Início > Curiosidades, Guerras, História, Mais Assuntos > Soldados Brasileiros de Hitler

Soldados Brasileiros de Hitler


Hitler teve centenas de soldados brasileiros em suas tropas Professor da Universidade Federal do Paraná lança livro sobre os brasileiros com dupla cidadania que lutaram pela Alemanha na Segunda Guerra Marina Lemle

É bem possível que brasileiros tenham lutado contra brasileiros na Segunda Guerra. No recém-lançado livro “Os  soldados brasileiros de Hitler” (Editora Juruá), o historiador Dennison de Oliveira sugere, com base no número de repatriados da Alemanha para o Brasil entre 1946 e 1949, que algumas centenas de brasileiros lutaram sob a bandeira da Alemanha nazista. É provável, portanto, que alguns tenham enfrentado tropas da Força Expedicionária Brasileira (FEB) na Itália, embora não se conheçam registros oficiais.

 

Apesar do tabu acerca do tema, o professor da Universidade Federal do Paraná decidiu investigar a história desses indivíduos que prestaram serviço militar para o inimigo. A idéia surgiu a partir de um trabalho de Oliveira e seus alunos no Museu dos Expedicionários em Curitiba. Ao conhecerem a história de alemães que lutaram na guerra pela FEB, se questionaram se o contrário também teria ocorrido.

 

A resposta foi sim. Através do autor de um polêmico livro revisionista, Oliveira teve acesso a seis brasileiros que foram “soldados de Hitler”. Entrevistou quatro integrantes do exército alemão e dois membros da Juventude Hitlerista, incumbida do resgate de feridos, desabrigados e corpos durante a guerra.

“Por razões óbvias, a experiência de vida desses indivíduos, suas memórias e vivências, ficaram até recentemente silenciadas. O tabu contra os indivíduos que prestaram serviço militar sob a bandeira do inimigo, bem como a revelação, ao fim da guerra, do real significado do projeto nazista (genocídio, escravismo, racismo, totalitarismo etc), trabalharam para que a aparição desse tipo de relato permanecesse praticamente impossível”, explica o autor no início do livro.

 

Para atribuir à casa das centenas o número de soldados brasileiros que lutaram pela Alemanha, Oliveira baseou-se nos relatos do coronel do Exército Brasileiro Aurélio de Lyra Tavares, comandante do escritório da Missão Militar Brasileira aberto em Berlim em março de 1946.

De acordo com o coronel, antes mesmo de iniciados os trabalhos, a repartição já havia recebido um volume substancial de pedidos de brasileiros que pleiteavam repatriação para o Brasil. Quando o escritório abriu suas portas, havia filas permanentes em torno do prédio. Ao fim das atividades da Missão em dezembro de 1949, o coronel Tavares havia contabilizado o envio para o Brasil de 2.445 brasileiros e 2.752 estrangeiros, uma vez que o plano de repatriação incluía também os membros alemães das famílias.

Segundo o coronel Tavares, 83% dos pedidos referiam-se a brasileiros que haviam entrado na Alemanha entre 1938 e 1939 – período entre a anexação da Áustria e o início da guerra.

Oliveira explica que talvez jamais se saiba com exatidão quantos destes indivíduos eram do sexo masculino e se encontravam no grupo etário recrutável para o serviço militar pelo regime de Hitler. Mas, levando-se em conta que o ingresso na Juventude Hitlerista – organização que colaborava com o exército – era obrigatório a meninos e meninas a partir dos 14 anos, pode-se estimar em centenas o número de brasileiros que atuaram no regime nazista.

Para as crianças entre 10 e 14 anos, a filiação na organização JungVolk, controlada pelo regime, também era obrigatória.

Segundo Oliveira, os brasileiros recrutados eram em maioria filhos de famílias alemãs nascidos no Brasil, que retornaram à Alemanha para estudar ou trabalhar na década de 30, geralmente com suas famílias. Com a guerra, não puderam mais retornar ao Brasil e foram convocados pela sua também pátria.

De acordo com Oliveira, os brasileiros engajados pelas forças alemãs sempre agiram e lutaram como os outros alemães. O livro registra um caso único de um soldado que se recusou a lutar contra seus compatriotas brasileiros na Itália. O soldado apelidado pelos colegas de Der Amerikaner (o americano) tinha consciência de que podia se tornar responsável pela morte de antigos amigos recrutados pelo exército brasileiro e também sofrer represálias por ser um “traidor” do Brasil, caso fosse capturado.

Uma curiosidade é que a maior dificuldade dos combatentes ao voltar para o Brasil foi a falta do certificado de cumprimento das suas obrigações militares para com as Forças Armadas brasileiras, pré-requisito para o exercício da maior parte dos direitos civis. Segundo Oliveira, eles contornavam o problema cumprindo penalidades leves, como o pagamento de uma multa, ou recorrendo a soluções informais.

 

Com a publicação, que resultou de uma pesquisa sobre cidadania e nacionalidade entre teuto-brasileiros no período 1919-2004, o professor espera incrementar a historiografia da segunda guerra do ponto de vista de quem a perdeu, contribuindo para o conhecimento sobre diferentes dimensões sociais e humanas do conflito.

“A validade do exame e preservação desse tipo de memória sempre foi amplamente reconhecida: os testemunhos daqueles que viveram, trabalharam e – neste caso – lutaram pelo III Reich pode nos fornecer pistas importantes para o entendimento de uma série de eventos que tornaram o nazismo e a Segunda Guerra Mundial possibilidades históricas”, acrescenta.

Apesar de discordar da visão política dos entrevistados – a maioria é revisionista e até negacionista, isto é, nega que a Alemanha tenha começado a guerra e promovido o extermínio de milhões de pessoas em campos de concentração – Oliveira reconhece que desenvolveu uma relação de amizade com eles, tanto que dedicou-lhes o livro.

Questionado se seus entrevistados realmente acreditam no que dizem, Oliveira afirma que a negação dos fatos “é uma atitude política consciente”. “Eles têm um orgulho patriótico da Alemanha”, diz Oliveira, doutor em Ciências Sociais pela Unicamp.

Os entrevistados do livro insistem em apontar a responsabilidade da Grã-Bretanha pela eclosão da Segunda Guerra Mundial, que, alegando defender a integridade das fronteiras polonesas, declarou guerra à Alemanha, mas não à URSS, que também havia invadido aquele país, como resultado do acordo Molotov-Ribentrop de agosto de 1939. “Fica evidente o esforço de se sublinhar o oportunismo britânico, ao mesmo tempo em que se invalidam as alegações de caráter ético ou de solidariedade que usualmente são associadas à atitude da Grã-Bretanha”, relata o pesquisador.

Os ex-combatentes também destacam os bombardeios aéreos de anglo-americanos contra as cidades alemãs, que teriam resultado na morte de pelo menos seiscentos mil alemães, além de feridos e mutilados. “Os alemães também sofreram com a guerra e é importante que se avance no conhecimento deste sofrimento – bem como o de todos os envolvidos”, explica Oliveira.

O próximo livro de Oliveira falará sobre os soldados alemães de Getúlio Vargas.

 

Fonte: Revista História Biblioteca Nacional

Anúncios
  1. sunny
    17/11/2011 às 6:14 PM

    ¬¬ blêh

  2. 02/09/2012 às 1:23 AM

    membros da Juventude Hitlerista, incumbida do resgate de feridos, desabrigados e corpos durante a gue

  3. Hulda Krischnegg
    02/09/2012 às 1:53 PM

    Meu pai era nascido no Brasil, porem ao voltar a alemanha teve de fazer parte da “Jungvolk do nazismo”. Nao podemos julgar estas pessoas por seus atos, pois se tornaram monstros sem opcao. So depois de muito ler e que pude entender e perdoar meu pai, o qual agia como nazizta dentro de nossa propria casa. Transformaram estas criancas, mentes doentes pro resto de suas vidas.

    • Lucas Viana Nogueira
      31/10/2013 às 8:35 PM

      Concordo com você.

      • ulli Krischnegg
        01/11/2013 às 7:25 PM

        Certamente Lucas. Esta e igualmente minha historia.
        Abraco

        Ulli

  4. 01/09/2013 às 5:46 AM

    A história tem vários lados, mas infelizmente, o único que vai para as carteiras escolares é aquele escrito pelos “vencedores”. Apesar do nazismo ser sim, uma ideologia torpe e monstruosa, para os alemães do fatídico ano de 1939 parecia ser a salvação diante dos absurdos cometidos por outras nações, que ao final do evento, ficaram com a fama de bonzinhos. É sabido por todo e qualquer entusiasta da II Guerra que bombardeios contra cidades como Dresden foram totalmente desnecessários, bem como ainda hoje, os aliados escondem seu lado podre, negam a existência de seus campos de concentração e sua política de extrema xenofobia, praticada até mesmo contra seus próprios cidadãos que tinham ascendentes nos países do eixo.

    Mas isso não se conta, afinal, estraga a poesia e atrapalha a produção do próximo “MEDALHA DE HONRA” ou “CALL OF DUTY”.

    Que o digam os nossos veteranos, que mesmo hoje NUNCA foram reconhecidos como tal, são conhecidos por “EX-COMBATENTES”, um termo de certo modo PEJORATIVO, comparando-se à grandiosidade dos eventos dos quais participaram.

    Mal tratados, esquecidos e abandonados após a guerra, nem mesmo têm direito ao descanso eterno num mausoléu próprio.

    • Hulda Krischnegg
      01/09/2013 às 3:09 PM

      Sou filha de um nazista, mas… nao posso fazer nada a respeito. Nao posso levar esta carga, pois foram Historias ocorridas. Nos filhos de naziztas nao podemos ser descriminados por isto. Meu pai nasceu em TAIO/SC. mas que voltou com a familia para a Alemanha. Depois a historia se seguiu. Ele ja faleceu, mas ele fez nazizmo com a familia tambem. Consequencia de uma mente pertubada pela guerra. Foi entregue aos 10 anos de idade a ser catequizado pelos Nazistas. Portanto, se alguem possa ter uma culpa, seria os pais que o entregaram.
      Sinto meu coracao bemmmm leve, pois pude perdoa-lo pelo nazismo que fez dentro de casa . Ele foi uma consequencia . Sua mente doente tem de ser entendida.
      Gostaria de poder ler seu livro. Me passa mais dados sobre o mesmo. Atualmente estou lendo “Mein Kampf”.
      Um abraco
      ULLI

  5. MARCOS MOISES MENEGUETI FARIA
    14/05/2014 às 9:36 PM

    OS SOLDADOS QUE LUTARAM PELO LADO DA ALEMANHA O PERIODO NAZISTA FORAM TÃO EMGANADOS COMO OS AMERICANOS NO VIETNAN, SOU BRAS LUTEI NO VIETNAN, FOI A GERRA MAIS SUJA QUE EXISTIU O GOVERNO AMERICANO FES TODO TIPO DE MALDADE DESDE NAPALM A EXECUCOES EM MASSA CASO MAY LAY E MUITAS ALDEIAS QUEIMADAS COM TODA A POPULAÇÃO DENTRO EU TIR O CHAPEU PELOS BRAS QUE LUTARAM PELA ALEMANHA FORAM VITIMAS IGUAIS AOS JUDEUS DEVIAM TER UM MONUMENTO

    • 18/07/2014 às 2:18 PM

      Nem se compara a maldade americana com a maldade dos comunistas vietnamitas! Estes ganham de “7 a 1″… E quanto aos brasileiros que lutaram pela Alemanha, sempre se pode dizer “não”. Basta coragem e determinação de fazer o que é certo.

  6. anderson
    03/01/2015 às 10:42 AM

    pra mim pessoas que nasceram no brasil e lutaram pelo inimigo são traidores piores que os próprios nazistas que sempre moravam lá, deveria ter pena de morte para eles.

  7. Diego
    13/06/2015 às 11:24 PM

    De forma alguma o Brasil teve acao militar no front da segunda guerra mundial, apenas teve carater de apoio, retaguarda e carater medico para os combatentes ingleses, e principalmente os americanos.

    • 13/06/2015 às 11:30 PM

      Diego,

      Geralmente não respondo a posts, mas sua afirmação me deixou curioso. O Brasil não teve ação militar no Front na Segunda Guerra Mundial? Ou você não conhece? Vi que você apontou dois generais alemães e um membro do Alto Comando Alemão maiores articulares militares da História. Fique curioso. Me explique o que é “carater de apoio, retaguarda e carater medico”.

  8. Antonio de Nazaré
    24/07/2016 às 8:48 PM

    Na guerra você escolhe um lado e paga por isso. Não pode comparar o sofrimento de um povo que não tinha armas nas mãos(os judeus) com “alemães”que certamente poderiam deserdar, se entregar ao primeiro pelotão inimigo, pegar o primeiro cargueiro para outro país. A minoria do povo alemão pagou pela irresponsabilidade da maioria que apoiou o transloucado HItler com sua ideia de conquistar o mundo. Só caíram na real quando os bombardeiros aliados começaram a bombardear as então intransponíveis defesas nazistas das cidades.

  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: