Anúncios

Arquivo

Archive for 25/12/2011

Natal da Segunda Guerra – A Utopia da Paz na Guerra

Ray Wissel, um soldado de 19 anos de idade, sentou-se em uma máquina de escrever na noite de Natal de 1944 em uma cabana da sua base numa vila no norte da Itália, datilografando uma carta enquanto a neve caía lá fora.

Ele estava escrevendo a sua família em Mount Adams nos Estado Unidos. Ele escolheu suas palavras com cuidado, como sempre fazia quando escrevia – cuidado para não aborrecê-los, cuidado para não lembrá-los do perigo real e presente que ele estava passando:

“Estou escrevendo esta carta sobre 08h30min na noite de Natal… Os últimos dois dias foram certamente felizes e ocupado para mim… Acho que eu posso dizer que eu estou gostando muito do feriado, mesmo sob essas condições.”

O que ele dizia a eles era sobre a solidão que sentia, o quanto ele sentia falta das ruas sinuosas do Monte Adams, o barulho e a desordem e a alegria de sua família no Natal.

 Não citava sobre o terrível ano que ele tinha acabado de ter, o ano mais difícil da sua ainda jovem vida.

Começou quando ele foi enviado ao norte da África para treinamento. Lá, ele se tornou parte de um esquadrão de 12 homens jovens, todos soldados como ele.

 Eles eram soldados de infantaria, preparados para lutar, e eles tinham a tarefa mais perigosa que um soldado de infantaria poderia ter – caçar-minas, enviados à frente do corpo principal da tropa para limpar os campos e estradas das minas mortais que os alemães haviam construído.

 Eles foram enviados para a Itália com o famoso “The Blue Devils” da Divisão de Infantaria 88. A luta foi sangrenta e brutal por meses a fio.

 No Natal, nove dos 12 homens – homens que eram como irmãos para o jovem Ray Wissel – haviam sido mortos na batalha.

Essa foi a grande tristeza que ele não poderia escrever em sua carta de Natal, que seria, por seus pais George e Catherine, como um lembrete de que seu próprio filho – seu filho mais novo – poderia ser o próximo.

 O que o jovem soldado não sabia é que a carta da noite de Natal por ele cuidadosamente redigida, iria ser preservada e mantida por toda a sua vida, juntamente com todas as outras 265 cartas que seu filho escrevera durante a Segunda Guerra Mundial.

Esta semana, na sala de jantar de sua casa Oak Hills, Wissel sentou-se com pilhas dessas cartas – todos preservados em seus envelopes originais de correio.

“Eu não tinha ideia de que ela estava mantendo essas cartas”, disse Wissel, agora com 85 anos. “Eu acho que isso significava muito para ela toda vez que ela recebia notícias minhas. Assim que ela sabia que eu ainda estava bem.” A filha Wissel, Kathy Cristóvão, está compilando as cartas de guerra de seu pai em um livro. “É uma história da campanha da Itália a partir de um soldado que estava na linha de frente, fazendo um trabalho muito perigoso”, disse Kathy. “É algo que quero preservar para a nossa família, mas também para todos os outros. É história!”

 A maioria das cartas estão escritas à mão – algumas na minúsculos quadrados de papel chamado de “V-mail” que os soldados da Segunda Guerra Mundial usava para escrever para casa.

 Mas os escritos no final de 1944 eram datilografados. A razão para isso era algo que Wissel não podia explicar para a família naquele tempo. Após a sangrenta batalha de Monte Battaglia em setembro, o pessoal da base foi colocando relatórios diários e as listas de baixas era alta e precisavam de um soldado que pudesse datilografá-los, em vez de escrevê-los à mão.

Wissel era um dos poucos que poderia fazer isso. Ele foi retirado da linha de frente e colocado na base por alguns meses, digitando os relatórios de baixas durante o dia e escrevendo cartas para à sua família à noite.

Mas sua família sabia pouco sobre isso. Ele se juntou ao Exército, quando tinha apenas 17 anos, uma decisão que deixou sua mãe aflita. Ela havia perdido um filho de 16 anos em um acidente de bicicleta, e outro filho estava servindo na Marinha.

E ele não poderia escrever nada que deixasse sua mãe mais angustiada, portanto escreveu sobre jantar de Natal servido para as tropas – peru, purê de batatas, morangos, ervilhas, café, bolo e pudim. Escreveu sobre a missa da meia-noite de Natal em cidade italiana próxima.

“A viagem de volta foi legal e realmente… uma pequena igreja no feixe de um dos nossos holofotes brilhara intensamente. Ela estava no topo de uma colina e aquela que vamos no domingo.”

 Escreveu, também, o capitão, fazendo discurso para sua companhia.

Não muito tempo depois de escrever a carta para casa, Wissel foi enviado de volta para a linha de frente, para ver mais combate antes do fim da guerra na Europa em maio de 1945.

 No Natal de 1945, ele estaria de volta para casa com sua família, são e salvo.

Mas naquela noite de Natal na Itália, afastado em uma máquina de escrever, nunca seria esquecido. Tampouco suas memórias e de seus companheiros que não iriam voltar para casa.

“Foi tudo muito tempo atrás”, Wissel disse, apontando para a pilha de cartas. “Mas está tudo aqui. Tudo isso era o que eles deveriam saber. Há muito mais que eu não quero que eles saibam. Essa é a maneira, essa é a guerra. “

 Fonte: Howard Wilkinson, The Cincinnati Enquirer

Anúncios
%d blogueiros gostam disto: