e requer mais esforço.

A Elevação

Com a ajuda de seus cavalos de potência, o T-34 é lentamente liberado de seu túmulo.  O esforço continua, e a cruz alemã do tanque na torre já pode ser vista enquanto o tanque vai emergindo. Quando um exército captura e utiliza um tanque inimigo os captores pintam seus próprios símbolos no veículo para que seja reconhecido pelo seu próprio lado e não ficar sob fogo amigo.

A Cruz Alemã deixa claro que o tanque russo foi capturado.

Quase a metade do tanque agora está fora do lago. A cúpula da torre está aberta. A comunidade local ajuda a limpar as raízes da árvore que impedia o progresso.

Quase lá...

Agora o tanque está livre de toda a raiz da árvore que o segurava, e o T-34 é arrastado para fora.

Impressionante o estado de conservação do Tanque

O tanque está completo agora e sendo transportado para fora. Está intacto, nenhum dano aparente foi causado. É como se o tanque fosse armazenado em uma cápsula do tempo. Ela aparece exatamente como na última vez que esteve em combate na Segunda Guerra Mundial.

Muito sujo, mas o tanque está 100% completo após 56 anos no lago. É incrível como o tanque foi tão bem preservado no pântano.

A tintura ainda está conservada e com pouco ou nenhuma ferrugem. Até mesmo os simbolos pintados ainda são claramente visíveis e não apresentam grande deterioração ao longo dos anos .

Apesar de suja, a munição do tanque ainda estava intacta. Estas munições serão retirados e eliminadas pelo exército dada sua condição perigosa

A HISTÓRIA

De fevereiro a setembro de 1944, pesadas batalhas foram travadas na estreita faixa de 50 km de largura na frente de Narva na parte noroeste da Estônia. Mais de 100 mil homens foram mortos e 300 mil foram feridos. Durante batalhas no verão de 1944, o tanque foi capturado do exército soviético e usado pelo exército alemão. (Esta é a razão das cores alemãs pintada na parte externa do tanque.) Em 19 de setembro de 1944, tropas alemãs iniciaram uma retirada organizada ao longo da frente de Narva. Suspeita-se que o tanque foi então conduzido propositadamente para dentro do lago, sendo abandonado quando os seus captores abandonaram a área.

Naquela época, um menino local caminhado pela pelo lago Matasjarv notou rastros de tanque que levam até o lago, mas não chegando a lugar nenhum. Por dois meses ele viu bolhas de ar saírem do lago. Isso lhe deu motivos para acreditar que devia haver um veículo, no fundo do lago. Alguns anos atrás, ele contou a história para o líder de um clube local de história da guerra “Otsing”. Juntamente com outros membros do clube, o Sr. Igor Shedunov iniciou pesquisas e mergulhos no fundo do lago. A uma profundidade de 7 metros, eles descobriram o tanque descansando sob uma camada de três metros de turfa.

Entusiastas do clube, sob a liderança do Sr. Shedunov, decidiram puxar o tanque para fora. Em setembro de 2000 eles se voltaram para o Sr. Aleksander Borovkovthe, gerente do AS Eesti Polevkivi, para alugar da empresa Komatsu D375A-2 bulldozer. A operação de resgate começou às 09:00 e foi concluída às 15:00, com diversas paradas técnicas. O peso do tanque em conjunto com a declividade, fez uma operação resgate que exigiu muito esforço. O D375A-2 da operação com força e estilo. O peso do tanque armado foi de cerca de 30 toneladas, por isso a força de tração necessária para recuperá-lo foi semelhante. A exigência principal para a escavadeira de 68 toneladas era ter peso suficiente para não deslizar enquanto a subindo da colina.

Após o tanque vir à tona, acabou por ser um tanque ‘troféu’, que tinha sido capturado pelo exército alemão no curso da batalha em Sinimäed, seis meses antes de ser afundado no lago. Juntas, 116 munições foram encontradas a bordo. Surpreendentemente, o tanque estava em boas condições, sem ferrugem, e todos os sistemas em condições de funcionamento.

Esta é uma máquina muito rara ainda mais considerando que lutou tanto pela Rússia quanto pela Alemanha.

Um exemplo de foto da época de um tanque inimigo capturado e utilizado pelas tropas alemãs

Fonte:

http://www.vincelewis.net/t34.html

A Grande Guerra Em FOCO

A partir de amanhã (05/04), estaremos abrindo uma série de POSTS até o próximo dia 11/04, com pelo menos uma publicação por dia, todas relacionadas a Grande Guerra. Teremos os principais confrontos e histórias interessantes, além de fotos exclusivas de alta qualidade.

Comentem ou mandem email: blogchicomiranda@gmail.com

 

E para começar segue abaixo uma raridade. O modelo francês de uma dos tanques mais utilizados, o Mark V.

 

 

Mark V

Mark V

 

 

%d blogueiros gostam disto: